• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 20 Agosto 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 37° / 22°
Períodos nublados
Qui.
 38° / 22°
Céu limpo
Qua.
 37° / 18°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  33° / 14°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Quando se sente que já não se pertence

Opinião  »  2018-04-04  »  Maria Augusta Torcato

"Fui ao banco e, como dizia, senti-me invadida por um sentimento de vazio, de quebra de identidade, de não pertença."

Fui ao banco. E uma ação tão singela e banal gerou um terramoto interior, porque o que ali se sentiu era o que se sentia há já algum tempo, mas pela natureza humana de existência e resistência se vai negando ou adiando ou fingindo que não existe – um sentimento de vazio, de quebra de identidade, de não pertença.

A verdade é que já há muito que, fisicamente, não ia ao banco. Desde que o banco vem até nós, em casa ou em qualquer outro espaço e a qualquer dia e hora, que eu deixei de contactar, olhos nos olhos, com os funcionários habituais, que quase eram família e que, às vezes, sabiam mais da nossa vida, quer dizer, das nossas contas, do que nós próprios. Davam-nos informações, ajudavam-nos a decidir, ligavam-nos quando era necessário mudar alguma coisa, atualizar alguns dados, fazer algum depositozinho, porque a conta já estava para baixo de zero.

Fui ao banco e, como dizia, senti-me invadida por um sentimento de vazio, de quebra de identidade, de não pertença. Quem era eu, afinal? O que estava ali a fazer? Quem eram aquelas pessoas? Apenas um rosto, apenas um, me era familiar. E foi a ele que me dirigi. Pois nós gostamos de nos sentir em casa. Ninguém consegue viver sem sentir que pertence, sem sentir que se identifica, sem sentir que há um complemento, um todo, nas relações que se estabelecem entre nós e os outros e o que nos rodeia. É claro que a conversa se encaminhou logo, se iniciou, por e com isto. Não foi logo o assunto que me levou ao banco. Não. Foi o que senti e senti que ainda podia partilhar com a alma por trás daquele rosto que eu conhecia e me conhecia. Olhos nos olhos. Parecia uma forma de me reencontrar, de reforçar a ténue linha que me ligava e que era imprescindível manter. Do outro lado, a pessoa por trás do rosto sentia o mesmo que eu. Também àquela pessoa tinham chegado sentimentos de vazio, de perda de identidade e de não pertença. E, tal como eu, tinha de viver com eles todos os dias. Ali e não só. Talvez por isso se tenha tornado tão importante o resgate das pequenas coisas que há em comum, nem que sejam as pequenas compreensões dos mundinhos de cada um.

O pior de tudo é que parece que há por aí muitos “bancos”. Há muitas coisas a fazerem-nos sentir que não pertencemos. Há muitas coisas com as quais deixámos de nos identificar. Vai-se atribuindo este fenómeno às mudanças, à modernidade, à influência e lugar conquistados pelas tecnologias, mas tem-se perfeita consciência (pelo menos algumas pessoas, talvez muitas) de que nada está melhor, nem se vislumbra que possa melhorar.

Por mim, sinto que me vou apagando em cada dia, mas de forma consciente, opcional. Continuo a fazer o que considero ser o meu dever e a minha obrigação, sem delegar o que me compete e tendo sempre em mente o melhor contributo possível. Mas deixo que o silêncio se instale. Muitas e reiteradas vezes é o eleito, o escolhido, porque, pura e simplesmente, é a forma que tenho de me manter viva por dentro e fiel a mim própria, e de não me violentar com estes vazios, estas perdas de identidade e de pertença que grassam por aí e levam tudo de enxurrada, sob uns holofotes e uma colunas potentíssimos que ofuscam e ensurdecem.

Aliás, o silêncio é uma arma poderosíssima. O pior é que com tanto ruído se perde até a capacidade de escutar. E está tudo tão cheio de vazios. Por mim, acho que tenho tentado combatê-los. Apago-me e silencio-me para não os alimentar. Para não fazer parte deles. Dizia Blimunda, a de Saramago, que “Há um tempo para construir e um tempo para destruir, umas mãos assentaram as telhas deste telhado, outras o deitarão abaixo, e todas as paredes, se for preciso”. Do mesmo modo eu aguardo, em silêncio, um novo tempo, um tempo de reconstrução...

E não há reconstrução sem identidade. Nem identidade sem pertença. E a pertença anula o vazio. Por isso, o tempo da reconstrução será sempre um bom combate.

 

 

 Outras notícias - Opinião


À mulher de César não basta ser séria… »  2019-08-09  »  António Gomes

Vem isto a propósito da aquisição de imóveis pela Câmara de Torres Novas, sitos em Riachos. Só o BE votou contra.

Os proprietários propuseram a aquisição e a Câmara comprou.
(ler mais...)


Bons Sons »  2019-08-09  »  Inês Vidal

Treze anos, dez edições, uma aldeia em manifesto. Arrancou ontem, dia 8, mais uma edição do festival Bons Sons, que anualmente traz a Cem Soldos, concelho de Tomar, milhares de pessoas e música, muita música portuguesa.
(ler mais...)


Carteiro »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”.
(ler mais...)


Livros para férias »  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia

COMO MORREM AS DEMOCRACIAS. Autores Steven Levitsky & Daniel Ziblatt, ambos professores em Harvard. Uma reflexão com incidência americana, mas apoiada no estudo das mortes da democracia nos anos trinta do século passado, na Europa, e nos anos 60 e 70, também do XX, na América Latina.
(ler mais...)


Balanço político da legislatura »  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia

Partido Socialista. Nunca, na história da democracia portuguesa, tinha havido um governo suportado por toda a esquerda parlamentar. António Costa e os socialistas foram os grandes beneficiários da inovação.
(ler mais...)


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-08-09  »  Ana Sentieiro Carteiro
»  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia Livros para férias
»  2019-08-09  »  Inês Vidal Bons Sons
»  2019-08-09  »  António Gomes À mulher de César não basta ser séria…