• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 11 de Dezembro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 15° / 9°
Céu nublado
Qui.
 15° / 9°
Períodos nublados com chuva fraca
Qua.
 15° / 9°
Céu muito nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 7°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Quando se sente que já não se pertence

Opinião  »  2018-04-04  »  Maria Augusta Torcato

"Fui ao banco e, como dizia, senti-me invadida por um sentimento de vazio, de quebra de identidade, de não pertença."

Fui ao banco. E uma ação tão singela e banal gerou um terramoto interior, porque o que ali se sentiu era o que se sentia há já algum tempo, mas pela natureza humana de existência e resistência se vai negando ou adiando ou fingindo que não existe – um sentimento de vazio, de quebra de identidade, de não pertença.

A verdade é que já há muito que, fisicamente, não ia ao banco. Desde que o banco vem até nós, em casa ou em qualquer outro espaço e a qualquer dia e hora, que eu deixei de contactar, olhos nos olhos, com os funcionários habituais, que quase eram família e que, às vezes, sabiam mais da nossa vida, quer dizer, das nossas contas, do que nós próprios. Davam-nos informações, ajudavam-nos a decidir, ligavam-nos quando era necessário mudar alguma coisa, atualizar alguns dados, fazer algum depositozinho, porque a conta já estava para baixo de zero.

Fui ao banco e, como dizia, senti-me invadida por um sentimento de vazio, de quebra de identidade, de não pertença. Quem era eu, afinal? O que estava ali a fazer? Quem eram aquelas pessoas? Apenas um rosto, apenas um, me era familiar. E foi a ele que me dirigi. Pois nós gostamos de nos sentir em casa. Ninguém consegue viver sem sentir que pertence, sem sentir que se identifica, sem sentir que há um complemento, um todo, nas relações que se estabelecem entre nós e os outros e o que nos rodeia. É claro que a conversa se encaminhou logo, se iniciou, por e com isto. Não foi logo o assunto que me levou ao banco. Não. Foi o que senti e senti que ainda podia partilhar com a alma por trás daquele rosto que eu conhecia e me conhecia. Olhos nos olhos. Parecia uma forma de me reencontrar, de reforçar a ténue linha que me ligava e que era imprescindível manter. Do outro lado, a pessoa por trás do rosto sentia o mesmo que eu. Também àquela pessoa tinham chegado sentimentos de vazio, de perda de identidade e de não pertença. E, tal como eu, tinha de viver com eles todos os dias. Ali e não só. Talvez por isso se tenha tornado tão importante o resgate das pequenas coisas que há em comum, nem que sejam as pequenas compreensões dos mundinhos de cada um.

O pior de tudo é que parece que há por aí muitos “bancos”. Há muitas coisas a fazerem-nos sentir que não pertencemos. Há muitas coisas com as quais deixámos de nos identificar. Vai-se atribuindo este fenómeno às mudanças, à modernidade, à influência e lugar conquistados pelas tecnologias, mas tem-se perfeita consciência (pelo menos algumas pessoas, talvez muitas) de que nada está melhor, nem se vislumbra que possa melhorar.

Por mim, sinto que me vou apagando em cada dia, mas de forma consciente, opcional. Continuo a fazer o que considero ser o meu dever e a minha obrigação, sem delegar o que me compete e tendo sempre em mente o melhor contributo possível. Mas deixo que o silêncio se instale. Muitas e reiteradas vezes é o eleito, o escolhido, porque, pura e simplesmente, é a forma que tenho de me manter viva por dentro e fiel a mim própria, e de não me violentar com estes vazios, estas perdas de identidade e de pertença que grassam por aí e levam tudo de enxurrada, sob uns holofotes e uma colunas potentíssimos que ofuscam e ensurdecem.

Aliás, o silêncio é uma arma poderosíssima. O pior é que com tanto ruído se perde até a capacidade de escutar. E está tudo tão cheio de vazios. Por mim, acho que tenho tentado combatê-los. Apago-me e silencio-me para não os alimentar. Para não fazer parte deles. Dizia Blimunda, a de Saramago, que “Há um tempo para construir e um tempo para destruir, umas mãos assentaram as telhas deste telhado, outras o deitarão abaixo, e todas as paredes, se for preciso”. Do mesmo modo eu aguardo, em silêncio, um novo tempo, um tempo de reconstrução...

E não há reconstrução sem identidade. Nem identidade sem pertença. E a pertença anula o vazio. Por isso, o tempo da reconstrução será sempre um bom combate.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O drama dos partidos de poder »  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A crise em que se arrasta o principal partido da oposição, o PSD, é sintomática da natureza dos partidos de poder em Portugal. São fortes e sólidos quando estão no poder; são frágeis e à beira da desagregação quando a governação lhes foge.
(ler mais...)


Mulheres »  2018-12-07  »  Inês Vidal

São mulheres. São presidentes, directoras, empresárias, polícias, bombeiras, autarcas, entre tantas outras profissões ou actividades. Acima de tudo, são mulheres. Ocupam cargos que um dia foram tradicionalmente de homens, ou foram as primeiras a fazê-lo por estas bandas.
(ler mais...)


Direito à indignação »  2018-12-07  »  Fernando Faria Pereira

O conceito deve-se, tanto quanto me lembro a Mário Soares, figura incontornável da democracia, que protagonizou a Presidência Aberta pelo Ambiente em resposta ao artigo 66º da constituição (ambiente e qualidade de vida) que estipula no seu nº 1: todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender.
(ler mais...)


Amasso Friday »  2018-12-07  »  Miguel Sentieiro

Vi as imagens daquela massa humana compactada à porta da loja de aspiradores na tal Black Friday. Numa primeira análise temo confessar que também embarquei na tese “ o que passa na cabeça destes mentecaptos para, numa 6ª feira de manhã, se sujeitarem a uma espera de horas neste degredo massivo?”.
(ler mais...)


As estradas do concelho de Torres Novas »  2018-12-07  »  António Gomes

Uma parte muito significativa das estradas, ruas, ruelas, largos, rotundas, somando mais de cem, que fazem parte da rede viária deste concelho, encontram-se em estado de deterioração mais ou menos avançado. Algumas situações estão mesmo num estado miserável, como sabemos.
(ler mais...)


Como funciona a nossa memória »  2018-12-07  »  Juvenal Silva

 

A memória é essencial para a nossa capacidade de gravar, armazenar e recuperar informações. A nossa memória é uma máquina fantástica, que contém as nossas perceções, os nossos sentimentos, as nossas memórias, imaginação e permite-nos pensar e, ser quem somos.
(ler mais...)


Filhos e netos »  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia

Para o meu neto Manuel.

Há uma diferença essencial, para um pai e avô, entre o nascimento de um filho e o de um neto. O nascimento do filho traz com ele, para além do prazer que a sua vinda significa, problemas práticos.
(ler mais...)


Palavra passe »  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira

Estaciono à primeira. Entro no café. Portas automáticas. 3 rapazes: o do lado de lá e outros 2. Boa noite! Bnoite. 1 Água com gás natural sem copo. A televisão está no CM: desgraças, previsíveis ameaças.
(ler mais...)


Biblioteca com vida »  2018-11-21  »  Anabela Santos

Há muitos anos, não quero lembrar quantos para não recordar que já estou na “meia idade”, subia, com alguma regularidade, a ladeira de Salvador e dirigia-me à biblioteca municipal, que ficava junto da igreja.
(ler mais...)


Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados »  2018-11-21  »  Juvenal Silva

Os resfriados podem ocorrer em qualquer época do ano. Todavia, são mais comuns entre as estações de outono e inverno.

Os sintomas mais comuns são: coriza, espirros, congestão nasal, tosse, dor garganta, cansaço, perda de apetite, febre baixa, embora nas crianças possa ser mais elevada ocasionalmente.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia Filhos e netos
»  2018-11-21  »  Juvenal Silva Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados
»  2018-11-21  »  Anabela Santos Biblioteca com vida
»  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira Palavra passe
»  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia O drama dos partidos de poder