• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 21 de Agosto de 2018
Pesquisar...
Sex.
 35° / 19°
Céu limpo
Qui.
 37° / 19°
Céu limpo
Qua.
 38° / 19°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  38° / 21°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A melhor opinião

Opinião  »  2017-11-14  »  Carlos Tomé

"A informação tem que ser dinâmica, tipo Big Show Sic com macaco Adriano e tudo"

Olha lá, não estou nada de acordo quando eles dizem que têm a melhor opinião. Melhor opinião em quê? Há melhores e piores opiniões? Ou há só opiniões? Para além de estarem a puxar lustro aos galões, toda a gente sabe que a melhor opinião é a do Marques Mendes, o grilo falante, o tipo sabe as calhandrices todas do PSD e casca na geringonça à má-fila que até dá gosto.

Mas eu gosto mais é do José Rodrigues dos Santos. O gajo é que a sabe toda, escreve uns livros que ninguém lê mas toda a gente compra para encaixilhar lá na estante ao pé da fotografia do Papa e do Dan Brown, farta-se de ganhar dinheiro com o negócio e ainda manda uns bitaites à socapa ou franze o sobrolho que é o mesmo.
Mas esse não dá opiniões.

É tudo a mesma coisa, as notícias são torneadas à medida de quem as promove e depois os comentadores limitam-se a meter mais umas achas na fogueira.
Mas isso não são opiniões.

São, mas disfarçadas, são a continuidade a favor do vento que é encomendado para soprar para um certo lado. Dantes ainda havia o vento de leste, agora é um furacão que vem lá das américas e leva tudo à frente, como o Catrina, e isso põe toda a gente a usar a cachimónia da mesma maneira como se só houvesse um sentido para tudo.

Talvez seja isso. Então onde é que estão as melhores opiniões, outras palavras para além do óbvio, como naquele caso do caso do bispo do Porto, arranjou um advogado ainda pior do que ele, que condenou aquela tipa que andava a pôr os cornos ao marido e teve sorte em não ser lapidada? Não ouvi ninguém pegar naquela coisa de a Bíblia determinar que a mulher adúltera devia ser punida com a morte, que é uma coisa espantosa, e sobre a importância disso para a nossa vida.

Isso é verdade, se calhar a malta devia passar um bocadinho mais de tempo a pensar nas coisas em vez de ir logo a correr mandar umas bocas no facebook e passar o dia a meter likes e a tirar fotos e selfies e filmar tudo como aquele gajo que filmou um tipo a levar uma carga de porrada de três seguranças, e logo por acaso passou por lá uma chusma de malta que nem soltou um suspiro de espanto.
Está bem, mas nesse caso também se viu a importância daquela geringonça social perante a comunicação social encartada que não faz trabalho de investigação e depois vai atrás da onda, mas vê lá agora por causa de Fátima, toda a gente acha que aquilo é tabu e ninguém pode mandar uns bitaites contra isso ou sequer dizer que aquilo foi tudo inventado, marosca em que também colaborou malta de cá, bicancra, macho do petróleo e companhia. Já não digo atirar culpas à fé, mas apenas escrevinhar alguma coisita contra o embuste, viste alguém que se chegasse à frente?

Não vi, mas há coisas em que não se pode mexer, são intocáveis, como a religião e a tropa. E por falar em centenários, ainda gostava de ouvir ou ler uma opinião qualquer séria e isenta que não seja só ódio destilado e olhar vesgo, numa óbvia campanha de preconceitos, sobre aquilo que se passou lá para a Rússia há cem anos em Outubro ou em Novembro, já não sei bem, já foi há muito tempo, e sobre qual a importância histórica que isso teve para a malta de todo o mundo.

Pois, e o caso da estátua do padre António Vieira em Lisboa de cruz em riste, em pose de combate evangélico e com três criancinhas índias a tiracolo, um gajo que até escreveu uns sermões catitas mas que deu cabo dos pretos e índios e obrigou-os a aprender a rezar o terço, e o Marcelo que disse que o nosso país foi magnífico na abolição da escravatura mas esqueceu-se de se lembrar que foi o países maior traficante de escravos, mas ouviste ou leste alguém a falar nas vítimas disso tudo, nos índios, nos pretos, nos escravos ou a erguer uma estátua aos gajos?

É claro que não, mas a TV ou os jornais não podem perder tempo com essas minudências. A informação tem que ser dinâmica, tipo Big Show Sic com macaco Adriano e tudo, gente a verter lágrimas, mortos e feridos, desgraças a torto e a direito, o que mais conta é a forma como se diz, porque o que se diz já está entranhado na cabeçorra da malta. Opinião?

Olha, lembras-te do José Mattoso, o nosso maior especialista em história medieval, ter sido entrevistado na TV aqui há uns 20 anos e quando o jornalista lhe fez uma pergunta qualquer, ele respondeu que era uma questão interessante, nunca tinha pensado sobre o assunto, e pôs-se a matutar nela durante quase um minuto em silêncio?

Isso foi de mais. Claro que esse gajo nunca mais pôs os pés na TV, puseram-lhe logo uns patins. Aquilo não se faz. É proibido pensar porque o pensamento inquieta.
Está bem, mas eu gosto é dos comentadores que acham que são especialistas em tudo e cospem palpites definitivos e cagam sentenças a torto e a direito, e a gente tem que os aturar, tapando os ouvidos, fingindo que os ouve ou lê, parecendo que se está de acordo com eles abanando a cabeça, mas depois faz-se como o Mattoso, remetemo-nos ao silêncio.

Pois, se calhar essas é que são as melhores opiniões, as que não se ouvem nem leem e provocam o silêncio e ao mesmo tempo inquietação.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)


O operário »  2018-08-15  »  Anabela Santos

O tempo está ameno, um dia claro, de um azul celeste. O convite para sair de casa estava feito pelas cores e o som da natureza.

Não sei se foi o corpo ou a alma que me empurraram da zona alta para o centro da cidade. Mas fui… E não não vou falar da degradação do centro histórico.
(ler mais...)


Ganha fama e senta-te à sombra da bananeira »  2018-08-15  »  Maria Augusta Torcato

Esta é uma crónica pequenina, muito ligeira, leve e fresca, como devem ser as refeições nos dias de muito calor e em período de férias. A crónica “das férias” virá na seguinte ronda de escritaria.
(ler mais...)


Época balnear »  2018-08-15  »  António Gomes

Na época balnear, o primeiro dia de visita à praia é sempre assim: quais são as novidades? A organização da coisa - os espaços para estacionamento, os acessos à dita, o espaço para arear… tudo na mesma, pouco mudou ou pelo contrário, grandes mudanças? Isto para quem vai sempre para o mesmo local… parece que não sabemos outro caminho, é prá li e pronto.
(ler mais...)


O meu Ti Boino »  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato

O meu Ti Boino foi-se. Faltavam-lhe dois aninhos para chegar aos cem.

A notícia chegou hoje, nesta terça feira de julho, logo pela manhazinha, e eu, que nunca tenho tempo para retornar a casa, porque a nossa terra é e será sempre a nossa casa, mesmo que nela não tenhamos passado mais do que um oitavo dos anos que temos, lá vou amanhã, quarta feira, também de manhazinha, para o acompanhar à sua última morada.
(ler mais...)


Um tema leve para o Verão »  2018-07-30  »  Nuno Curado

Tenho andado a pensar num tema ligeiro sobre o qual escrever nesta crónica, porque, pronto, é Verão e está calor e ninguém tem vontade de gastar energia a preocupar-se com temas importantes. Por isso é que nos telejornais lá temos as habituais reportagens na praia sobre a temperatura da água do mar, ou na Amareleja sobre os impressionantes 45 graus que lá se fazem sentir… todos os anos sem diferença… Quer dizer, este ano ainda não.
(ler mais...)


Torto e fora dos eixos »  2018-07-28  »  Jorge Carreira Maia

Tornou-se um lugar comum aproximar duas ideias que emergiram na mesma época, mas em obras literárias diferentes. Em Hamlet, William Shakespeare fazia notar que “O mundo está fora dos eixos. Oh! Sorte maldita! … Por que nasci para colocá-lo em ordem!”.
(ler mais...)


Um concubinato de conveniência »  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia

Desde o início que a actual solução governativa sofre de um pecado mortal. Este reside num governo onde só um dos partidos de esquerda tem assento. Ao escolher o caminho mais fácil, a esquerda resolveu alguns problemas de momento.
(ler mais...)


Obstipação intestinal: um mal cada vez mais presente »  2018-07-12  »  Juvenal Silva

A obstipação intestinal, também conhecida como prisão de ventre, é uma doença gastrointestinal cada vez mais presente e, com um grau de Incidência preocupante, já na idade infantil. Num organismo saudável, o percurso da matéria residual pelo trato digestivo, corresponde a um ciclo previsível e regular que poderá oscilar entre 6 a 24 horas.
(ler mais...)


F »  2018-07-12  »  José Ricardo Costa

Admito ser um bocadinho conservador, sobretudo naqueles dias em que acordo com uma certa vontade de lavar os dentes com pasta medicinal Couto e de ter um mordomo chamado Jeeves para me trazer o fato às riscas enquanto faz o resumo do Financial Times.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-08-15  »  Maria Augusta Torcato Ganha fama e senta-te à sombra da bananeira
»  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia Protectorado
»  2018-08-15  »  Anabela Santos O operário