• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 18 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 31° / 16°
Céu limpo
Qui.
 31° / 18°
Céu limpo
Qua.
 32° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 17°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Um médico não pode fazer isto

Opinião  »  2016-12-14  »  Juvenal Silva

"Bandalheira, crendice, adivinhação, ciências ocultas, charlatanice, bruxaria,” são epítetos ofensivos"

Nunca gostei de alimentar polémicas, nem irei fazê-lo seguramente, porque a minha intenção é, somente, esclarecer sobre a verdade da mentira do artigo publicado na edição de 29/11/2016 deste jornal, com o título “A banha da cobra”, de autoria e responsabilidade do Dr. Helder Simões, médico especialista em endocrinologia. É verdade que existe uma “guerra” contra as terapêuticas não convencionais, vulgo medicina natural, visando a intoxicação pública e a desinformação.
É verdade que têm sido publicados alguns artigos com linguagem imprópria, mas normalmente de indivíduos que não são médicos e que procuram protagonismo, repetindo sempre o mesmo, tanta é a ignorância…
Neste caso, fiquei perplexo com o teor do texto, com as imprecisões, com linguagem ofensiva e desrespeitadora para com milhões de utentes destas medicinas. Linguagem ofensiva para muitos milhares de profissionais destas medicinas que também estudaram e se especializaram e que estão inscritos na ACSS (Associação Central do Sistema de Saúde). Linguagem também ofensiva para com os próprios colegas médicos, que respeitam e professam as práticas da medicina natural. Sim, repito e afirmo, médicos que também professam as práticas da medicina natural. E são mesmo muitos, muito mais do que possam imaginar…
Mas, mais grave ainda, é ofender a Casa da Democracia, os partidos políticos, os deputados, o Parlamento Português, onde foram democraticamente votadas as leis e, pasme-se, ofender o chefe supremo da nação, o Presidente da República, que promulgou as leis.
“Bandalheira, crendice, adivinhação, ciências ocultas, charlatanice, bruxaria,” são epítetos ofensivos, que merecem um ato de contrição público. Sou defensor dos bons médicos que os há e sou defensor da medicina convencional, que é necessária, assim como é necessária a medicina natural. Devo confessar que fiquei muito triste, porque o digníssimo autor é um jovem médico, com boa reputação humana e profissional, com atividade científica e premiado por diversas vezes.
Por conseguinte, é uma pessoa com idoneidade intelectual e, com obrigação de ser imparcial na análise e na transmissão do conhecimento.
Para que fique bem esclarecido: a Lei 45/2003, de 22 Agosto, reconhece como actividade profissional as seguintes práticas: acupuntura, fitoterapia, homeopatia, medicina tradicional chinesa, naturopatia, osteopatia, quiropraxia. A mais recente Lei 71/2013, de 2 de Setembro, define os requisitos do exercício e de acesso à profissão, que implica uma formação ao nível de licenciatura, que aguarda neste momento nova portaria ao nível do ensino.
É importante realçar que já estão a decorrer as licenciaturas de osteopatia, ano lectivo 2016/2017. Em relação ao licenciamento dos locais para o exercício da actividade, a portaria 182/2014, de 12 de Setembro, estabelece os requisitos relativos à organização e funcionamento, bem como instalações técnicas.
Os profissionais das terapêuticas não convencionais, à semelhança de todos os profissionais de saúde, têm obrigatoriamente de obter a cédula profissional na ACSS (Administração Central do Sistema de Saúde). Todos os inscritos tiveram que fazer prova das suas habilitações, formações e especialidades, de acordo com todos os preceitos legais.
É importante referir que existem vários médicos que abandonaram completamente a carreira para se devotarem ao exercício das práticas naturais e outros que, sendo cientistas e investigadores e oncólogos, recorrem às práticas naturais para tratarem os seus pacientes, tendo também a bondade de transmitir ao mundo as suas descobertas e os seus êxitos.
Sobre evidências científicas? Estão disponíveis para quem queira estudar e consultar. Estudos científicos de plantas medicinais reconhecidos internacionalmente? Existem vários tratados publicados pela Fundação Calouste Gulbenkian, “manuais universitários” elaborados por conceituados investigadores portugueses. João Beles, naturopata português, editou recentemente “Naturopatia – A Natureza Cura a Natureza”, onde divulga mais de 1000 estudos científicos.
Outros manuais de fitoterapia com carácter internacional,elaborados pelos famosos investigadores, Dr. Efrain Olszewer, Volker Fintelmann, Rudolf Fritz Weiss. Médicos famosos e investigadores na área oncológica, praticantes e divulgadores das práticas naturais, existem milhares, mas apenas citarei alguns:
Dra. Kelly A. Turner, Drª. Odile Fernandez, Dr. Henri Joyeux, Dr. Joel Fuhrman, Dr. Joel K. Kahn. Os tratados de saúde Natural do médico Ernest Schneider, o famoso médico japonês Dr. Hiromi Shinya, célebre por ter realizado a primeira cirurgia ao cólon sem incisão abdominal, também praticante das terapêuticas naturais, e um crítico da medicina da doença. Por último, não poderia deixar de citar um médico português de prestigiado valor, o Dr. Manuel Pinto Coelho, que ultimamente publicou “Chegar Novo a Velho”, em que nos ensina métodos naturais para viver com energia e vigor.
A propósito de tudo isto e, sem qualquer interesse crítico, mas apenas para reflexão, por ser a intenção do autor, o médico Dr. José Fragata Luis Martins: “O Erro em Medicina”,um autêntico acto de amor e humildade, que deveríamos ler.
Em 2015, numa entrevista à Revista Expresso, o Prof. João Lobo Antunes dizia: “Com o tempo, a pessoa-médico que sou, foi aprendendo a não lutar contra a Natureza”.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O quarto milagre de Fátima »  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia

O começo do ano lectivo é marcado pela generalização de uma nova reforma do sistema educativo. A ideia que está na base de mais uma aventura na educação portuguesa prende-se com a convicção da actual equipa do Ministério da Educação de que o trabalho realizado pelo professorado está globalmente desadequado às exigências do século XXI.
(ler mais...)


Poesia nos posters »  2018-09-12  »  José Mota Pereira

Eu não entendia. Nem poderia entender (aos seis, sete, oito anos de idade) o alcance daquelas palavras. Mas havia naqueles dois posters um magnetismo, uma espécie de magia que me prendiam às palavras que deles saltavam para os meus olhos.
(ler mais...)


Rentrée »  2018-09-12  »  Anabela Santos

O mês de Agosto já passou, acabaram as férias, o verão vai deixar-nos e aproxima-se o Outono.

Chegou Setembro, o mês do(s) recomeço(s). Na minha opinião, seria a altura de abrirmos uma garrafa de champanhe, de fazer um brinde à nova época, um brinde à vida.
(ler mais...)


Ansiedade: uma doença da sociedade moderna »  2018-09-12  »  Juvenal Silva

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma emoção causada por uma ameaça observada ou experimentada e, que o organismo utiliza como mecanismo para reagir de forma saudável às pressões da vida ou até a situações de perigo.
(ler mais...)


Olha, a gaivota! Olha a gaivota! »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito.
(ler mais...)


O passado e a tradição »  2018-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Graças a um artigo de António Guerreiro, no Público, descobri dois versos extraordinários do realizador e poeta italiano Pier Paolo Pasolini. Deste, conheço alguns filmes, mas nunca li a sua poesia.
(ler mais...)


Ética »  2018-08-29  »  Inês Vidal

As novas tecnologias e a Internet - admirável mundo este que nos leva ao outro lado do globo num segundo - vieram mudar os nossos dias, rotinas, até o tom e a forma das nossas conversas. “O meio é a mensagem”, já anunciavam há muito alguns teóricos destas coisas da comunicação.
(ler mais...)


Agosto »  2018-08-29  »  José Mota Pereira

O mês de Agosto vai-se despedindo, a pouco e pouco, nestes dias e noites quentes.

Não há novidade nisto: Agosto ainda é o mês em que, por todo o país, se toma conta dos largos e se dança, canta, convive nas festas populares, trazendo vida aos territórios a que chamamos aldeias e de onde, se há notícias ao longo do ano, é para contar do abandono e da desertificação.
(ler mais...)


Uso e abuso de substancias químicas: a dependência de drogas e álcool »  2018-08-29  »  Juvenal Silva

O uso e abuso de substâncias químicas caracteriza-se por uma dependência, tanto psicológica como física, de drogas, incluindo-se medicamentos com receita médica e álcool.

O que é uma dependência química? Acontece quando um indivíduo necessita de uma droga para funcionar.
(ler mais...)


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia O quarto milagre de Fátima
»  2018-09-12  »  José Mota Pereira Poesia nos posters
»  2018-09-12  »  Anabela Santos Rentrée