• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 23 Abril 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 17° / 7°
Céu nublado
Qui.
 16° / 9°
Períodos nublados com chuva fraca
Qua.
 17° / 8°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  14° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Maçã podre

Opinião  »  2010-07-08  »  Denis Hickel

Escreveu Vasco Pulido Valente (in jornal Público, de 03/07/2010): ”Quando falamos de Portugal (a propósito de economia, de política ou de futebol) esquecemos sempre o Portugal de que falamos”.

A selecção de Portugal, depois de uma fase de apuramento que se mostrou decepcionante, foi participar no campeonato do Mundo de futebol na África do Sul com uma fasquia muito alta, fixada com a responsabilidade maior da generalidade da Comunicação Social, com particular destaque dos jornais desportivos e das televisões, que transmitiram a ideia, errada, junto dos portugueses de que a selecção portuguesa tinha condições para disputar a final e, até, conquistar o campeonato do Mundo.

Tem razão Pulido Valente. Amiúde, fala-se de Portugal sem se ter a noção exacta do que é o País, da sua raiz cultural, da sua organização, da racionalidade dos organismos dirigentes, das suas capacidades e das condições que tem em competir com países que reúnem um potencial muito acima das nossas possibilidades, a todos os níveis. A nível do futebol, mais parece uma feira de vaidades. Explora-se, com técnicas sofisticadas de comunicação, a emoção daqueles que gostam duma modalidade que move milhões de pessoas pela beleza do jogo e pela incerteza que encerra. Mas os portugueses não têm culpa disso. Fazedores de opinião criam ilusões na população e depois surge a frustração dos iludidos. Os mesmos arranjam culpados, na maior parte das vezes sem razão, sem perceberem exactamente as verdadeiras causas.

Agora que a selecção regressou, depois de eliminada nos oitavos de final pela poderosa selecção espanhola, surgem as fortes críticas daqueles mesmos que exigiram feitos extraordinários à selecção nacional sem que, previamente, tivessem o cuidado de avaliar serenamente o futebol português em comparação com o futebol de outros países que, já se sabia antecipadamente, têm demonstrado e espalhado pelos estádios sul-africanos qualidade futebolística incomparavelmente melhor que o futebol português, mesmo com jogadores brasileiros naturalizados e em fim de carreira, como são os casos de Deco e Liedson, a que acresce Pepe convocado depois de estar seis meses sem competir, numa decisão que não encontra qualquer explicação razoável.

Um campeonato do Mundo de futebol é uma prova muito exigente. Só as selecções mais bem preparadas e com enorme potencial futebolístico poderão aspirar a lugares de destaque numa competição de curta duração. Acresce, por outro lado, a circunstância de se disputar num período que coincide, pouco tempo depois, dos términos dos campeonatos dos vários países intervenientes, em que os jogadores se mostram numa condição física já bastante desgastada, que só planos de recuperação bem pensados, no tempo adequado, poderão repor alguns níveis físicos dos atletas.

Agora que terminou a participação da selecção nacional, não vale a pena chorar pelo leite derramado. Selecções mais poderosas – França, Inglaterra, Itália, Brasil, Argentina - também foram cedo para casa. O futebol é isto, com ou sem erros de quem o dirige, com ou sem prejuízos resultantes de arbitragens que nos são desfavoráveis.

No fim-de-semana último, a notícia surgiu bombástica: Os direitos desportivos do grande jogador João Moutinho, formado e jogando a alto nível no Sporting Clube de Portugal, foram adquiridos pelo Futebol Clube do Porto, na maior transacção de sempre em Portugal, pela módica quantia de onze milhões de euros, que o Sporting encaixa para reforçar a sua tesouraria. Negócio que os adeptos do Sporting não entendem.

As especulações foram muitas no seio da Comunicação Social. Comentadores desportivos fizeram declarações despropositadas sobre este negócio sem terem conhecimento factual dos contornos das negociações. Sabia-se que existia um mal-estar entre João Moutinho e os dirigentes do Sporting que já vem de longe. Pinto da Costa manifestou, há tempos, que nutria admiração pelo jogador. E o negócio fez-se. Com a indispensável anuência da direcção do Sporting. Cujo presidente justificou, para os seus sócios e simpatizantes, que se tratava de uma ”maçã podre” que teria de sair do clube. Falta ouvir o jogador, que ainda nada esclareceu até esta altura. Talvez se faça luz.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)


A vitória do Chile »  2019-04-20  »  José Ricardo Costa

Torres Novas é uma terra cheia de ruínas, o que dá uma enorme tristeza e uma espécie de infelicidade urbana para a qual não conheço palavra. Ruínas não deveriam ser onde vivem pessoas mas em Pompeia, castelos na Escócia, abadias em Inglaterra ou anfiteatros na Grécia, onde apenas vivem fantasmas pacificamente misturados com turistas que chegam e logo partem.
(ler mais...)


A transparência das águas »  2019-04-20  »  António Gomes

Neste novo ano entrou em vigor um novo tarifário: pode-se mesmo dizer um novo e radical tarifário da empresa “Águas do Ribatejo”. A Águas do Ribatejo é uma empresa pública detida a 100% por 7 municípios do Ribatejo e que tem vindo a reerguer os sistemas de abastecimento de água e de saneamento que se encontravam na generalidade dos casos em péssimas condições.
(ler mais...)


Amor, vamos dar um tempo »  2019-04-20  »  Ana Sentieiro

Puberdade, temo que interpretes as minhas palavras de modo leviano, mas penso que chegámos àquele momento da relação em que já não faz sentido continuar. Desculpa, não tenciono desvalorizar o teu impacto em mim ou na minha vida nestes últimos anos que tivemos juntos, aliás, qualquer pessoa perceberia, ao olhar para a minha cara, iluminada por um tímido sorriso, que a tua presença era constante, quase como se fossemos um só.
(ler mais...)


Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia »  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS. Ainda há que passar pelas eleições para o Parlamento Europeu, mas o acto político decisivo só chega com as legislativas. Aquilo que até aqui parecia inevitável, uma vitória com maioria relativa do PS e uma derrota da direita, não estará completamente seguro.
(ler mais...)


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


O Nhonhinhas »  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro

A nonhinhisse como fenómeno social surgiu para nos pôr à prova. Entrou nas nossas vidas sem se dar por isso, mas percebemos o efeito corrosivo que tem no nosso bem estar. Um indivíduo coloca-se na fila de uma repartição comercial.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia
»  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame
»  2019-04-20  »  José Ricardo Costa A vitória do Chile
»  2019-04-20  »  António Gomes A transparência das águas
»  2019-04-20  »  Ana Sentieiro Amor, vamos dar um tempo