• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 18 Setembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 17°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 29° / 15°
Períodos nublados
Qui.
 30° / 16°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Maçã podre

Opinião  »  2010-07-08  »  Denis Hickel

Escreveu Vasco Pulido Valente (in jornal Público, de 03/07/2010): ”Quando falamos de Portugal (a propósito de economia, de política ou de futebol) esquecemos sempre o Portugal de que falamos”.

A selecção de Portugal, depois de uma fase de apuramento que se mostrou decepcionante, foi participar no campeonato do Mundo de futebol na África do Sul com uma fasquia muito alta, fixada com a responsabilidade maior da generalidade da Comunicação Social, com particular destaque dos jornais desportivos e das televisões, que transmitiram a ideia, errada, junto dos portugueses de que a selecção portuguesa tinha condições para disputar a final e, até, conquistar o campeonato do Mundo.

Tem razão Pulido Valente. Amiúde, fala-se de Portugal sem se ter a noção exacta do que é o País, da sua raiz cultural, da sua organização, da racionalidade dos organismos dirigentes, das suas capacidades e das condições que tem em competir com países que reúnem um potencial muito acima das nossas possibilidades, a todos os níveis. A nível do futebol, mais parece uma feira de vaidades. Explora-se, com técnicas sofisticadas de comunicação, a emoção daqueles que gostam duma modalidade que move milhões de pessoas pela beleza do jogo e pela incerteza que encerra. Mas os portugueses não têm culpa disso. Fazedores de opinião criam ilusões na população e depois surge a frustração dos iludidos. Os mesmos arranjam culpados, na maior parte das vezes sem razão, sem perceberem exactamente as verdadeiras causas.

Agora que a selecção regressou, depois de eliminada nos oitavos de final pela poderosa selecção espanhola, surgem as fortes críticas daqueles mesmos que exigiram feitos extraordinários à selecção nacional sem que, previamente, tivessem o cuidado de avaliar serenamente o futebol português em comparação com o futebol de outros países que, já se sabia antecipadamente, têm demonstrado e espalhado pelos estádios sul-africanos qualidade futebolística incomparavelmente melhor que o futebol português, mesmo com jogadores brasileiros naturalizados e em fim de carreira, como são os casos de Deco e Liedson, a que acresce Pepe convocado depois de estar seis meses sem competir, numa decisão que não encontra qualquer explicação razoável.

Um campeonato do Mundo de futebol é uma prova muito exigente. Só as selecções mais bem preparadas e com enorme potencial futebolístico poderão aspirar a lugares de destaque numa competição de curta duração. Acresce, por outro lado, a circunstância de se disputar num período que coincide, pouco tempo depois, dos términos dos campeonatos dos vários países intervenientes, em que os jogadores se mostram numa condição física já bastante desgastada, que só planos de recuperação bem pensados, no tempo adequado, poderão repor alguns níveis físicos dos atletas.

Agora que terminou a participação da selecção nacional, não vale a pena chorar pelo leite derramado. Selecções mais poderosas – França, Inglaterra, Itália, Brasil, Argentina - também foram cedo para casa. O futebol é isto, com ou sem erros de quem o dirige, com ou sem prejuízos resultantes de arbitragens que nos são desfavoráveis.

No fim-de-semana último, a notícia surgiu bombástica: Os direitos desportivos do grande jogador João Moutinho, formado e jogando a alto nível no Sporting Clube de Portugal, foram adquiridos pelo Futebol Clube do Porto, na maior transacção de sempre em Portugal, pela módica quantia de onze milhões de euros, que o Sporting encaixa para reforçar a sua tesouraria. Negócio que os adeptos do Sporting não entendem.

As especulações foram muitas no seio da Comunicação Social. Comentadores desportivos fizeram declarações despropositadas sobre este negócio sem terem conhecimento factual dos contornos das negociações. Sabia-se que existia um mal-estar entre João Moutinho e os dirigentes do Sporting que já vem de longe. Pinto da Costa manifestou, há tempos, que nutria admiração pelo jogador. E o negócio fez-se. Com a indispensável anuência da direcção do Sporting. Cujo presidente justificou, para os seus sócios e simpatizantes, que se tratava de uma ”maçã podre” que teria de sair do clube. Falta ouvir o jogador, que ainda nada esclareceu até esta altura. Talvez se faça luz.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno »  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia

O DESCALABRO DA DIREITA. As sondagens têm vindo a indicar que a direita democrática está à beira de um resultado desastroso, por volta dos 25%, somando velhos e novos partidos.
(ler mais...)


O nome da terra, por João Carlos Lopes »  2019-09-06  »  João Carlos Lopes

É sintomático que, em tempo de eleições, nenhum dos partidos tenha dito uma palavra sobre essa vaca sagrada que é o futebol e sobretudo acerca do estado de guerra em que as claques dos “três grandes” transformam as terras por onde passam.
(ler mais...)


Turismo ou nem por isso »  2019-09-05  »  António Gomes

A época que atravessamos é propicia à reflexão sobre esta actividade económica, o turismo.
O turismo, como toda a gente sabe, atravessa em Portugal um período particularmente estonteante. São as grandes metrópoles as mais beneficiadas com tal actividade, é lá que se encontram as maiores fontes de atracção e é lá que as infraestruturas estão mais adaptadas e melhor respondem às solicitações.
(ler mais...)


Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade? »  2019-08-25  »  Anabela Santos

Falar da valorização de um espaço que é tão importante para uma grande parte dos torrejanos é imperativo mas não é novidade.
Já muitos falaram e escreveram sobre o assunto, desejando que alguma mente iluminada e com vontade de fazer o melhor pela cidade tome alguma iniciativa no sentido de valorizar o património arquitectónico e histórico de uma fábrica que deu tanto à nossa cidade.
(ler mais...)


Repuxos, por Inês Vidal »  2019-08-25  »  Inês Vidal

Esta malta dos jornais é lixada. Parece que está do contra, sempre a dizer coisas. Ou então é de esquerda, só pode. Atrevem-se a noticiar as coisas que acontecem, esses filhos da mãe. Caso contrário, íamos fazendo as coisas à mesma, a nosso bel-prazer, mas ninguém dava por elas ou as questionava.
(ler mais...)


A greve dos motoristas »  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia

PÔR O REGIME À PROVA. Na greve dos motoristas de matérias perigosas coincidiram duas vertentes que, para os próprios interessados, não deveriam ter coincidido. A luta laboral por reivindicações que merecerão respeito e um desafio às instituições políticas e ao regime.
(ler mais...)


À mulher de César não basta ser séria… »  2019-08-09  »  António Gomes

Vem isto a propósito da aquisição de imóveis pela Câmara de Torres Novas, sitos em Riachos. Só o BE votou contra.

Os proprietários propuseram a aquisição e a Câmara comprou.
(ler mais...)


Bons Sons »  2019-08-09  »  Inês Vidal

Treze anos, dez edições, uma aldeia em manifesto. Arrancou ontem, dia 8, mais uma edição do festival Bons Sons, que anualmente traz a Cem Soldos, concelho de Tomar, milhares de pessoas e música, muita música portuguesa.
(ler mais...)


Carteiro »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”.
(ler mais...)


Livros para férias »  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia

COMO MORREM AS DEMOCRACIAS. Autores Steven Levitsky & Daniel Ziblatt, ambos professores em Harvard. Uma reflexão com incidência americana, mas apoiada no estudo das mortes da democracia nos anos trinta do século passado, na Europa, e nos anos 60 e 70, também do XX, na América Latina.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-08-25  »  Inês Vidal Repuxos, por Inês Vidal
»  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia A greve dos motoristas
»  2019-08-25  »  Anabela Santos Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade?
»  2019-09-06  »  João Carlos Lopes O nome da terra, por João Carlos Lopes
»  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno