• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 26 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 29° / 15°
Períodos nublados
Sex.
 29° / 14°
Céu limpo
Qui.
 27° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

"Ser-se líder hoje é ser-se superior à bisbilhotice"

Opinião  »  2014-10-10  »  Carlos Ramos

Ser-se líder, hoje, passa por ser-se um educador de virtudes, de valores humanos e cristãos, acreditando que poderá fazer-se a diferença num mundo hipócrita que nos rodeia. Ser-se líder é fazer a diferença no bem, na procura da verdade e na sua promoção.

O líder é responsável por criar esse ambiente de verdade, não deixando que no grupo que lidera domine um ambiente hostil, deprimente, onde reine o pior dos defeitos de que sociedade moderna padece: a ditadura da mesquinhez, da inverdade, do vale tudo para que a minha ideia sobreviva, seja ela qual for.

O líder transforma o grupo e experimenta no grupo o ambiente de ”casa” do afeto, da justiça, da liberdade na responsabilidade, da verdade, da partilha, do respeito. Faz do grupo a ”casa” de Deus e da Humanidade.

Ser-se líder é ser-se superior à ”bisbilhotice e maledicência”. Para o Papa Francisco, tais posturas constituem um pecado que afeta a Igreja em cada comunidade católica e são nefastas para toda a sociedade. Um líder terá de ser implacável com tais comportamentos indignos do ser humano. Muitos deles, criticados pelo Papa Francisco, constituem autênticos homicídios sociais de muitos inocentes, que se vêm nas primeiras páginas dos jornais e dos comentários indecorosos de pseudo moralistas. São inaceitáveis os julgamentos sociais na base do ”ouvi dizer”, pareceu-me que… pensava que… onde há fumo há fogo, etc.

Ora, a cultura portuguesa enferma atualmente de um ambiente de ”bisbilhotice e maledicência” que nas palavras do Papa Francisco acontecem quando as pessoas se colocam ”em primeiro lugar e no centro das suas ambições pessoais, julgando os outros”. Precisamos de crescer na humanidade cristã e nos valores universais para que a vida aconteça com verdade e no respeito pela individualidade e consciência individual. A mensagem cristã não se pode resumir-se à oralidade discursiva ou ao belo texto, ela terá que encarnar na vida dos homens e mulheres do nosso tempo. O anúncio evangélico é vida nova que transforma os corações e as mentes. Este anúncio precisa ser efetivo no testemunho das comunidades católicas e nas famílias que se dizem católicas. Mas, também, no mundo que necessita de transformação cultural em ordem à superação da tendência animalesca da sobrevivência pela bisbilhotice e maledicência.

Os ”bisbilhoteiros e maledicentes” são por natureza fracos e fracas que recorrem a métodos nada convencionais para denegrirem o próximo, à técnicas dos comentários anónimos e irresponsáveis em locais públicos, nas esquinas, em pseudo reuniões de trabalho, etc. Ficam na inverdade e na parcialidade, porque não são capazes de ouvir os envolvidos, porque afinal são pessoas servis da fraqueza do mal e da inveja, que cedem ao mal e à criação da suspeita.

”Por vezes, as nossas paróquias, chamadas a ser lugar de partilha e de comunhão, são tristemente marcadas por invejas, ciúmes, antipatias”, lamenta o Papa. Precisamos de estabelecer um encontro mais profundo com o Bem, a Verdade e o Belo da vida que nos é dada por Deus. Cada um de nós, na comunidade humana, pode deixar o mundo algo melhor, basta ser imagem e semelhança de Deus. Ser-se líder é ser-se superior e vencedor na luta contra a bisbilhotice e maledicência.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?