• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 01 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 19° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Sex.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 13°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Hipocrisia colectiva, por Inês Vidal

Opinião  »  2020-01-30  »  Inês Vidal

"São fórmulas que matam e moem tal como o vinho, que continua a fazer vítimas em pleno século XXI."

Este ano há festa da Benção do Gado, em Riachos. Uma festa de raízes, uma homenagem às origens do povo riachense. Pelo menos é essa a sua intenção primeira. Recordo, a propósito, quando numa das vezes em que percorri as ruas engalanadas da vila por altura das festas, uma das coisas que me chamou a atenção nos quadros populares que recriam essas tais raízes riachenses, foi o facto de tão natural e repetidamente se recordar a personagem do homem embriagado, copo na mão, garrafão aos pés. Chamou-me a atenção não só por entender que as origens dos riacheses vão certamente muito além disso, mas também pela naturalidade como algo como a embriaguez, é erguida bandeira de um povo.

Utilizo um quadro riachense, porque foi aí que primeiramente me debrucei sobre este assunto, mas serve apenas como exemplo. A verdade é que esta aceitação do álcool como parte integrante do nosso dia-a-dia, acontece um pouco por todo o lado. E, admito, é facto que não me deixa nada confortável. Números elevados da violência, acidentes e incidentes, acontecem exactamente na sequência de quadros de alcoolismo. E esta é, estranhamente, uma realidade que aceitamos, enaltecemos e, como já se viu, tornamos bandeira de um país.

Um destes dias passeava pela baixa do Porto, mais propriamente pela Rua das Flores, rodeada pelos muitos turistas que actualmente invadem a Invicta. Entre caixas de electricidade divertidamente decoradas e mil e uma lojas que homenageiam as origens portuguesas, onde não faltam referências a sardinhas, galos de Barcelos e azulejos, entrei numa loja de vinhos. Uma das muitas que se multiplica não só pelo Porto, como por todo o país. Uma moda que toma o nome de winebar, uma espécie de taberna, mas em bom, com copos de balão no lugar dos famosos malhões do Zé da Ana.

Entrei na loja e além de paredes repletas de vinhos de todas as castas e regiões, podia provar-se vinho a copo. Bastava para isso, imagine-se, um cartão pré-pago que nos dava acesso ao vinho exposto para prova. Era a única portuguesa, obviamente. De resto, apenas turistas, que achavam normal servirem-se copos de vinho numa espécie de multibanco refrigerado, bastando para isso um cartão pré-pago. Um cenário ligeiramente comercial, para turista ver, com um pé a fugir para os afamados coffeshop holandeses, na medida em que exploram o lado comercial do lazer, mas sem metade da graça. Eu, pelo menos, não achei metade da graça.

Enquanto por ali estive, não pude deixar de ser invadida pela lembrança do boneco de garrafão aos pés, que assumimos como nossa memória colectiva e de como o consumo excessivo de álcool nos mata, de como as mulheres de gerações anteriores, e muitas nos dias que correm, sofreram e sofrem às mãos do vinho, de como continuamos a morrer na estrada graças a ele, e de como esta geração continua a achar tudo isso normal e a divinizar o vinho. Sempre, desde que em copos balão.

E entre divagações próprias de quem pensa ou de quem está em lojas de vinho, não percebi bem, questionei-me sobre se a nossa hipocrisia, também ela colectiva, nos permitiria aceitar e ser coniventes com um espaço destes, mas que albergasse outras fontes de diversão - ou de problemas - que não o vinho? Uma espécie de Eurodisney para adultos, uma montanha russa na ponta de um charro, de um risco ou de um caldo. Um espaço onde nos sentássemos e fossemos convidados a experimentar, desde que com cartão pré-pago claro, numa espécie de viagem cultural quase, tudo o que de melhor há a oferecer nas produções dos vários pontos do mundo.

Acredito que não, mas perguntou-me porquê. São fórmulas que matam e moem tal como o vinho, que continua a fazer vítimas em pleno século XXI. É a hipocrisia colectiva, social, aquela que nos faz continuar a olhar de lado e a ostracizar quem troca seringas na farmácia, e a aplaudir o homem do garrafão aos pés, ainda que na sua versão moderna de engravatado de dia, embriagado à noite, que vê justificadas as suas atitudes num copo de vinho socialmente aceite, bandeira orgulhosa de uma nação.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A roleta russa - jorge carreira maia »  2020-09-28  »  Jorge Carreira Maia

A questão do novo coronavírus tornou-se uma espécie de roleta russa em dois momentos. No primeiro, o tambor da pistola roda para descobrirmos se somos ou não contaminados. Caso sejamos, ele torna a rodar, agora de forma decisiva.
(ler mais...)


Boys - rui anastácio »  2020-09-28  »  Rui Anastácio

A palavra parece ser inglesa, mas é apenas aparência. É uma palavra portuguesa, com certeza. Foi proferida, pela primeira vez, nos idos anos 90 pelo actual secretário-geral das nações unidas. “No jobs for the boys”.
(ler mais...)


A bolha - miguel sentieiro »  2020-09-28  »  Miguel Sentieiro

O início das aulas em época de covid exigia medidas drásticas para que o descalabro pandémico não surgisse em todo o seu esplendor. As equipas especializadas do ministério da educação, em estreita ligação com as equipas especializadas da DGS, montaram uma estratégia especializada infalível baseada num único conceito: a bolha…!

Eu sei que o nome não tem um grande impacto sonoro, é um pouco mortiço até, mas interessa sobretudo o seu conteúdo em termos operacionais.
(ler mais...)


Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato »  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato

Sempre tive, e continuo a ter, um fascínio por escolas. Quando se atravessa uma aldeia, uma pequena vila, ou até um monte ou pequenino aglomerado de casinhas, os edifícios que albergavam as escolas têm uma traça comum e especial.
(ler mais...)


QUE PARECENDO SER PLURAL E DIVERSO - margarida trindade »  2020-09-28  »  Margarida Trindade

Em cima da mesa da cozinha, em casa dos meus avós, havia sempre um último número do Jornal de Abrantes. A lembrança é de umas folhas muito brancas e rígidas, de um jornal que à época já me parecia antigo, e era comparado com o Expresso ou com A Capital — outros jornais que me habituei a ver também em cima de outra mesa, na sala de estar da casa dos meus pais.
(ler mais...)


O ESPELHO - josé mota pereira »  2020-09-28  »  José Mota Pereira

Em 1992, ainda a RTP era a televisão única. Todas as quartas-feiras à noite o serão é dedicado a entrevistas protagonizadas por Carlos Cruz a uma série de personalidades. O espaço chama-se precisamente “Carlos Cruz - Quarta Feira” e numa noite a entrevista resultou numa conversa amena e franca.
(ler mais...)


Crónica de um tempo que ainda não aconteceu - jorge salgado simões »  2020-09-28  »  Jorge Salgado Simões

Ainda bem que acabaram o IC3!

Vejam o que seriam os tempos de pandemia sem aquela via, prometida há anos como contrapartida da instalação do Eco Parque do Relvão. Hoje, é lá que se tratam muitos dos resíduos perigosos do país e mesmo de outros países, e entre eles os resíduos hospitalares.
(ler mais...)


A construção de edifícios no Médio Tejo - antónio gomes »  2020-09-28  »  António Gomes

O INE divulgou as estatísticas de construção dos anos 2018 e 2019 com base em estimativas e nas informações das empresas de construção. Significa isto que deveria haver por parte do PS/Torres Novas algum cuidado naquilo que tenta impor dentro da Câmara e não levar a Câmara a divulgar dados que não são rigorosos.
(ler mais...)


Vivências, aprendizagens e emoções - anabela santos »  2020-09-28  »  AnabelaSantos

Para além das vivências, das aprendizagens e das emoções, crescimento, resiliência, luta, trabalho e solidariedade, são estas as palavras que escolho para me acompanharem nos próximos onze meses.

Daqui a algumas horas, um avião me levará até Timor, a ilha encantada, em forma de crocodilo.
(ler mais...)


A mesa - rui anastácio »  2020-09-12  »  Rui Anastácio

Tenho um certo fascínio por mesas. Ao longo da minha vida já mandei fazer algumas. Quase sempre mesas grandes e robustas. Onde se possam sentar muitas pessoas. Onde se possa beber um bom vinho, comer muito, conversar muito, discutir muito, praguejar, gritar, lutar por ideias e ideais.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-01  »  José Mota Pereira O rio do fururo - josé mota pereira
»  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato
»  2020-09-01  »  Rui Anastácio Agricultores - rui anastácio
»  2020-09-12  »  Mariana Varela Democracia e representatividade - mariana varela
»  2020-09-01  »  Mariana Varela O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela