• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 18 Setembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 17°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 29° / 15°
Períodos nublados
Qui.
 30° / 16°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Nem aos quartos chegámos

Opinião  »  2010-07-01  »  Denis Hickel

Depois de ter empatado a zero com a selecção do Brasil, num jogo em que a selecção de Portugal surgiu disposta num sistema claramente defensivo, numa preocupação de não perder o jogo e de tentar ganhá-lo num golpe de sorte a aproveitar eventual erro dos brasileiros, o que não sucedeu, Carlos Queirós mostrou neste jogo as suas preocupações defensivas, não arriscando um milímetro que fosse, enquanto a selecção canarinha tentava chegar ao golo mas sem mostrar grande necessidade nesse objectivo, jogando de forma lenta sem forçar a capacidade física dos seus jogadores, guardada para outros jogos mais importantes na fase seguinte. Bastava-lhe manter o empate para sair na frente do grupo e evitar defrontar a selecção espanhola, que se apresenta como uma das mais fortes candidatas ao título deste campeonato do Mundo.

E foi exactamente o que sucedeu. O Brasil, mesmo a jogar a passo, demonstrou ser, tal como a selecção de Espanha, forte candidata a campeã do Mundo, enquanto a selecção de Portugal, depois de golear a muito frágil selecção da Coreia do Norte, confirmou que não tem condições nem capacidade para disputar provas desta dimensão.

E esta constatação foi confirmada no jogo seguinte. A selecção de Portugal não conseguiu evitar o confronto com a selecção espanhola e os receios manifestaram-se de forma muito clara. Os portugueses depois do jogo com o Brasil ficaram decepcionados e receosos do que iria suceder na partida com a selecção de Espanha.

O jogo iniciou-se com uma forte entrada dos espanhóis e nos primeiros cinco minutos foi Eduardo, o guarda-redes português, que evitou, com grande abnegação, que as suas redes fossem violadas por três vezes, o que é sintomático da diferença de valores entre as duas selecções. A partir daqui, a selecção portuguesa equilibrou as operações, a defesa e o meio campo da selecção dos Navegadores começou a controlar de forma mais eficaz o ataque e o meio campo da selecção roja, ao mesmo tempo que aproveitava alguns passes errados dos espanhóis para se apoderar da bola e lançar o ataque da selecção de Portugal que causou alguns embaraços à defesa espanhola, estando à beira de marcar num lance em que o defesa central espanhol Puyol quase metia a bola na sua própria baliza. Noutros lances, merece destaque as bolas paradas a favor da selecção de Portugal, e numa delas o guarda-redes espanhol sentiu dificuldades na defesa da bola que foi afastada quase em cima da linha de golo por um defensor.

A selecção de Espanha dominava o jogo em toda a linha, enquanto a selecção de Portugal, à imagem do seu treinador, não arriscava nada limitando-se a manter forte coesão defensiva e suster os continuados ataques dos espanhóis que esbarravam, invariavelmente, no muro de protecção das redes portuguesas. O treinador espanhol Vicente del Bosque, reconhecido não só pela sua grande experiência mas principalmente pela qualidade futebolística que emprega nas equipas que treina, procedeu ao refrescamento do seu ataque, substituindo Fernando Torres pelo possante ponta de lança Llorente que criou imensas dificuldades ao sistema defensivo de Portugal. Cinco minutos depois surge o golo da selecção de Espanha. Passe magistral de Xavi para David Villa, de calcanhar, entrada na área e golo de Espanha. Em posição legal, diga-se. Portugal estava fora do Mundial. Os minutos que se seguiram foram dramáticos. Portugal começou a despejar bolas para a área espanhola, sem qualquer sucesso. A ganhar, a selecção espanhola guarda muito bem a bola e impede qualquer veleidade aos adversários. Foi uma vitória justa da selecção de Espanha. Tem mais futebol, mais qualidade. Mereceu.

A selecção de Portugal sai derrotada. As ilusões acabaram. Surgem os já habituais lamentos. Cristiano Ronaldo, que praticamente não se viu desde a fase de apuramento para o Mundial, responde aos jornalistas no fim do jogo que perguntem ao Queirós o porquê da derrota. Hugo Almeida, substituído incompreensivelmente por suposto esgotamento físico, responde que não percebeu a substituição porque se sentia muito bem fisicamente. Deco diz, enigmaticamente, que entre os jogadores está tudo bem. Enfim. Agora preparem bem o próximo campeonato da Europa. Mas algo tem de mudar.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno »  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia

O DESCALABRO DA DIREITA. As sondagens têm vindo a indicar que a direita democrática está à beira de um resultado desastroso, por volta dos 25%, somando velhos e novos partidos.
(ler mais...)


O nome da terra, por João Carlos Lopes »  2019-09-06  »  João Carlos Lopes

É sintomático que, em tempo de eleições, nenhum dos partidos tenha dito uma palavra sobre essa vaca sagrada que é o futebol e sobretudo acerca do estado de guerra em que as claques dos “três grandes” transformam as terras por onde passam.
(ler mais...)


Turismo ou nem por isso »  2019-09-05  »  António Gomes

A época que atravessamos é propicia à reflexão sobre esta actividade económica, o turismo.
O turismo, como toda a gente sabe, atravessa em Portugal um período particularmente estonteante. São as grandes metrópoles as mais beneficiadas com tal actividade, é lá que se encontram as maiores fontes de atracção e é lá que as infraestruturas estão mais adaptadas e melhor respondem às solicitações.
(ler mais...)


Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade? »  2019-08-25  »  Anabela Santos

Falar da valorização de um espaço que é tão importante para uma grande parte dos torrejanos é imperativo mas não é novidade.
Já muitos falaram e escreveram sobre o assunto, desejando que alguma mente iluminada e com vontade de fazer o melhor pela cidade tome alguma iniciativa no sentido de valorizar o património arquitectónico e histórico de uma fábrica que deu tanto à nossa cidade.
(ler mais...)


Repuxos, por Inês Vidal »  2019-08-25  »  Inês Vidal

Esta malta dos jornais é lixada. Parece que está do contra, sempre a dizer coisas. Ou então é de esquerda, só pode. Atrevem-se a noticiar as coisas que acontecem, esses filhos da mãe. Caso contrário, íamos fazendo as coisas à mesma, a nosso bel-prazer, mas ninguém dava por elas ou as questionava.
(ler mais...)


A greve dos motoristas »  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia

PÔR O REGIME À PROVA. Na greve dos motoristas de matérias perigosas coincidiram duas vertentes que, para os próprios interessados, não deveriam ter coincidido. A luta laboral por reivindicações que merecerão respeito e um desafio às instituições políticas e ao regime.
(ler mais...)


À mulher de César não basta ser séria… »  2019-08-09  »  António Gomes

Vem isto a propósito da aquisição de imóveis pela Câmara de Torres Novas, sitos em Riachos. Só o BE votou contra.

Os proprietários propuseram a aquisição e a Câmara comprou.
(ler mais...)


Bons Sons »  2019-08-09  »  Inês Vidal

Treze anos, dez edições, uma aldeia em manifesto. Arrancou ontem, dia 8, mais uma edição do festival Bons Sons, que anualmente traz a Cem Soldos, concelho de Tomar, milhares de pessoas e música, muita música portuguesa.
(ler mais...)


Carteiro »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”.
(ler mais...)


Livros para férias »  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia

COMO MORREM AS DEMOCRACIAS. Autores Steven Levitsky & Daniel Ziblatt, ambos professores em Harvard. Uma reflexão com incidência americana, mas apoiada no estudo das mortes da democracia nos anos trinta do século passado, na Europa, e nos anos 60 e 70, também do XX, na América Latina.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-08-25  »  Inês Vidal Repuxos, por Inês Vidal
»  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia A greve dos motoristas
»  2019-08-25  »  Anabela Santos Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade?
»  2019-09-06  »  João Carlos Lopes O nome da terra, por João Carlos Lopes
»  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno