• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Falar por falar

Opinião  »  2017-12-12  »  Anabela Santos

"Estamos a viver a quadra natalícia. Uma época que dura meses e meses, não tem fim"

Hoje, sentei-me no sofá em frente à lareira. Trouxe comigo caneta e papel – ainda não me sinto conquistada pelas novas tecnologias – e pensei: “Se estou aqui, “munida com estas armas”, é porque me apetece escrever”. Mas escrever sobre o quê?

Poderia voltar a falar no que está menos bem na nossa cidade. Falar do lixo que encontro, diariamente, nas ruas e que insiste em ficar à espera que alguém de bom senso se lembre que não é ali o seu lugar.
Mas já tantas pessoas escrevem sobre as mazelas deste concelho. O lixo, o rio, o centro histórico, aldeias abandonadas… Não, não quero, não me apetece falar!
Também podia escrever sobre a eleição do nosso presidente da Câmara, Pedro Ferreira, para o conselho diretivo da Associação Nacional de Municípios Portugueses. Parabéns, senhor presidente! Mas outros falarão e também não quero, não me apetece falar!

E sobre o Natal?
Estamos a viver a quadra natalícia. Uma época que dura meses e meses, não tem fim. Sim, é verdade. Não vivemos intensamente, com fé e alegria, a noite e dia de Natal. Não nos limitamos a celebrar, em paz e amor, num período de vinte e quatro horas, o nascimento do Menino Jesus. Muitos nem se lembram que é esta a razão de tanta luz, alegria, euforia, sorrisos e abraços nesta altura do ano. O Natal não se limita a uma noite e um dia mágico em família. Somos invadidos pelo “espírito” natalício desde Outubro e esta invasão dura e perdura até Janeiro, até ao dia de Reis.

Mas, também, todos escrevem sobre este tema. O Natal dos ricos, dos pobres, o consumismo, a injustiça social, o “encoberto”. E não falo de D. Sebastião que um dia nos deixou e, ainda hoje, desejamos que volte, pois acreditamos que só o seu regresso nos voltará a fazer ter esperança num país melhor.
O Natal… que seja vivido com muito amor, paz e confiança. Mas não é sobre isto que quero falar, não me apetece!

Entretanto, lembrei-me de algo importante. Lembrei-me das dezenas e dezenas de homens, mulheres (de mais ou menos idade), jovens e crianças que durante todo o ano, e principalmente nesta época, dedicam muitas horas dos seus dias em prol dos outros. Pessoas que, todos os dias, se lembram que não há Natal em muitas casas do nosso concelho. E, o que é de louvar, é que não se lembram só nesta época em que todos levantamos a bandeira da solidariedade. Eles sabem, eles conhecem, eles têm a certeza que é urgente o Natal durante todo o ano.

Ligados a organizações, instituições, associações, grupos, pessoas individuais… Tantos que festejam, todo o ano, o nascimento do Menino Jesus. Durante trezentos e sessenta e cinco dias, carregam a bandeira da solidariedade levando, assim, um pouco de alento aos torrejanos menos favorecidos. Sim, podemos fingir que não sabemos, mas há muitos torrejanos a viver com dificuldades e que dependem, infelizmente, da bondade e da generosidade dos outros.
É nossa obrigação reconhecer e agradecer todo o seu trabalho e dedicação. A preocupação vivida por estas pessoas, diariamente, mostra-nos o verdadeiro espírito natalício. Obrigada!

Afinal, acabei por escrever. Sobre o quê? Não sei… falei só por falar.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias

Um sidonismo suave »  2018-01-04  »  Jorge Carreira Maia

Apesar da situação actual ser radicalmente diferente daquela que, durante a I República, conduziu Sidónio Pais ao poder, o país caiu, sem dar por isso, num novo sidonismo. Sidónio, de forma turbulenta, tal como eram os tempos de então, liquidou o parlamentarismo republicano e instaurou um regime presidencialista.
(ler mais...)


Boas intenções e boas ações »  2018-01-04  »  Maria Augusta Torcato

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de que há um recomeço, um renascimento e uma renovação da esperança nem se sabe bem de ou em quê.
(ler mais...)


Os avieiros já morreram há muito »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras.
(ler mais...)


Resíduos natalícios »  2018-01-04  »  Nuno Curado

Este ano, mais uma vez, repetiu-se o que se tornou a marca do Natal dos tempos modernos: o exagero de compras, presentes, coisas que se compram e oferecem. E em paralelo, as inevitáveis embalagens, embrulhos, sacos, enfeites e laços. Todos estes últimos, depois do efémero ritual de oferece – desembrulha – deita-fora-o-embrulho (e a embalagem), são apenas resíduos do dia seguinte… E nestes dias, a confusão na mesa da ceia ou a pressa para ir à missa de Natal não deixam tempo ou vontade para separar todo o lixo produzido.
(ler mais...)


Pasta medicinal couto »  2018-01-04  »  Fernando Faria Pereira

Primeiro mês do ano, aniversário para mim, já próximo dos sessenta. O velho passou-se, rei morto, viva o rei! Não faço previsões, mas informo-me: são tantas notícias ao mesmo tempo, de todo o lado, em tão variados meios, jornais, rádio, televisão, que por vezes me apetece desligar, mas não é possível! A internet tem tudo a não sei quantos megabites por segundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...