• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 21 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 26° / 14°
Céu limpo
Ter.
 24° / 15°
Períodos nublados
Seg.
 25° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  23° / 15°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O REGICÍDIO

Opinião  »  2016-02-04  »  José Ricardo Costa

"É impossível saber o que poderia ter sido o século XX português sem o regicídio e o posterior golpe dos fanáticos republicanos. Não posso dizer que Portugal estivesse muito melhor do que hoje. Mas arrisco dizer que estaria melhor pelo que não teria vindo a acontecer depois."

Pode ser estranho um homem tão fleumático como Alexandre Herculano ter chorado que nem uma Madalena no funeral de D. Pedro V, também ele um fleumático, bem mais Saxe-Coburgo do que Bragança, como diz Maria Filomena Mónica na sua biografia. Tal reacção pode ser explicada não só pela sua ligação pessoal ao jovem rei mas também por este ter sido uma espécie de milagre alemão num país como Portugal. E basta pensar no «exílio» ribatejano de Herculano para ajudar a perceber as afinidades electivas com um rei que também se sentia culturalmente exilado numa pátria com a qual, ao contrário do pai, nunca se conformou. Numa carta de Agosto de 1856 ao príncipe Alberto de Inglaterra, seu tio, escrevia o seguinte:

Quando uma pessoa é obrigada a viver na companhia dos nossos políticos, chega-se, ao fim e ao cabo, por perder toda a fé e uma mínima esperança de melhoramento.[...] Ainda nunca, em Portugal, um ministério foi derrubado pela acção da Câmara dos Deputados. Tem sido sempre, sempre revolução ou intriga que tem escorraçado os ministros dos seus lugares.

 D. Pedro era inteligente mas não tinha poderes sobrenaturais. Não se deve pois ver na referida queda de políticos por via revolucionária ou palaciana em vez de normais procedimentos constitucionais, uma premonição do triste destino do seu futuro sobrinho, no Terreiro do Paço. Uma trágica ironia, apenas isso. Mais relevante é a sua perda de fé por saber que o problema de Portugal não está neste e naquele político, sendo antes estrutural, demasiado estrutural para um homem ou um regime. 


Perda de fé, essa sim, sabiamente premonitória, se olharmos para a história que se seguiu ao crime bárbaro e soez de 1908 e para o golpe de estado de 1910, percebendo-se a sua inutilidade, já agora, outra ironia, numa monarquia pioneira na abolição da pena de morte. A doença de Portugal não resultava de um regime monárquico mas de si próprio enquanto país, sobretudo das suas elites. Foi tão absurdo, bárbaro e criminoso assassinar D. Carlos como teria sido assassinar Cavaco Silva, Sócrates ou Passos Coelho pelo descontentamento face aos seus governos, por muito maus que fossem. Portugal estava bem em 1908 ou 1910? Não, como não estava antes, não viria a estar depois e o mais certo é nunca vir a estar, sendo uma estúpida futilidade revolucionária matar um rei e pouco depois derrubar uma monarquia constitucional moderna. O que se seguiu é sobejamente conhecido: uma primeira república caótica e fratricida, uma segunda, fascista, e uma terceira que pagou caro o reaccionarismo da segunda, para além de também pagar caro os disparates de quem nela tem mandado. É impossível saber o que poderia ter sido o século XX português sem o regicídio e o posterior golpe dos fanáticos republicanos. Não posso dizer que Portugal estivesse muito melhor do que hoje. Mas arrisco dizer que estaria melhor pelo que não teria vindo a acontecer depois.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia The Times They Are A-Changin`
»  2018-10-12  »  Inês Vidal Passa