• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 13° / 2°
Períodos nublados
Dom.
 13° / 2°
Períodos nublados
Sáb.
 14° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  16° / 7°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A Nikita em Torres Novas (ou uma crónica pessoal pouco ou nada revolucionária no Centenário da Revolução de Outubro)

Opinião  »  2017-11-29  »  José Mota Pereira

"Naquele mês de junho de 1985 eu conheci os olhos de Nikita."

Recuemos a 1985. Ao final desse ano. Elton John lançou “Nikita” um dos seus maiores sucessos musicais. A temática era claramente influenciada pelo ambiente de mudança que se começava a viver na Europa de Leste, desde que em março, na União Soviética, Gorbachev chegara a secretário geral do PCUS, anunciando um plano de reformas – a Perestroyka – que viria a alterar o mapa do mundo.

Nessa canção (e no vídeo clip correspondente que se lhe associou), Elton John fala de um amor impossível (à primeira vista?) com a pobre Nikita, uma mulher soviética, soldado do Exercito Vermelho. Na canção e no videoclip o cantor britânico imagina como seria a vida da pobre Nikita se pudesse desfrutar do mundo “livre” e supostamente feliz do lado ocidental.

Entre o mês de março da chegada de Gorbachev ao poder e o lançamento de Nikita outro acontecimento de nível mundial ocorreu e… em Torres Novas!

Em junho, num dia de calor, a vila recebeu a visita de um Grupo Folclórico de…soviéticos! Este acontecimento que pode parecer banal e vulgar, constituiu então para o cronista acontecimento de relevo e emocionalmente espantoso, tanto mais que contava na altura com 11 valentes anos de vida e vastos – assim acreditava - conhecimentos da cultura soviética adquiridos sobretudo (mas não só) na coleção das revistas “Vida Soviética” que os avós tinham numa das estantes de casa. Ora se os soviéticos vinham a Torres Novas, os mesmos soviéticos felizes das fotografias das revistas, esse acontecimento não era coisa de causar espanto e expectativa?

Com espetáculo programado para a tarde no Cine Teatro Virginia, a manhã foi dedicada à receção à comitiva bem como a uma visita no mini-autocarro da Câmara Municipal em torno dos locais de visita obrigatória na nossa região.
Movendo as minhas influências – o meu pai era membro do núcleo local da Associação de Amizade Portugal/URSS – consegui infiltrar-me no autocarro para poder do alto dos meus 11 anos conviver com os membros do grupo de folclore Voljanka.

Não deixei, à primeira vista de estranhar, as roupas com que vestiam. Pareciam saídos de uma das séries de televisão dos anos 70… Aquela malta, em plenos anos 80 exibiam garbosas calças à boca de sino! Perante a minha perplexidade, alguém de Torres Novas, explicou-me de supetão (ou seria um raspanete?) que no socialismo a moda não era coisa prioritária. Lá aceitei a douta explicação a la minuta - afinal sempre há alturas na vida em que ficamos felizes com as explicações mais simples.

O convívio com os soviéticos foi agradável. O diálogo não se estabeleceu facilmente, nem eu nem eles eramos versados em línguas, mas entre visitas ao Castelo, ás Grutas das Lapas e à Villa Cardilium, ainda houve momentos agradáveis de convívio. O espetáculo da tarde correu de forma excelente, o Virgínia encheu e o Grupo de Folclore deslumbrou o público. A verdade é que já passaram mais de 32 anos e naquela tarde, ninguém poderia imaginar que a União Soviética vivia os seus últimos anos de existência.

As minhas influências – é bom ter poder, por mais pequeno que seja – permitiram-me estar nos bastidores do Teatro. Assim na despedida, uma das soviéticas, a mais bonita das soviéticas, veio despedir-se de mim, oferecendo-me uma pequena peça de artesanato russo e, glória! glória! um beijo no rosto com um sorriso de olhos azuis que nunca esquecerei. Incapaz de comunicar, fiquei mudo, quieto, calado! Aquele beijo foi como receber a medalha Lenine aos 11 anos!

Invejai-vos!!! Quantos de vocês, leitores, receberam um beijo de uma soviética?

Obviamente, nunca mais soube nada do Grupo Voljanka nem da simpática soviética. Mas sem que ela me tenha dito, aposto que sei o seu nome. Naquele mês de junho de 1985 eu conheci os olhos de Nikita. Eles estiveram aqui, na vila de Torres Novas, no largo do Virgínia. Ainda o Elton John não sonhava com ela.

 

 

 Outras notícias - Opinião


ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A CULTURA LOCAL »  2017-12-13  »  Denis Hickel

Há uma resistência geral na sociedade e especialmente no âmbito político para implementar agendas que tornem o tema das alterações climáticas parte da cultura geral, da economia, do planeamento e do empreendedorismo.
(ler mais...)


Torres Novas 2018, mais um ano sem IMI Familiar »  2017-12-13  »  Jorge Salgado Simões

O IMI Familiar é uma medida de discriminação positiva destinada a aliviar o esforço financeiro das famílias com filhos. Pressupõe um desconto no IMI relativo à habitação própria de cada agregado em função do número de descendentes, que vai continuar a não ter aplicação em Torres Novas em 2018, uma quase excepção no país e uma verdadeira excentricidade na região.
(ler mais...)


Manter as barcaças do passado »  2017-12-13  »  Carlos Tomé

Aqui há uns anos, não muitos, o Bruno Aleixo, um boneco televisivo, um urso que só mexia a boca e revirava os olhos, fazia-nos rir e pensar quando mandava umas atoardas e se vangloriava de ler muito. Ele era anúncios, listas de supermercado, slogans que andavam espalhados por Coimbra, o preçário do café do Aires, algumas mensagens de telemóvel e mais umas dezenas de coisa.
(ler mais...)


O Derbi »  2017-12-13  »  José Ricardo Costa

No dia em que os meus pais casaram era de jogo no Almonda Parque. Despachado o almoço da praxe, foram então os noivos, alegremente seguidos pelos engalanados convidados, rumo ao também chamado quintal do José Maria. O meu pai podia não ser doente do esférico mas era homem de suas rotinas, sendo domingo de futebol uma delas.
(ler mais...)


Falar por falar »  2017-12-12  »  Anabela Santos

Hoje, sentei-me no sofá em frente à lareira. Trouxe comigo caneta e papel – ainda não me sinto conquistada pelas novas tecnologias – e pensei: “Se estou aqui, “munida com estas armas”, é porque me apetece escrever”.
(ler mais...)


O que se perfila »  2017-11-30  »  Jorge Carreira Maia

Apesar dos trágicos acontecimentos ligados aos incêndios e de algumas patetices governamentais, a esquerda continua, nas sondagens, a ser largamente maioritária. O problema começa agora que os acordos, que estabeleceram a coligação parlamentar, estão praticamente cumpridos.
(ler mais...)


O sentido da vida »  2017-11-29  »  Carlos Tomé

Há pessoas que vivem toda a vida sem se dar por elas. No fundo parece que não calcam o mesmo chão, que não bebem o seu café na Praça, uma italiana com adoçante faxavor, parece que não andam cá por estas bandas, são como o homem invisível, por vezes só se vê o contorno do casaco, remetendo-se a um silêncio exasperante e a uma invisibilidade que nos alimenta a ilusão de termos alguma importância ao pé deles.
(ler mais...)


TRANSIÇÃO EM CURSO »  2017-11-29  »  Denis Hickel

Nos dias que correm, quando falamos sobre o futuro das cidades, devemos acrescentar à lista dos problemas ambientais em curso o futuro robótico que se avizinha e o impacto geral que a tecnologia poderá trazer para as nossas vidas.
(ler mais...)


Palermas de serviço »  2017-11-29  »  Maria Augusta Torcato

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.
(ler mais...)


ORU »  2017-11-29  »  António Gomes

A operação de reabilitação urbana – ORU – que tem estado em discussão pública, é um documento importante pelas consequências que poderá trazer à cidade de Torres Novas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-12-13  »  Jorge Salgado Simões Torres Novas 2018, mais um ano sem IMI Familiar
»  2017-12-13  »  José Ricardo Costa O Derbi
»  2017-12-12  »  Anabela Santos Falar por falar