• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 27 Novembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 18° / 9°
Períodos nublados
Dom.
 16° / 7°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 16° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  17° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Onde pára o PS? - josé mota pereira

Opinião  »  2020-11-21  »  José Mota Pereira

"Este PS limita-se a existir ligado à máquina da câmara municipal"

Vivi algum tempo nos Açores, onde contactei com uma realidade social e política muito diversa daquela a que estava habituado por estas paragens. Nesse período, a transição do poder político passava de Carlos César para o seu sucessor, Vasco Cordeiro, de forma absolutamente tranquila, com o PS exercendo uma maioria eleitoral que a toda a gente parecia vir a ser eterna.

Só vivendo naquelas ilhas, nesse período, se pode perceber o peso que o PS detinha na vida social. Embora a democracia decorresse de forma normal no plano formal, era bem evidente a promiscuidade existente entre a administração pública regional, os municípios e a restante sociedade, numa rede onde o silêncio e a cumplicidade eram regras de ouro para a obtenção de favores.

Esta democracia diminuída parecia eternizar o PS no poder regional. Este ano, porém, a conjugação de diversos fatores, alguns deles improváveis, fez com que o PS, embora ganhando as eleições, tenha sido apeado do poder. Ainda hoje há-de haver muito boa gente sem perceber o que sucedeu e a fazer contas à vidinha. De repente, a velha promiscuidade entre o poder regional e a sociedade açoriana, construída sobre favores e prendas, deixou de ser o seguro de vida desta governação. Infelizmente, a nova maioria “alternativa” que resultou destas eleições é assente numa coligação suportada com o acordo e o apoio de uma organização partidária que assume propostas xenófobas, discriminatórias e contra o Estado Social. Foi este o brilhante resultado da cultura democrática exercida desde 1996 nos Açores pelo PS.

Em Torres Novas, o PS governa a Câmara desde 1993 e desde 1997 fá-lo em maioria absoluta na câmara, na assembleia municipal e na maioria das juntas de freguesia. Nas votações para a Assembleia da República é o partido mais votado desde 1995, com a excepção de 2011 com a Troyka em Portugal, em que aqui também o PSD venceu o PS de Sócrates. É portanto, neste quadro o PS, um partido com especiais responsabilidades na vida local de Torres Novas.

No entanto, aquilo que se sabe da vida do PS local é muito pouco ou nada. A sua existência é absolutamente clandestina. Estranhamente, são inexistentes os seus sinais de vida. Não há registo público de qualquer atividade ou tomada de posição seja sobre o que for, praticamente não são conhecidos os seus dirigentes locais, não há registo de presença nas redes sociais e numa busca pelo google as últimas noticias referem-se à demissão de António Rodrigues da presidência da comissão concelhia em 2016. Onde pára o PS em Torres Novas?
Em contraponto, a oposição local, nos seus diferentes quadrantes, de diversas formas promove regularmente atividades diversas, toma posições públicas, visita freguesias, promove debates, assume propostas alternativas (e não estou obviamente a qualificar os seus conteúdos ou oportunidade) e apresenta-as publicamente, quer à comunicação social, quer através dos seus meios próprios de divulgação na Internet.
A tudo isto o PS local faz orelhas moucas.

De um partido político com as responsabilidades que o PS tem no governo do município, na região e no governo do país, esperava-se que se soubesse um pouco do que pensa e defende sobre: a saúde na região, a mobilidade e transportes, ambiente, políticas culturais, estratégias inter-municipais de desenvolvimento, Plano Nacional de Investimentos, propostas de âmbito local e regional na discussão em especialidade dos Orçamentos de Estado. E por aí fora.
O que se sabe? Nada. Infelizmente para o PS local, nada disto parece ser importante. Não se conhece uma ideia, uma que seja, para além do que emite a câmara através da presidência ou dos seus vereadores.
A voz do PS é a voz da câmara ou vice-versa.

Ainda mal. Porque este PS limita-se a existir ligado à máquina da câmara municipal para, de forma legal e legítima, se perpetuar no poder. Uma estratégia que conta com dirigentes e militantes disciplinarmente emudecidos. Uma estratégia que conta nas freguesias com presidentes de junta silenciosamente agradecidos pelo alcatrão que aqui e ali se vai espalhando. Uma municipalização da atividade partidária que conta com uma teia de interesses colaborantes, onde à cabeça se encontra o apoio mais ou menos explícito de alguns órgãos de comunicação social dispostos a cooperar na propaganda conveniente. Simultaneamente, desvalorizam-se e ignoram-se as propostas da oposição, vendendo barata a ideia de que se trata de apenas jogadas de politiquice, colocando-se de uma forma superior sobre todos os outros intervenientes da discussão democrática.

A demissão democrática do PS em Torres Novas poderia ser apenas uma questão interna dos seus militantes e apoiantes. Se o fosse, abster-me-ia da escrita destas linhas. Mas não é. A municipalização da atividade partidária, como estratégia de um partido político, é grave e merece denúncia pública. A agenda de um município não pode nunca ser a agenda do partido que o governa, por maior e mais antiga que seja a sua maioria. Assistimos a um empobrecimento geral da democracia local que poderá vir a custar-nos muito caro. O PS com o seu silêncio, a sua dependência e submissão ao pensamento e acção únicos da meia dúzia de protagonistas do poder municipal, está a contribuir para uma degradação cívica que se vai instalando e está a abrir caminhos perigosos.

Tal como sucedeu nos Açores, nada é imutável. A alternativa política há-de chegar. O PS local e os seus militantes serão responsáveis se ela vier a assentar numa mal amanhada alternância construída sobre tristes, vergonhosos e lamentáveis apoios. Dessa responsabilidade nunca se libertarão. Estaremos cá para os lembrar do seu silêncio conveniente de hoje. Um a um, todos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Gatos »  2020-11-21  »  Rui Anastácio

A “Rosa dos Gatos” foi uma das personagens que habitou a minha infância. Na verdade a minha infância foi habitada por uma miríade de personagens. Escolhi a Rosa não sei bem porquê.

A Rosa alimentava vinte gatos, tinha muito mau feitio para as crianças mas um imenso amor pelos gatos.
(ler mais...)


[Breve ensaio para uma carta ao futuro] - margarida trindade »  2020-11-21  »  Margarida Trindade

Aquele era o tempo do contágio. O tempo em que da ordem nasceu a desordem. O tempo da separação e da angústia. O tempo asséptico. O tempo final. O tempo do medo. O tempo da rebelião e de todos os perigos latentes.
(ler mais...)


Ser Torrejano - josé ricardo costa »  2020-11-21  »  José Ricardo Costa

Desço a rua dos Anjos quando o meu cérebro é de repente apoquentado por uma radical e inquietante questão. Não o pavor diante do silêncio e escuridão do espaço cósmico ou por não saber se quando esticar o pernil irei dar com a Audrey Hepburn a cantar o Moon River numa matiné de domingo no Virgínia ou com um cenário de Bosch.
(ler mais...)


Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia »  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Depois de uma pequena acalmia, a pandemia de COVID-19 escalou. Contágios, internamentos, utilização de cuidados intensivos e mortes, tudo isso apresenta números que são já assustadores. É fácil criticar os governos, difícil, porém, é ter, com os recursos existentes e com os conhecimentos disponíveis, respostas que agradem a todos ao mesmo tempo.
(ler mais...)


Generalizar, apontar, julgar - inês vidal »  2020-11-21  »  Inês Vidal

Digo isto com frequência. Quem melhor me conhece, já o ouviu dezenas de vezes. Ainda hoje, ao jantar, dizia à minha filha que não podemos viver no preconceito. A vida não é a preto e branco, tem antes milhares de nuances.
(ler mais...)


Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva »  2020-11-21  »  Carlos Paiva

As árvores, além de produzirem oxigénio e servirem de lar para uma série de bicharada, têm num dos efeitos colaterais à sua existência, o arrefecimento do ar. Onde há árvores, fica mais fresquinho.
(ler mais...)


Água - antónio gomes »  2020-11-21  »  António Gomes

A água é um recurso escasso, não é infinito e não podemos viver sem ela. O acesso à água é um direito humano.
Muito se tem escrito e muito se vai continuar a escrever sobre a exploração e utilização da água, mas medidas concretas para rentabilizar a sua utilização são ainda são escassas e decisões políticas são a excepção.
(ler mais...)


Voltemos ao comércio local - antónio gomes »  2020-11-06  »  António Gomes

A situação de pandemia agrava-se aos olhos de toda a gente e as consequências desta situação são evidentes: no emprego/desemprego, na actividade económica, na transacção de mercadorias, em particular no comércio local.
(ler mais...)


FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira »  2020-11-06  »  José Mota Pereira

Passados três meses da sua aquisição, o smartphone decidiu entregar a alma ao criador, pelo que o cronista teve que o substituir temporariamente, aguardando a devida recuperação do paciente tecnológico. Sendo a doença temporária e recuperável no prazo razoável de três semanas, decidiu o cronista investir a modesta quantia de cerca de vinte moedas de euros na aquisição de um aparelho telefónico portátil, a que dantes chamávamos telemóvel, para permitir o seu contacto com os outros humanos do Mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-11-21  »  José Mota Pereira Onde pára o PS? - josé mota pereira
»  2020-11-21  »  José Ricardo Costa Ser Torrejano - josé ricardo costa
»  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia Hiperpolitização - jorge carreira maia
»  2020-11-21  »  Carlos Paiva Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva
»  2020-11-06  »  José Mota Pereira FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira