• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O REGICÍDIO

Opinião  »  2016-02-04  »  José Ricardo Costa

"É impossível saber o que poderia ter sido o século XX português sem o regicídio e o posterior golpe dos fanáticos republicanos. Não posso dizer que Portugal estivesse muito melhor do que hoje. Mas arrisco dizer que estaria melhor pelo que não teria vindo a acontecer depois."

Pode ser estranho um homem tão fleumático como Alexandre Herculano ter chorado que nem uma Madalena no funeral de D. Pedro V, também ele um fleumático, bem mais Saxe-Coburgo do que Bragança, como diz Maria Filomena Mónica na sua biografia. Tal reacção pode ser explicada não só pela sua ligação pessoal ao jovem rei mas também por este ter sido uma espécie de milagre alemão num país como Portugal. E basta pensar no «exílio» ribatejano de Herculano para ajudar a perceber as afinidades electivas com um rei que também se sentia culturalmente exilado numa pátria com a qual, ao contrário do pai, nunca se conformou. Numa carta de Agosto de 1856 ao príncipe Alberto de Inglaterra, seu tio, escrevia o seguinte:

Quando uma pessoa é obrigada a viver na companhia dos nossos políticos, chega-se, ao fim e ao cabo, por perder toda a fé e uma mínima esperança de melhoramento.[...] Ainda nunca, em Portugal, um ministério foi derrubado pela acção da Câmara dos Deputados. Tem sido sempre, sempre revolução ou intriga que tem escorraçado os ministros dos seus lugares.

 D. Pedro era inteligente mas não tinha poderes sobrenaturais. Não se deve pois ver na referida queda de políticos por via revolucionária ou palaciana em vez de normais procedimentos constitucionais, uma premonição do triste destino do seu futuro sobrinho, no Terreiro do Paço. Uma trágica ironia, apenas isso. Mais relevante é a sua perda de fé por saber que o problema de Portugal não está neste e naquele político, sendo antes estrutural, demasiado estrutural para um homem ou um regime. 


Perda de fé, essa sim, sabiamente premonitória, se olharmos para a história que se seguiu ao crime bárbaro e soez de 1908 e para o golpe de estado de 1910, percebendo-se a sua inutilidade, já agora, outra ironia, numa monarquia pioneira na abolição da pena de morte. A doença de Portugal não resultava de um regime monárquico mas de si próprio enquanto país, sobretudo das suas elites. Foi tão absurdo, bárbaro e criminoso assassinar D. Carlos como teria sido assassinar Cavaco Silva, Sócrates ou Passos Coelho pelo descontentamento face aos seus governos, por muito maus que fossem. Portugal estava bem em 1908 ou 1910? Não, como não estava antes, não viria a estar depois e o mais certo é nunca vir a estar, sendo uma estúpida futilidade revolucionária matar um rei e pouco depois derrubar uma monarquia constitucional moderna. O que se seguiu é sobejamente conhecido: uma primeira república caótica e fratricida, uma segunda, fascista, e uma terceira que pagou caro o reaccionarismo da segunda, para além de também pagar caro os disparates de quem nela tem mandado. É impossível saber o que poderia ter sido o século XX português sem o regicídio e o posterior golpe dos fanáticos republicanos. Não posso dizer que Portugal estivesse muito melhor do que hoje. Mas arrisco dizer que estaria melhor pelo que não teria vindo a acontecer depois.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias

Um sidonismo suave »  2018-01-04  »  Jorge Carreira Maia

Apesar da situação actual ser radicalmente diferente daquela que, durante a I República, conduziu Sidónio Pais ao poder, o país caiu, sem dar por isso, num novo sidonismo. Sidónio, de forma turbulenta, tal como eram os tempos de então, liquidou o parlamentarismo republicano e instaurou um regime presidencialista.
(ler mais...)


Boas intenções e boas ações »  2018-01-04  »  Maria Augusta Torcato

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de que há um recomeço, um renascimento e uma renovação da esperança nem se sabe bem de ou em quê.
(ler mais...)


Os avieiros já morreram há muito »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras.
(ler mais...)


Resíduos natalícios »  2018-01-04  »  Nuno Curado

Este ano, mais uma vez, repetiu-se o que se tornou a marca do Natal dos tempos modernos: o exagero de compras, presentes, coisas que se compram e oferecem. E em paralelo, as inevitáveis embalagens, embrulhos, sacos, enfeites e laços. Todos estes últimos, depois do efémero ritual de oferece – desembrulha – deita-fora-o-embrulho (e a embalagem), são apenas resíduos do dia seguinte… E nestes dias, a confusão na mesa da ceia ou a pressa para ir à missa de Natal não deixam tempo ou vontade para separar todo o lixo produzido.
(ler mais...)


Pasta medicinal couto »  2018-01-04  »  Fernando Faria Pereira

Primeiro mês do ano, aniversário para mim, já próximo dos sessenta. O velho passou-se, rei morto, viva o rei! Não faço previsões, mas informo-me: são tantas notícias ao mesmo tempo, de todo o lado, em tão variados meios, jornais, rádio, televisão, que por vezes me apetece desligar, mas não é possível! A internet tem tudo a não sei quantos megabites por segundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...