• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 24 Março 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 25° / 12°
Céu limpo
Ter.
 26° / 12°
Céu limpo
Seg.
 26° / 9°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  24° / 11°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Um sobreiro em Águas de Moura, ondas na Nazaré e eucaliptos em Riachos

Opinião  »  2018-04-04  »  Carlos Tomé

"Está bem, o sobreiro até pode ter o seu interesse, agora que foi eleito como árvore europeia do ano, mas nada que se compare ao enfurecido mar nazareno"

Sempre me arrependi de não ter aceitado o convite, faz agora 40 anos, do Victor Silvino para irmos à Nazaré na sua Vespa ver uma onda enorme que estava a chamar curiosos. Mas na altura a imagem que me apareceu de imediato à frente dos olhos, não foi a do mar em polvorosa, foi a do pendura da motorizada a esbardalhar-se todo pela serra abaixo quando o mais célebre chofer da biblioteca itinerante da Gulbenkian fizesse as curvas de Porto de Mós mais direito do que um fuso, e isso deu razão à nega.

Mas nessa altura se ao Victor lhe tivesse passado um vaipe pela cabeça e em vez de meter a Vespa direito ao litoral entortasse o guiador para o lado de Águas de Moura para ver um sobreiro assobiador também podia valer a pena. A viagem, garanto-vos, não seria menos espectacular.

É certo que o sobreiro está ali parado, parece que não tem vida e não serve para grande coisa a não ser dar cortiça para o Américo Amorim fazer umas rolhas de nove em nove anos, e poder ser transformado em cavacas para aquecer os invernos mais frios. Para além disso parece que também serve de poiso à passarada que por ali se aloja para passar a noite como em hotel de cinco estrelas e treinar o assobio como fazia o Damásio que andava atrelado a um carro de mão com rodas cheio de bonicos. E à sombra do sobreiro houve muitos acampamentos e casamentos de ciganos, coisa sem grande registo histórico dada a itinerância desta malta que nunca está bem em lado nenhum e até parece que tem fogo no cu.

As letras nómadas, que no fundo são todas as letras quando se mexem à procura de outros sentidos e de outros dizeres, estão escritas para sempre nesta árvore, porque a vida toda ali fica marcada como quem escreve a golpes de navalha o seu nome na casca. Foram os ciganos quem primeiro descobriu a verdadeira importância do sobreiro, convivendo diariamente com ele, fazendo dele um amigo e uma companhia, à sua sombra assentando arraiais.

Está bem, o sobreiro até pode ter o seu interesse, agora que foi eleito como árvore europeia do ano, mas nada que se compare ao enfurecido mar nazareno a dizer palavrões e a deitar espuma pela boca tentando seduzir uns turistas de barriga super bock, pondo-os à procura de chambres na vila piscatória. A fúria era tanta que quase atingia a rocha onde o cavalo do D. Fuas deixou a ferradura quando se preparava para empinar do precipício abaixo o cavaleiro armado em bom, não fosse aparecer o milagre do sítio. O fenómeno foi tão badalado que nem o MacNamara, se fosse vivo na altura, conseguiria cavalgar aquela onda.

Mas para além disso, o problema é que o sobreiro já tem uma idade um bocado avançada, 234 anos é muito tempo, e não será exagero adivinhar-se que o assobiador viu muita coisa, assistiu à história a criar-se sob a sua copa, deu razão e ousadia aos artistas que lhe sacaram a casca sem o ferirem, conviveu com muita gente de muitas origens e de outros afazeres, albergou muitas histórias de vida, deu alma a algumas e serviu de cadafalso a outras que escolheram o caminho suicida, que o tempo tudo traz e tudo leva.

As grandes árvores sempre tiveram grandes amigos. Quando a Maria dos Peixinhos deu aulas práticas de educação sexual, o Manuel Couve fabricou esteiras e o Martinho Ginete ia arrear as calças no sopé dos eucaliptos ou passava tardes inteiras com os amigos na cavaqueira à sua sombra, estavam longe de pensar que nestas árvores ficava marcado um pedaço das suas vidas e da história de Riachos. Por vezes a história das árvores confunde-se com a vida de quem as tem como amigas.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


O Nhonhinhas »  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro

A nonhinhisse como fenómeno social surgiu para nos pôr à prova. Entrou nas nossas vidas sem se dar por isso, mas percebemos o efeito corrosivo que tem no nosso bem estar. Um indivíduo coloca-se na fila de uma repartição comercial.
(ler mais...)


#Hashtag »  2019-03-22  »  Margarida Oliveira

Se no imediato, os 200 anos estimados pela ONU para o alcance da igualdade entre mulheres e homens parecem uma espécie de eternidade inatingível, na verdade, olhando a linha temporal da humanidade, eles representam apenas o último pedaço do último degrau, desta luta milenar.
(ler mais...)


Prioritário? As estradas. »  2019-03-22  »  António Gomes

Vem isto a propósito das obras de reabilitação do largo do Rossio. Decidiu, a maioria socialista na CM, dar prioridade à realização de obras no Largo General Humberto Delgado (Rossio). O projeto não se sabe bem o que é, visto que o PS decidiu alterar aquilo que foi aprovado em reunião de câmara.
(ler mais...)


Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música »  2019-03-22  »  Ana Sentieiro

É com alguma indignação entrelaçada com revolta que exponho um assunto secundário numa panóplia de assuntos, dos quais, o salário do Ronaldo agarra o protagonismo e leva-o de férias para a Grécia no seu jato privado, com direito a champanhe e não espumante! Parece que ninguém está interessado em dar relevo à falta de cultura musical dos millennials.
(ler mais...)


Brasil, China, Entre-os-Rios e Novo Banco »  2019-03-09  »  Jorge Carreira Maia

1. A DOENÇA DO BRASIL. Apesar de sermos latinos e de permitirmos coisas inaceitáveis nos países do centro e do norte da Europa, ainda é difícil para os portugueses compreender a doença que ataca com virulência inusitada o Brasil.
(ler mais...)


Remodelação, Bloco, Greves e Exames »  2019-02-22  »  Jorge Carreira Maia

1. REMODELAÇÃO DO GOVERNO. A importância da remodelação do governo ocorrida no início da semana é, do ponto de vista da orientação política, tendencialmente nula.
(ler mais...)


Mulher »  2019-02-21  »  Margarida Oliveira

Se é adquirido que com o 25 de Abril de 1974, as mulheres alcançaram o reconhecimento dos seus direitos mais fundamentais, exigindo a igualdade na vida, entre mulheres e homens, certo é, que fora o que seria obrigatório conceder, com o objectivo de serenar os ânimos reivindicativos femininos, praticamente tudo continua por fazer.
(ler mais...)


Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar. »  2019-02-21  »  José Ricardo Costa

Por estranho que pareça, houve um tempo em que se ia ao restaurante sobretudo para comer. Sim, também para conviver, comemorar, fazer negócios, mas sempre com o prazer da boa mesa como alvo. Nós, portugueses, para além de comer adoramos falar sobre o que comemos, nem que seja para lembrar, com a expressão lúbrica do lobo dos desenhos animados, o maravilhoso cabrito com grelos que comemos há 20 anos.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-02-22  »  Jorge Carreira Maia Remodelação, Bloco, Greves e Exames
»  2019-03-09  »  Jorge Carreira Maia Brasil, China, Entre-os-Rios e Novo Banco
»  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo
»  2019-03-22  »  José Ricardo Costa Como dantes não se falava, também não se dava por ela.
»  2019-03-22  »  Ana Sentieiro Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música