• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 13 de Novembro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 20° / 10°
Períodos nublados
Qui.
 20° / 10°
Períodos nublados
Qua.
 20° / 9°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  19° / 8°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

“Médio Tejo não é uma região”

Sociedade  »  2018-08-31 

Independentes de Alcanena querem um ribatejo uno e coeso

É a primeira vez que um autarca diz, preto no branco, o que muitos sentem mas nunca ousaram dizer: Gabriel Feitor, vereador da câmara de Alcanena, lançou o grito de Ipiranga para pôr fim a um desvario político-administrativo que destruiu a região do Ribatejo por conta de cargos e interesses partidários.

O contexto é a obrigação que as comunidades intermunicipais têm de, até ao dia 13 de Setembro, apresentarem uma posição concertada ao Governo central sobre os investimentos que entendem prioritários para o próximo quadro comunitário de apoio. A comunidade intermunicipal do chamado “Médio Tejo” e a sua congénere da parte sul da região, chamada “da Lezíria”, cada uma agrupando os seus municípios, deveriam, pois, acordar cada uma nos empreendimentos estruturantes que acham necessários.

O problema é que há quem considere que os investimentos e as prioridades deveriam ser vistos numa perspectiva mais global da região, aquilo que em termos gerais é o antigo Ribatejo ou, por outro lado, o antigo distrito de Santarém, por não fazer sentido duas pequenas unidades territoriais fazerem-no isoladamente.

Uma das questões que está em cima da mesa é a conclusão da A13, que implica uma nova travessia do Tejo. A via liga a A2, junto à Marateca, até próximo de Santarém (neste momento), faltando concluir o resto do troço a partir de Almeirim, previsto até à Atalaia, onde ligará à A23 seguindo sempre pela margem esquerda até próximo da velha ponte da Chamusca, o que implica uma nova ponte. Este investimento figura no plano rodoviário nacional desde 1985 e visa retirar o tráfego intenso dos núcleos urbanos de Almeirim, Alpiarça e Chamusca, resolvendo também o problema da ponte da Chamusca, actualmente um imbróglio para o trânsito de veículos.

Na reunião do executivo municipal de Alcanena, do passado dia de 20 de agosto, o vereador dos Cidadãos por Alcanena, Gabriel de Oliveira Feitor, apelou a que esta negociação tenha em conta toda a região do Ribatejo e não a já “tradicional centralização em Abrantes”, como referiu.

Gabriel Feitor questionou directamente a presidente da câmara, tentando saber se a maioria socialista tem algo pensado sobre o assunto, mas Fernanda Asseiceira disse apenas que em Setembro levará à reunião da câmara algo já definido. O jovem vereador foi peremptório: “Compreendemos que este assunto é importante para a região, não para o Médio Tejo, que não entendemos ser uma região, mas sim para o Ribatejo uno e coeso. A questão da travessia do Tejo é mais um exemplo de porque devemos trazer novamente à ordem do dia o assunto da regionalização, a defesa do Ribatejo uno e questionar este tipo de divisões administrativas que nos querem impingir a partir dos gabinetes de Lisboa”, disse o jovem investigador da história local alcanenenese.

Gabriel Feitor considera também que os investimentos estruturantes não devem ser definidos “novamente por uma hegemonização política de Abrantes com os municípios limítrofes mais pequenos a seu reboque, como parece ser evidente nas palavras e atitudes de Abrantes na comunicação social. Não é nada concreto contra Abrantes ou contra as suas gentes, mas, e isso sim, a reivindicação da igualdade territorial que não se tem verificado ao longo destes anos”, assegurou.
Feitor alude a eventuais manobras tendentes a desviar o troço em falta da A13 mais para norte, ou mesmo na “concertação” de uma nova travessia do Tejo junto ao Tramagal como prioridade, para servir as empresas locais, deixando a ver navios, por mais longos anos, a conclusão do troço da A13 até à Atalaia e a respectiva travessia junto à Chamusca.

Para os Cidadãos por Alcanena, é mesmo prioritária a conclusão do troço a A13 entre Almeirim e Atalaia, já que que iria “resolver dois problemas essenciais: o desvio de trânsito pesado das localidades de Almeirim, Alpiarça e Chamusca e a construção de uma nova travessia do Tejo que colmatará a actual e vergonhosa situação da Ponte da Chamusca. Entendemos, portanto, que esta é a prioridade na nossa visão de um Ribatejo uno e coeso”.

OPINIÃO

Ribatejo e fundos comunitários: um chico-espertismo vergonhoso


Há décadas que, para efeitos de planeamento do território, investimentos estruturantes da administração central e também para questões de organização administrativa do Estado no domínio da desconcentração de serviços, o país está dividido em cinco regiões-plano, cada uma sob a tutela de Comissões de Coordenação (CCR): CCR Norte, CCR Centro, CCR Lisboa e Vale do Tejo, CCR Alentejo e CCR Algarve. Cada uma destas regiões, que tinha e tem organismos desconcentrados da administração do Estado (na segurança social, na saúde, na educação, na cultura) era sub-dividida e formada por sub-regiões. A Região de Lisboa e Vale do Tejo (CCRLVT), no caso, era composta pela Península de Setúbal, Área Metropolitana de Lisboa, Oeste, Lezíria do Tejo e Médio Tejo. Estas unidades administrativas-territoriais tinham e têm também funções de unidades de referência estatística, para os mais diversos indicadores, nomeadamente de desenvolvimento social, estatísticas que depois servem para justificar políticas e apoios financeiros de forma diversa consoante as diversas realidades.

Há uns anos, a Região de Lisboa e Vale do Tejo, no seu conjunto, tinha atingido índices de desenvolvimento que a retiravam do conjunto de regiões que recebem mais fundos europeus, isto é, do dinheiro da Europa para obras faustosas e caprichos paroquiais. O que fez o governo português, em alegre conluio com os autarcas do arco da governação autárquica? Retirou a Lezíria do Tejo, para fins relacionados com os apoios comunitários, da CCRLVT, e espetou-a, sem vergonha, na CCR Alentejo. E enfiou o Médio Tejo na CCR Centro. Com esta trapaça, juntaram estas duas sub-regiões da RLVT a outras com índices de desenvolvimento muito mais baixos e, fazendo as contas, continuaram a receber dinheiro da Europa à tripa forra.

A consequência foi o retalho grotesco e vergonhoso de uma região, o Ribatejo, que estava toda incluída na RLVT: no turismo, Santarém depende do Alentejo. Isto quer dizer que o Alentejo começa ali a seguir ao portão da Cardiga. Torres Novas ou Alcanena estão na mesma “região”, dependente de Coimbra, que vai de Torres Vedras a Figueira de Castelo Rodrigo, isto porque o Oeste também, foi metido, sem apelo nem agravo, na região Centro, que vai até às margens do Douro. É um autêntico filme de terror que deveria envergonhar um país, mas é claro que a aldrabice para enganar a Europa na caça aos dinheiros dos fundos também só é possível porque, nos corredores da política europeia, há cúmplices que acompanharam a parada de um país habituado ao truque baixo e à manhosice desbragada.

Em grande parte das áreas relacionadas com a economia, emprego, segurança social, saúde, administração em geral, etc, os concelhos do antigo distrito de Santarém continuam a integrar a Região de Lisboa e Vale do Tejo. Mas para efeitos de fundos comunitários e, portanto, de planeamento estratégico e política de investimentos estruturantes, quando se pensava que era aí que teria de haver uma visão para um território coerente, os milhões da Europa vão ser mais uma vez dizimados a retalho, segundo as estratégias políticas pessoais e de "família" e, de preferência, a fazer pendant com calendários eleitorais.

Na altura em que se arquitectou esta trapaça, os autarcas não esconderam de ninguém a sua ética e coerência política. "O que interessa é os milhões continuarem a pingar". Foi a mesma coisa que se ouviu agora, em Pedrógão Grande, daqueles que vieram desculpabilizar os aldrabões que, segundo rezam as crónicas, se terão aproveitado da generosidade alheia. A mesma conversa de sempre, dos mesmos de sempre. J.C.L

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Vêm aí as couves com feijões de Torres Novas »  2018-11-12 

Toda a gente pensa que é uma especialidade regional fácil de fazer, mas confeccionar couves com feijões bem feitas não é para todos e trata-se de um verdadeiro desafio, mesmo para os restaurantes que aderiram a este festival gastronómico.
(ler mais...)


Bloco pisca o olho ao PS e abstem-se no orçamento para Torres Novas »  2018-11-11 

 

É a primeira vez que acontece: o Bloco de Esquerda vai abster-se no orçamento da maioria de Torres Novas, num claro sinal político de aproximação política ao PS. O aumento dos subsídios às bandas e a compra de edifícios no centro para reabilitar, duas das bandeiras eleitorais do BE aceites agora pelo PS, são algumas das razões que levam os bloquistas a esta posição de esperar para ver num namoro improvável.
(ler mais...)


Chamusca representada na Carta Gastronómica do Ribatejo »  2018-11-09 

A Carta Gastronómica do Ribatejo foi apresentada no dia 1 de novembro, pela Entidade Regional de Turismo do Alentejo/Ribatejo, e inclui diversas receitas tradicionais da Chamusca, disponibilidades por utentes do Lar da Santa Casa da Misericórdia, Universidade Sénior da União de Freguesias da Chamusca e Pinheiro Grande e da Casulme – Centro de Apoio Social de Ulme.
(ler mais...)


Barquinha: à mesa com azeite 2018 »  2018-11-09 

 

 Com número recorde de participantes - 11 restaurantes, a mostra gastronómica “À mesa com azeite” está de volta ao concelho de Vila Nova da Barquinha, entre 10 de novembro e 9 de dezembro de 2018.
(ler mais...)


Alcanena: ampliado cemitério do Espinheiro »  2018-11-09 

Teve lugar, no dia 1 de Novembro, a inauguração da ampliação do cemitério de Espinheiro, em cerimónia que se iniciou com uma missa solene, na Igreja Paroquial de Espinheiro, pelo padre Ricardo Gonçalves, seguida de procissão, até ao cemitério, onde o pároco procedeu à bênção do novo espaço.
(ler mais...)


Torres Novas também é “familiarmente responsável” »  2018-11-08 

Abrantes, Águeda, Alcoutim, Alenquer, Almodôvar, Amadora, Angra do Heroísmo, Boticas, Braga, Cantanhede, Cascais, Castro Marim, Coimbra, Coruche, Estarreja, Funchal, Fundão, Góis, Gouveia, Guarda, Ílhavo, Lousã, Loures, Mação, Madalena, Mealhada, Mértola, Miranda do Corvo, Montijo, Odivelas, Oeiras, Oliveira do Hospital, Ovar, Penafiel, Pinhel , Pombal, Ponta Delgada, Póvoa de Lanhoso, Praia da Vitória, Santarém, Sardoal, Seia, Sever do Vouga, Sintra, Soure, Tábua, Tomar, Torres Novas, Torres Vedras, Vieira do Minho, Vila de Rei, Vila Franca de Xira, Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Foz Côa, Vila Real, Vila Real de Santo António, Viseu, Amares, Arganil, Arruda dos Vinhos, Cabeceiras de Basto, Figueira da Foz, Leiria, Lisboa, Loulé, Lousada , Oliveira de Azeméis, Palmela, Póvoa de Varzim e Santo Tirso foram os municípios galardoados por preencherem os requisitos que dão direito a este prémio simbólico.
(ler mais...)


Município da Chamusca entrega 100 t-shirts técnicas à União Desportiva local »  2018-11-08 

No âmbito dos apoios previstos pelo regulamento municipal de apoio ao associativismo no Município da Chamusca (RACH), a Câmara Municipal aprovou um apoio à União Desportiva da Chamusca através da oferta de 100 t-shirts técnicas destinadas aos atletas das escolas de futebol do clube, que integram crianças dos 4 aos 12 anos.
(ler mais...)


Morreu Hugo Santos »  2018-11-06 

Hugo Santos, antigo professor e escritor, hospitalizado há meses, morreu na madrugada de hoje, 6 de Novembro.

O autor, recorde-se, era natural de Campo Maior, e foi dessa vila do norte-alentejano que veio uma pequena comitiva que integrou o presidente da câmara local e familiares do escritor, entre eles a sua filha mais velha para estarem presentes na homenagem que lhe foi promovida no dia 22 de Setembro, no auditório municipal, em Torres Novas.
(ler mais...)


Futebol: “clássico” do distrito acabou empatado, com Sudesh em grande destaque »  2018-11-04 

Campeonato Distrital da 1.ª divisão da AFS
Estádio Municipal de Tomar, 4 de Novembro de 2018

“Clássico” do distrito acabou empatado, com Sudesh em grande destaque

UFCIT: Nuno Ribeiro; David Vieira, Diego (45` Faustino), Kiko, Nuno Rodrigues, Telmo Ferreira, Pires, Rafael, Diogo Pereira (85` Alex), Alan, Rui Lopes (85` Natividade).
(ler mais...)


Vem aí a nova região do Ribatejo e Oeste »  2018-11-01 

Tudo a leva crer, e os sinais são cada vez fortes, que as estruturas dirigentes regionais do PSD e do PS assentam finalmente na necessidade da instituição de uma nova entidade político-administrativa que englobe todo o Ribatejo e o Oeste.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 10 dias)
»  2018-11-06  Morreu Hugo Santos
»  2018-11-04  Futebol: “clássico” do distrito acabou empatado, com Sudesh em grande destaque
»  2018-11-12  Vêm aí as couves com feijões de Torres Novas