• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 26 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 17° / 10°
Céu nublado
Qua.
 19° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A insegurança e o dinheiro público no Rossio - antónio gomes

Opinião  »  2020-09-01  »  António Gomes

"Esta obra, de duvidosa necessidade, tem um percurso digno de uma investigação de Poirot."

Decidiu o PS fazer obras no rossio, um parque de lazer e de jogos, como é sabido. Já em 2007 aquele espaço tinha sido intervencionado e inaugurado, mas como é preciso mostrar alguma coisa e aquele é o sitio ideal, voltámos lá.

É facilmente perceptível que aquele espaço é o menos indicado de todos para implantar um parque de jogos e lazer para crianças e jovens, a começar pela exposição solar que, como sabemos, atinge temperaturas muito altas na nossa terra. Depois, trata-se da segurança, ou melhor da falta dela: aquele espaço é todo ele rodeado por estrada com várias saídas e ou entradas de veículos, aquele espaço tem no seu perímetro um grande número de estacionamentos, não cumpre as distâncias previstas. São aspectos que contrariam a lei, mas isso não interessa ao PS, o que conta é que dá para fazer mais uma inauguração.

“Penso que as condições de segurança estão garantidas, mas se tivermos de as repensar não há dúvidas que o iremos fazer” – a frase é do vice-presidente da Câmara, publicada num jornal local. Ou seja, gastam-se quase 500 mil euros, mas não sabemos bem o que é que andamos a fazer, como se a segurança fosse uma coisa de somenos importância.
E como os dinheiros são públicos, também não é caso para preocupações. Começa-se com um projecto que incluía um espaço de apoio a roulottes, depois altera-se e retira-se o “apoio a roulottes”, na alteração seguinte retira-se o restaurante/bar, retira-se 300m2 de relva sintética, e mais umas coisitas… Lá se acertam as contas e a soma final fica em 317 mil euros. Justificações para estas decisões, nunca chegaram.

Agora que parecia tudo encaminhado, as contas dão outro salto e sem que se tenha a verticalidade de informar todo o executivo, aparecem mais dois concursos extra, um de aquisição de bar/restaurante (que tinha sido retirado por ordens superiores), no valor de 90 mil euros+IVA, e outro de 30 mil euros+IVA para marcações e pavimentos. E eu a pensar que os projectos aprovados eram completos, mas não, faltavam o pavimento e as marcações.

Esta obra, de duvidosa necessidade, tem um percurso digno de uma investigação de Poirot.
Não se esqueça que tudo começou com um projecto aprovado pela Câmara, que teria sido substituído por um projeto oferecido por uma empresa, não fosse uma vereadora ter uma memória de elefante e travar o processo.
E uma grande parte das estradas do concelho continuam alegremente esburacadas.

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia