• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Pesquisar...
Qui.
 18° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 13° / 4°
Céu nublado
Ter.
 13° / 6°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O clube dos escritores traídos

Opinião  »  2017-04-06  »  Jorge Carreira Maia

"O século XX foi ontem. E se a História é fundamental para o compreendermos, a literatura que nele se escreveu tem uma importância idêntica. "

Há umas semanas noticiou-se que a editora de Agustina Bessa-Luís mandara retirar do mercado os livros desta autora. Parece que já não vendia o suficiente. Há claramente um conflito negocial, digamos assim, entre a editora e representantes da escritora. Não é esse assunto que me interessa, mas um que lhe está ligado. Agustina foi durante muitos anos, ao lado de José Saramago e de António Lobo Antunes, uma escritora com um amplo mercado. Como Saramago e Lobo Antunes, a escritora nortenha não escrevia literatura de entretenimento. Estávamos – e estamos, pois ainda é viva – perante uma autora brilhante, provocadora e, literariamente, exigente. Neste episódio, e independentemente da guerra negocial, há qualquer coisa que nos deveria fazer pensar.

Se olharmos para o século XX, há um conjunto de escritores bastante interessantes que entraram num limbo e que parecem estar a apagar-se da memória nacional. Sem ser exaustivo, recordo José Rodrigues Miguéis, Carlos de Oliveira, Vergílio Ferreira, José Cardoso Pires, Augusto Abelaira, Irene Lisboa, Fernanda de Castro, José Régio, Jorge de Sena, Vitorino Nemésio, Ruben A., Maria Judite Carvalho, Nuno Bragança e Fernanda Botelho. Haverá nesta lista esquecimentos imperdoáveis, mas isso é irrelevante. Outros ainda estão bem vivos nas escolhas dos leitores. Alguns dos autores referidos ainda terão o seu público, mas a sensação que se tem é que a memória das suas obras encolhe a cada dia que passa. É esta retracção da sua presença no espaço mental português que nos deveria preocupar.

O século XX foi ontem. E se a História é fundamental para o compreendermos, a literatura que nele se escreveu tem uma importância idêntica. Aquilo que somos – e o que somos é sempre múltiplo e diferenciado – repercute-se nas diferentes obras literárias. A complexidade e a riqueza do ser português do século XX estão plasmadas nessas obras. Ora se elas se forem apagando por falta de leitores, é uma parte – e das mais importantes – de nós que morre ao abandono. Não ler a literatura do século XX – e a dos anteriores, diga-se – significa que deixámos de nos interessar por quem somos. Ler as obras já de nada valerá a muitos dos autores do século XX, pois já morreram. No entanto, pode-nos valer a nós, ajudar-nos a saber quem somos e porque estamos onde estamos. Um povo que deixa – por desinteresse e ignorância galopante – apagar-se a memória da sua literatura é um povo que está doente, muito doente. Não façamos com os escritores do século XX um triste clube dos escritores traídos.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


O que se perfila »  2017-11-30  »  Jorge Carreira Maia

Apesar dos trágicos acontecimentos ligados aos incêndios e de algumas patetices governamentais, a esquerda continua, nas sondagens, a ser largamente maioritária. O problema começa agora que os acordos, que estabeleceram a coligação parlamentar, estão praticamente cumpridos.
(ler mais...)


O sentido da vida »  2017-11-29  »  Carlos Tomé

Há pessoas que vivem toda a vida sem se dar por elas. No fundo parece que não calcam o mesmo chão, que não bebem o seu café na Praça, uma italiana com adoçante faxavor, parece que não andam cá por estas bandas, são como o homem invisível, por vezes só se vê o contorno do casaco, remetendo-se a um silêncio exasperante e a uma invisibilidade que nos alimenta a ilusão de termos alguma importância ao pé deles.
(ler mais...)


TRANSIÇÃO EM CURSO »  2017-11-29  »  Denis Hickel

Nos dias que correm, quando falamos sobre o futuro das cidades, devemos acrescentar à lista dos problemas ambientais em curso o futuro robótico que se avizinha e o impacto geral que a tecnologia poderá trazer para as nossas vidas.
(ler mais...)


Palermas de serviço »  2017-11-29  »  Maria Augusta Torcato

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.
(ler mais...)


ORU »  2017-11-29  »  António Gomes

A operação de reabilitação urbana – ORU – que tem estado em discussão pública, é um documento importante pelas consequências que poderá trazer à cidade de Torres Novas.
(ler mais...)


Deus 2.0 »  2017-11-29  »  José Ricardo Costa

O problema da existência de Deus foi, até ao século XIX, tema incontornável da Filosofia, não havendo filósofo que não metesse a sua colherada nem que fosse para deitar veneno. Depois, quase recebeu a extrema-unção.
(ler mais...)


Propólis: um poderoso antibiótico natural »  2017-11-29  »  Juvenal Silva

As abelhas protegem com segurança o seu reduto, a colmeia: contra os fungos, os vírus e as bactérias que se formam com a decomposição dos bichos que tentam entrar nos seus enxames, como ratos, vermes, aranhas, etc.
(ler mais...)


Os corvos-marinhos estão de volta. »  2017-11-29  »  Nuno Curado

Já há alguns anos que os choupos encostados à ponte da Levada são o pouso matinal de um grupo de corvos-marinhos que frequenta a cidade. Para quem não os conhece, parecem umas garças de cor preta e bico mais grosso, com uma mancha branca e amarela na face.
(ler mais...)


“A política é como os amigos” »  2017-11-29  »  Rosa Amora

A política, meus amigos, é como vocês. Por vezes leve, às vezes pesada, pode ser tão brincalhona como tão séria que chega a doer.
E a amizade é mesmo como a política. Tem altos e baixos, é inspiração, é luta, é carinho pelos outros.
(ler mais...)


A Nikita em Torres Novas (ou uma crónica pessoal pouco ou nada revolucionária no Centenário da Revolução de Outubro) »  2017-11-29  »  José Mota Pereira

Recuemos a 1985. Ao final desse ano. Elton John lançou “Nikita” um dos seus maiores sucessos musicais. A temática era claramente influenciada pelo ambiente de mudança que se começava a viver na Europa de Leste, desde que em março, na União Soviética, Gorbachev chegara a secretário geral do PCUS, anunciando um plano de reformas – a Perestroyka – que viria a alterar o mapa do mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)