• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 24 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Qui.
 33° / 22°
Períodos nublados
Qua.
 34° / 19°
Céu limpo
Ter.
 36° / 22°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  38° / 18°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Abrilando

Opinião  »  2018-05-03  »  Margarida Oliveira

"A generosidade maior de Abril foi dar a liberdade a todos,"

A jornada diária de oito horas de trabalho, banal nos dias de hoje, foi conquistada um pouco por todo o mundo, com sangue, suor e lágrimas. Comemorada no primeiro de todos os dias de maio, foi uma das muitas comemorações reprimidas pela PIDE, por ser combustível dos anseios do povo. Foi e é um dia temido pelos poderes opressores. Como o são todos os dias, manifestações ou motivos de esperança de quem trabalha, de quem sonha, de quem produz. De quem luta.

O de 74’ foi o primeiro comemorado em liberdade. Com emoções ao rubro, apenas seis dias volvidos do mais belo dia de todos os Abris. E o mais belo dos Abris tem pai. E mãe.
E aqueles que não o foram (pai ou mãe), renegam-lhe despudoradamente os seus obreiros. Não podendo apagar a mais linda viragem da história do nosso país e do seu povo, exemplo para o mundo, não podendo sequer dizer-se contra essa página de luz, não por falta de liberdade, que a têm, mas por vergonha na cara, fazem do 25 de Abril de 1974 não só um dia órfão, mas, pulhice maior, dizem-no irmão mais velho de um outro 25, sabujo e sujo, ganancioso e ressabiado.

Perene nos corações dos que verdadeiramente amam. E lutam, por todos e mais bonito ainda, para todos, 74’ só tem um 25 que é de amor, luta e liberdade. O de Abril.
Fazem-se comemorações ocas, de sentimento e conteúdo, ofendendo a Abril, os seus ideais e liberdades, e a Maio, os direitos conquistados e reconhecidos, a jornadas de trabalho dignas, a tempo para o lazer e para a família, a relações laborais justas, a salários que reconheçam o contributo dos trabalhadores para o desenvolvimento do país e que lhes permitam viver o tempo não laboral, que tão duramente conquistaram, com tranquilidade, com acesso à cultura, ao lazer, que não seja ficar fechado em casa, dormente, porque assim o tempo passa mais depressa e não se gasta o dinheiro que não se tem, para viver uma vida que tanto se merece.

A generosidade maior de Abril foi dar a liberdade a todos, de forma democrática e indiscriminada, mesmo àqueles que de forma mais ou menos aberta lutaram e lutam ainda hoje contra os seus ideais. A de Maio foi o orgulho, orgulho na dignidade de quem trabalha, de quem produz, de quem gera riqueza para si e para o outro.
São a marca de água do carácter bonito da nossa história popular, indelével, porque «as portas que Abril» abriu foram arrancadas dos gonzos e deitadas por terra.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O quarto milagre de Fátima »  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia

O começo do ano lectivo é marcado pela generalização de uma nova reforma do sistema educativo. A ideia que está na base de mais uma aventura na educação portuguesa prende-se com a convicção da actual equipa do Ministério da Educação de que o trabalho realizado pelo professorado está globalmente desadequado às exigências do século XXI.
(ler mais...)


Poesia nos posters »  2018-09-12  »  José Mota Pereira

Eu não entendia. Nem poderia entender (aos seis, sete, oito anos de idade) o alcance daquelas palavras. Mas havia naqueles dois posters um magnetismo, uma espécie de magia que me prendiam às palavras que deles saltavam para os meus olhos.
(ler mais...)


Rentrée »  2018-09-12  »  Anabela Santos

O mês de Agosto já passou, acabaram as férias, o verão vai deixar-nos e aproxima-se o Outono.

Chegou Setembro, o mês do(s) recomeço(s). Na minha opinião, seria a altura de abrirmos uma garrafa de champanhe, de fazer um brinde à nova época, um brinde à vida.
(ler mais...)


Ansiedade: uma doença da sociedade moderna »  2018-09-12  »  Juvenal Silva

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma emoção causada por uma ameaça observada ou experimentada e, que o organismo utiliza como mecanismo para reagir de forma saudável às pressões da vida ou até a situações de perigo.
(ler mais...)


Olha, a gaivota! Olha a gaivota! »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito.
(ler mais...)


O passado e a tradição »  2018-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Graças a um artigo de António Guerreiro, no Público, descobri dois versos extraordinários do realizador e poeta italiano Pier Paolo Pasolini. Deste, conheço alguns filmes, mas nunca li a sua poesia.
(ler mais...)


Ética »  2018-08-29  »  Inês Vidal

As novas tecnologias e a Internet - admirável mundo este que nos leva ao outro lado do globo num segundo - vieram mudar os nossos dias, rotinas, até o tom e a forma das nossas conversas. “O meio é a mensagem”, já anunciavam há muito alguns teóricos destas coisas da comunicação.
(ler mais...)


Agosto »  2018-08-29  »  José Mota Pereira

O mês de Agosto vai-se despedindo, a pouco e pouco, nestes dias e noites quentes.

Não há novidade nisto: Agosto ainda é o mês em que, por todo o país, se toma conta dos largos e se dança, canta, convive nas festas populares, trazendo vida aos territórios a que chamamos aldeias e de onde, se há notícias ao longo do ano, é para contar do abandono e da desertificação.
(ler mais...)


Uso e abuso de substancias químicas: a dependência de drogas e álcool »  2018-08-29  »  Juvenal Silva

O uso e abuso de substâncias químicas caracteriza-se por uma dependência, tanto psicológica como física, de drogas, incluindo-se medicamentos com receita médica e álcool.

O que é uma dependência química? Acontece quando um indivíduo necessita de uma droga para funcionar.
(ler mais...)


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)