• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Hipocrisia colectiva, por Inês Vidal

Opinião  »  2020-01-30  »  Inês Vidal

"São fórmulas que matam e moem tal como o vinho, que continua a fazer vítimas em pleno século XXI."

Este ano há festa da Benção do Gado, em Riachos. Uma festa de raízes, uma homenagem às origens do povo riachense. Pelo menos é essa a sua intenção primeira. Recordo, a propósito, quando numa das vezes em que percorri as ruas engalanadas da vila por altura das festas, uma das coisas que me chamou a atenção nos quadros populares que recriam essas tais raízes riachenses, foi o facto de tão natural e repetidamente se recordar a personagem do homem embriagado, copo na mão, garrafão aos pés. Chamou-me a atenção não só por entender que as origens dos riacheses vão certamente muito além disso, mas também pela naturalidade como algo como a embriaguez, é erguida bandeira de um povo.

Utilizo um quadro riachense, porque foi aí que primeiramente me debrucei sobre este assunto, mas serve apenas como exemplo. A verdade é que esta aceitação do álcool como parte integrante do nosso dia-a-dia, acontece um pouco por todo o lado. E, admito, é facto que não me deixa nada confortável. Números elevados da violência, acidentes e incidentes, acontecem exactamente na sequência de quadros de alcoolismo. E esta é, estranhamente, uma realidade que aceitamos, enaltecemos e, como já se viu, tornamos bandeira de um país.

Um destes dias passeava pela baixa do Porto, mais propriamente pela Rua das Flores, rodeada pelos muitos turistas que actualmente invadem a Invicta. Entre caixas de electricidade divertidamente decoradas e mil e uma lojas que homenageiam as origens portuguesas, onde não faltam referências a sardinhas, galos de Barcelos e azulejos, entrei numa loja de vinhos. Uma das muitas que se multiplica não só pelo Porto, como por todo o país. Uma moda que toma o nome de winebar, uma espécie de taberna, mas em bom, com copos de balão no lugar dos famosos malhões do Zé da Ana.

Entrei na loja e além de paredes repletas de vinhos de todas as castas e regiões, podia provar-se vinho a copo. Bastava para isso, imagine-se, um cartão pré-pago que nos dava acesso ao vinho exposto para prova. Era a única portuguesa, obviamente. De resto, apenas turistas, que achavam normal servirem-se copos de vinho numa espécie de multibanco refrigerado, bastando para isso um cartão pré-pago. Um cenário ligeiramente comercial, para turista ver, com um pé a fugir para os afamados coffeshop holandeses, na medida em que exploram o lado comercial do lazer, mas sem metade da graça. Eu, pelo menos, não achei metade da graça.

Enquanto por ali estive, não pude deixar de ser invadida pela lembrança do boneco de garrafão aos pés, que assumimos como nossa memória colectiva e de como o consumo excessivo de álcool nos mata, de como as mulheres de gerações anteriores, e muitas nos dias que correm, sofreram e sofrem às mãos do vinho, de como continuamos a morrer na estrada graças a ele, e de como esta geração continua a achar tudo isso normal e a divinizar o vinho. Sempre, desde que em copos balão.

E entre divagações próprias de quem pensa ou de quem está em lojas de vinho, não percebi bem, questionei-me sobre se a nossa hipocrisia, também ela colectiva, nos permitiria aceitar e ser coniventes com um espaço destes, mas que albergasse outras fontes de diversão - ou de problemas - que não o vinho? Uma espécie de Eurodisney para adultos, uma montanha russa na ponta de um charro, de um risco ou de um caldo. Um espaço onde nos sentássemos e fossemos convidados a experimentar, desde que com cartão pré-pago claro, numa espécie de viagem cultural quase, tudo o que de melhor há a oferecer nas produções dos vários pontos do mundo.

Acredito que não, mas perguntou-me porquê. São fórmulas que matam e moem tal como o vinho, que continua a fazer vítimas em pleno século XXI. É a hipocrisia colectiva, social, aquela que nos faz continuar a olhar de lado e a ostracizar quem troca seringas na farmácia, e a aplaudir o homem do garrafão aos pés, ainda que na sua versão moderna de engravatado de dia, embriagado à noite, que vê justificadas as suas atitudes num copo de vinho socialmente aceite, bandeira orgulhosa de uma nação.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia