• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 17 Outubro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 19° / 10°
Céu limpo
Sáb.
 20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 23° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 16°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O Nhonhinhas

Opinião  »  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro

A nonhinhisse como fenómeno social surgiu para nos pôr à prova. Entrou nas nossas vidas sem se dar por isso, mas percebemos o efeito corrosivo que tem no nosso bem estar. Um indivíduo coloca-se na fila de uma repartição comercial. Tem a senha 47 na mão e vê no ecrã que vai na 43. “é rápido” pensa. Ao fim de uma hora é recebido pelo tipo que lhe pergunta: “Tem aí a senha? Mostre e Espete aqui no prego!”. Quando sentimos o alívio pela espera terminar, somos recebidos por um contundente “Espete aqui no prego...?...”. E é aqui que surge o fiel seguidor do movimento da nhonhisse: o nhonhinhas. Estaríamos prestes a resolver o nosso assunto de forma célere, apenas queríamos uma informação, mas o nhonhinhas trata logo de nos dizer que não será nada fácil. Só com o impresso 78, com assinatura reconhecida, com a aprovação do chefe que por acaso é um bocadinho exigente nessas coisas, ou seja, as possibilidades de esclarecimento da nossa dúvida, estão ao nível da resolução do conflito na Venezuela. O nhonhinhas não facilita; o nhonhinhas cria obstáculos. Percebemos que sem esse entrave do outro lado do balcão, teríamos sido recebidos meia hora antes. O nhonhinhas é portador de uma competência que visa aleijar... devagarinho. Há quem confunda o nhonhinhas com o chato. Mas o chato só chateia, o nhonhinhas escarafuncha de forma ardilosa até magoar. É disso que se alimenta o seu ego. Mas quem é de facto um potencial nhonhinhas? Percebe-se que teve uma difícil adolescência, onde imperou uma clara falta de reconhecimento social. O último a ser escolhido para as equipas de futebol, o primeiro a abrir a porta à professora de matemática. O nhonhinhas teve o mérito de não se deixar abater perante a incompreensão dos outros quando gritavam“Ó graxista!”, depois dele levar todos os dias a pasta da professora no final da aula e de lhe oferecer caixas de chocolates no Natal. Fez do estudo a sua melhor ferramenta. Ai é assim? Então já vão ver! O nhonhinhas agarrou-se aos livros, estudou para singrar e lhe permitir ter algum poder para escaranfunchar e magoar um bocadinho aqueles que não reconheceram as suas virtudes. No entanto o nhonhinhas não singrou bem o que queria; ficou ali a meio caminho. Um pouco como a bactéria da legionela que se desenvolve na humidade da canalização entre a caldeira e o chuveiro. O nhonhinhas situa-se entre a chefia a sério e os utilizadores dos seus serviços. A caldeira lança a água quentinha e a bactéria trata de se introduzir nela para cair em cima do couro cabeludo do utente e fazer-lhe a vida negra. O nhonhinhas convive bem com essa tarefa: lambe o traseiro da chefia; e usa o traseiro do utente para aplicar as suas bactérias. Sente-se ligeiramente subjugado e bastante subjugador. O nhonhinhas aspira a liderar a sério, mas falta-lhe carisma, humanismo, competência social. Mas lida bem com a sua quota parte do poder que se exterioriza na capacidade de conseguir ver a sua vítima a esbracejar e a ficar com vontade de lhe dar dois estalos. Mas o nhonhinhas sabe que não tem cara para levar 2 estalos; sente-se protegido. Usufrui de forma prazerosa do insucesso dos outros. No seu percurso de formação de personalidade, o nhonhinhas aglutina uma série de características bem vincadas, onde a cobiça assume um papel de relevo. Cresceu no meio do sucesso dos outros, facto que, na sua cabeça, aumentava a sua sensação de insucesso. Ainda não digeriu o facto da espampanante Jéssica, a sua paixão platónica com a qual nunca trocou uma palavra, ter sido apanhada enrolada com o Sandro atrás do campo da bola. Ai é assim ó Jessica?...
A proliferação de nhonhinhas está a ser feita em todos os sectores da sociedade, sejam funcionários de repartições, políticos, médicos, professores, juízes, polícias, enfermeiros, taxistas, empregados de restaurantes e até canalizadores (ai queres tubos em aço inoxidável?...então toma lá estes em pvc q’é p’ra aprenderes não te armares em Sandro!). Já existem casos de nhonhinhas que conseguiram subir pelas paredes da canalização até aos cargos do poder mais a sério e conseguiram espalhar de forma mais contundente a Nhonhisse. Podem ser nhonhões com todos os outros nhonhinhas que se encontram a meio caminho e destilar nhonhisse sem controlo, à grande.
Urge tomar medidas profilácticas no combate ao nhonhismo desde tenra idade. Como professor de Educação Física, sinto que tenho obrigações acrescidas nesse campo. Na última aula de Futebol, fui eu que fiz as equipas para evitar o embaraço de existir uma última escolha e com ela o nascimento de potenciais nhonhinhas. Quando distribuía coletes pelas equipas, ouvi um aluno dizer para o outro: Ó pá, tu vais para a baliza e é já!... Quando me virei para tentar resolver a questão, pareceu-me ouvir o guarda-redes forçado, vociferar entre dentes : Ai é assim?... Então já vais ver...

 

 

 Outras notícias - Opinião


Rio petisco »  2019-10-11  »  Hélder Dias

Casal da Treta? »  2019-10-11  »  Hélder Dias

Das eleições, leituras »  2019-10-10  »  Jorge Carreira Maia

1. APESAR DO PRÓPRIO PARTIDO. O PS teve um bom resultado, mas não excelente. Não conseguiu penetrar significativamente na esquerda e alienou, em campanha, uma parte do centro para o PSD.
(ler mais...)


Venham mais vinte cinco, por Inês Vidal »  2019-10-02  »  Inês Vidal

Não deixa de ser curioso o facto de festejarmos 25 anos com a produção de uma revista. Numa altura em que já ninguém lê - muito menos jornais, mesmo os regionais e, dentro destes, menos ainda os que não anunciam nascimentos, casamentos e funerais - produzir ainda mais uma revista tem algo de irónico.
(ler mais...)


Fazer acontecer »  2019-10-02  »  Anabela Santos

A importância de fazer acontecer é, cada vez mais, uma certeza para mim.
Não sei se tem a ver com a idade, a consciência ou a vivência, mas é raro o dia em que não tenha o tal pensamento … “é mesmo importante o que esta gente faz acontecer”

E, como é óbvio, não me refiro aos actos dos nossos governantes.
(ler mais...)


Por este lado é que vamos, por João Carlos Lopes »  2019-10-02  »  João Carlos Lopes

1. Políticas nacionais, aqui e ali mais impostas a nível local por opção dos próprios, devastaram as economias locais das pequenas cidades e vilas do país. O comércio local e grande parte dos serviços foram fustigados e depois engolidos pelos grandes grupos nacionais ou trans-nacionais, remetendo as cidades e vilas portuguesas a pouco mais que cenários onde nada se passa.
(ler mais...)


O prazer de ir a lado nenhum »  2019-09-28  »  Jorge Carreira Maia

O maior prazer daqueles que frequentam a literatura será o da deambulação, visitar lugares desconhecidos e confrontar-se com mundos inesperados, andar por aí sem ir a lado nenhum. Se quisermos uma prova sobre a existência de uma pluralidade de mundos, basta uma palavra: literatura.
(ler mais...)


Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno »  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia

O DESCALABRO DA DIREITA. As sondagens têm vindo a indicar que a direita democrática está à beira de um resultado desastroso, por volta dos 25%, somando velhos e novos partidos.
(ler mais...)


O nome da terra, por João Carlos Lopes »  2019-09-06  »  João Carlos Lopes

É sintomático que, em tempo de eleições, nenhum dos partidos tenha dito uma palavra sobre essa vaca sagrada que é o futebol e sobretudo acerca do estado de guerra em que as claques dos “três grandes” transformam as terras por onde passam.
(ler mais...)


Turismo ou nem por isso »  2019-09-05  »  António Gomes

A época que atravessamos é propicia à reflexão sobre esta actividade económica, o turismo.
O turismo, como toda a gente sabe, atravessa em Portugal um período particularmente estonteante. São as grandes metrópoles as mais beneficiadas com tal actividade, é lá que se encontram as maiores fontes de atracção e é lá que as infraestruturas estão mais adaptadas e melhor respondem às solicitações.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-10-02  »  João Carlos Lopes Por este lado é que vamos, por João Carlos Lopes
»  2019-10-02  »  Inês Vidal Venham mais vinte cinco, por Inês Vidal
»  2019-09-28  »  Jorge Carreira Maia O prazer de ir a lado nenhum
»  2019-10-02  »  Anabela Santos Fazer acontecer
»  2019-10-11  »  Hélder Dias Casal da Treta?