• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 22 de Maio de 2018
Pesquisar...
Sex.
 20° / 14°
Céu nublado com chuva moderada
Qui.
 24° / 14°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 27° / 12°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 11°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A melhor opinião

Opinião  »  2017-11-14  »  Carlos Tomé

"A informação tem que ser dinâmica, tipo Big Show Sic com macaco Adriano e tudo"

Olha lá, não estou nada de acordo quando eles dizem que têm a melhor opinião. Melhor opinião em quê? Há melhores e piores opiniões? Ou há só opiniões? Para além de estarem a puxar lustro aos galões, toda a gente sabe que a melhor opinião é a do Marques Mendes, o grilo falante, o tipo sabe as calhandrices todas do PSD e casca na geringonça à má-fila que até dá gosto.

Mas eu gosto mais é do José Rodrigues dos Santos. O gajo é que a sabe toda, escreve uns livros que ninguém lê mas toda a gente compra para encaixilhar lá na estante ao pé da fotografia do Papa e do Dan Brown, farta-se de ganhar dinheiro com o negócio e ainda manda uns bitaites à socapa ou franze o sobrolho que é o mesmo.
Mas esse não dá opiniões.

É tudo a mesma coisa, as notícias são torneadas à medida de quem as promove e depois os comentadores limitam-se a meter mais umas achas na fogueira.
Mas isso não são opiniões.

São, mas disfarçadas, são a continuidade a favor do vento que é encomendado para soprar para um certo lado. Dantes ainda havia o vento de leste, agora é um furacão que vem lá das américas e leva tudo à frente, como o Catrina, e isso põe toda a gente a usar a cachimónia da mesma maneira como se só houvesse um sentido para tudo.

Talvez seja isso. Então onde é que estão as melhores opiniões, outras palavras para além do óbvio, como naquele caso do caso do bispo do Porto, arranjou um advogado ainda pior do que ele, que condenou aquela tipa que andava a pôr os cornos ao marido e teve sorte em não ser lapidada? Não ouvi ninguém pegar naquela coisa de a Bíblia determinar que a mulher adúltera devia ser punida com a morte, que é uma coisa espantosa, e sobre a importância disso para a nossa vida.

Isso é verdade, se calhar a malta devia passar um bocadinho mais de tempo a pensar nas coisas em vez de ir logo a correr mandar umas bocas no facebook e passar o dia a meter likes e a tirar fotos e selfies e filmar tudo como aquele gajo que filmou um tipo a levar uma carga de porrada de três seguranças, e logo por acaso passou por lá uma chusma de malta que nem soltou um suspiro de espanto.
Está bem, mas nesse caso também se viu a importância daquela geringonça social perante a comunicação social encartada que não faz trabalho de investigação e depois vai atrás da onda, mas vê lá agora por causa de Fátima, toda a gente acha que aquilo é tabu e ninguém pode mandar uns bitaites contra isso ou sequer dizer que aquilo foi tudo inventado, marosca em que também colaborou malta de cá, bicancra, macho do petróleo e companhia. Já não digo atirar culpas à fé, mas apenas escrevinhar alguma coisita contra o embuste, viste alguém que se chegasse à frente?

Não vi, mas há coisas em que não se pode mexer, são intocáveis, como a religião e a tropa. E por falar em centenários, ainda gostava de ouvir ou ler uma opinião qualquer séria e isenta que não seja só ódio destilado e olhar vesgo, numa óbvia campanha de preconceitos, sobre aquilo que se passou lá para a Rússia há cem anos em Outubro ou em Novembro, já não sei bem, já foi há muito tempo, e sobre qual a importância histórica que isso teve para a malta de todo o mundo.

Pois, e o caso da estátua do padre António Vieira em Lisboa de cruz em riste, em pose de combate evangélico e com três criancinhas índias a tiracolo, um gajo que até escreveu uns sermões catitas mas que deu cabo dos pretos e índios e obrigou-os a aprender a rezar o terço, e o Marcelo que disse que o nosso país foi magnífico na abolição da escravatura mas esqueceu-se de se lembrar que foi o países maior traficante de escravos, mas ouviste ou leste alguém a falar nas vítimas disso tudo, nos índios, nos pretos, nos escravos ou a erguer uma estátua aos gajos?

É claro que não, mas a TV ou os jornais não podem perder tempo com essas minudências. A informação tem que ser dinâmica, tipo Big Show Sic com macaco Adriano e tudo, gente a verter lágrimas, mortos e feridos, desgraças a torto e a direito, o que mais conta é a forma como se diz, porque o que se diz já está entranhado na cabeçorra da malta. Opinião?

Olha, lembras-te do José Mattoso, o nosso maior especialista em história medieval, ter sido entrevistado na TV aqui há uns 20 anos e quando o jornalista lhe fez uma pergunta qualquer, ele respondeu que era uma questão interessante, nunca tinha pensado sobre o assunto, e pôs-se a matutar nela durante quase um minuto em silêncio?

Isso foi de mais. Claro que esse gajo nunca mais pôs os pés na TV, puseram-lhe logo uns patins. Aquilo não se faz. É proibido pensar porque o pensamento inquieta.
Está bem, mas eu gosto é dos comentadores que acham que são especialistas em tudo e cospem palpites definitivos e cagam sentenças a torto e a direito, e a gente tem que os aturar, tapando os ouvidos, fingindo que os ouve ou lê, parecendo que se está de acordo com eles abanando a cabeça, mas depois faz-se como o Mattoso, remetemo-nos ao silêncio.

Pois, se calhar essas é que são as melhores opiniões, as que não se ouvem nem leem e provocam o silêncio e ao mesmo tempo inquietação.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)


Magnésio, uma fonte de bem estar para o organismo »  2018-05-17  »  Juvenal Silva

O magnésio é um mineral muito importante para o organismo, para a produção de energia e a saúde do sistema nervoso, cuja deficiência pode causar sintomas como irritabilidade, cãimbras e fadiga, que podem ser atenuados por meio de alimentos ou suplementos naturais.
(ler mais...)


Admirável Mundo Novo... »  2018-05-17  »  Maria da Luz Lopes

Escrever é um ato que decorre do conhecimento, da cultura e dos valores que convictamente seguimos. Nesta linha de pensamento, não poderia começar esta crónica sem falar de Abril.
Inequivocamente para todos, reconhecemos que 44 anos depois da madrugada de Abril, vivemos uma Democracia quase plena que queremos defender para as gerações vindouras.
(ler mais...)


Nós só queremos um parque na cidade. E porquê? »  2018-05-17  »  Nuno Curado

Existe actualmente a necessidade de complementar o desenvolvimento urbano clássico com elementos ecológicos e naturais. Isto passa não só pela correcta manutenção do arvoredo existente, como da criação de outras áreas de valor ecológico.
(ler mais...)


Sua excelência o Mês de Maio »  2018-05-17  »  Anabela Santos

São doze os meses do ano, todos com um significado importante, especial, particular que depende das vivências e das recordações de cada um de nós.
Novembro deveria ser o meu mês de eleição pois, ao contrário de Luís de Camões, eu não maldigo o dia ou o mês em que nasci.
(ler mais...)


Maior quê? »  2018-05-17  »  Inês Vidal

Quando criei pela primeira vez o meu e-mail pessoal havia uma coisa que me atormentava: a quantidade de e-mails disparatados que me chegavam. Uns a felicitar-me por ter ganho carros de alta cilindrada, outros, bem mais divertidos por sinal, a perguntar se eu estaria interessada em aumentar o tamanho do meu pénis.
(ler mais...)


A nossa pátria »  2018-05-04  »  Jorge Carreira Maia

Ao comprar a nova tradução de Frederico Lourenço da Odisseia de Homero, lembrei-me da célebre frase de Fernando Pessoa ou, melhor, de Bernardo Soares: Minha pátria é a língua portuguesa.
(ler mais...)


Sons bons »  2018-05-03  »  Inês Vidal

Tenho esta coisa de achar que não sou capaz, de que não é para mim, que só os outros é que conseguem. É trabalhoso, não estou à altura, não tenho tempo, não sei como fazer. É uma fraca auto-estima que me acompanha.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia Maio de 68 e democracia
»  2018-05-17  »  José Ricardo Costa Bonés há muitos
»  2018-05-17  »  Inês Vidal Maior quê?