• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 26 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 29° / 15°
Períodos nublados
Sex.
 29° / 14°
Céu limpo
Qui.
 27° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Abril e a necessária desinfestação da democracia

Opinião  »  2018-05-03  »  João Lérias

"Por mim, todos os dias são dias que espero. Dias em que escuto, leio, ouço e estou atento ao que me dizem"

Celebra-se de novo Abril. Celebra-se a liberdade e a democracia.
Relembramos como é habitual, a linda madrugada de Sophia, a “Grândola” do eterno Zeca e as palavras fortes e sempre bruscas de Ary do Santos. Abril é de facto fantástico, representa um fim e ao mesmo tempo o início de um novo tempo, a que aprendemos a chamar de liberdade e democracia.

Nos corredores do poder, engalanaram-se as salas e salões, voltaram a ver-se muitos cravos na lapela, voltaram a ouvir-se vivas à liberdade e à democracia. Aplaudiram-se os protagonistas, construíram-se novos discursos, adaptados às novas realidades.
É verdade que os últimos tempos revelaram-nos, entre outras coisas, muitas curiosidades, nomeadamente de atos de corrupção. Corrupção essa que, a ser verdade, a justiça tem a obrigação de julgar impiedosamente, porque ela é fator de destruição de qualquer democracia.

Perguntamo-nos perante o que vemos e assistimos, como foi possível, em certos momentos, alguns, em abril, percorrerem os tais salões engalanados, colocarem o cravo na lapela e defenderem a democracia, quando no fundo com determinados atos o que demonstraram foi precisamente o contrário de tudo aquilo em que acreditávamos ou nos queriam fazer acreditar.

Por mim, todos os dias são dias que espero. Dias em que escuto, leio, ouço e estou atento ao que me dizem, dias em que penso, especulo, sofro, temo, admiro e amo. Cada dia é afinal uma dádiva, uma oferta, um verdadeiro ganho. É por isso que todos os dias, eu próprio, sou a soma de mais um e a subtração de menos um. Ganho o que o dia me dá. Perco o que o dia me retira, e muitas vezes o dia retira-me muita esperança e liberdade.

Pergunto-me muitas vezes se o dia me dará esperança, quando me confronto com o nosso sistema partidocrático que forja políticos no caldo das conveniências, dos compadrios, da intriga, do afilhadismo, à margem de um verdadeiro e próprio escrutínio popular que sufrague as pessoas.

Pergunto-me muitas vezes para que servem à democracia, os políticos de carreira, os tais homens e mulheres que se cruzam nos salões bem adornados, sem passado profissional conhecido e publicamente reconhecido, que abundam e com fartura nas estruturas partidárias, vindos, salvo algumas exceções, sabe-se lá donde, com que méritos ou qualidades, propósitos ou capacidades morais.

Para que a liberdade e a democracia sobrevivam, e para que eu próprio continue a acreditar que o dia ainda me pode dar mais, do que retirar. Torna-se urgente e necessário, isso sim, uma desinfestação profunda da democracia lusitana. Quem a fará, não sei, mas que é precisa é, pois só dessa forma poderemos continuar a celebrar abril!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?