• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 25 de Abril de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Sex.
 17° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 26° / 11°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  24° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Quando se sente que já não se pertence

Opinião  »  2018-04-04  »  Maria Augusta Torcato

"Fui ao banco e, como dizia, senti-me invadida por um sentimento de vazio, de quebra de identidade, de não pertença."

Fui ao banco. E uma ação tão singela e banal gerou um terramoto interior, porque o que ali se sentiu era o que se sentia há já algum tempo, mas pela natureza humana de existência e resistência se vai negando ou adiando ou fingindo que não existe – um sentimento de vazio, de quebra de identidade, de não pertença.

A verdade é que já há muito que, fisicamente, não ia ao banco. Desde que o banco vem até nós, em casa ou em qualquer outro espaço e a qualquer dia e hora, que eu deixei de contactar, olhos nos olhos, com os funcionários habituais, que quase eram família e que, às vezes, sabiam mais da nossa vida, quer dizer, das nossas contas, do que nós próprios. Davam-nos informações, ajudavam-nos a decidir, ligavam-nos quando era necessário mudar alguma coisa, atualizar alguns dados, fazer algum depositozinho, porque a conta já estava para baixo de zero.

Fui ao banco e, como dizia, senti-me invadida por um sentimento de vazio, de quebra de identidade, de não pertença. Quem era eu, afinal? O que estava ali a fazer? Quem eram aquelas pessoas? Apenas um rosto, apenas um, me era familiar. E foi a ele que me dirigi. Pois nós gostamos de nos sentir em casa. Ninguém consegue viver sem sentir que pertence, sem sentir que se identifica, sem sentir que há um complemento, um todo, nas relações que se estabelecem entre nós e os outros e o que nos rodeia. É claro que a conversa se encaminhou logo, se iniciou, por e com isto. Não foi logo o assunto que me levou ao banco. Não. Foi o que senti e senti que ainda podia partilhar com a alma por trás daquele rosto que eu conhecia e me conhecia. Olhos nos olhos. Parecia uma forma de me reencontrar, de reforçar a ténue linha que me ligava e que era imprescindível manter. Do outro lado, a pessoa por trás do rosto sentia o mesmo que eu. Também àquela pessoa tinham chegado sentimentos de vazio, de perda de identidade e de não pertença. E, tal como eu, tinha de viver com eles todos os dias. Ali e não só. Talvez por isso se tenha tornado tão importante o resgate das pequenas coisas que há em comum, nem que sejam as pequenas compreensões dos mundinhos de cada um.

O pior de tudo é que parece que há por aí muitos “bancos”. Há muitas coisas a fazerem-nos sentir que não pertencemos. Há muitas coisas com as quais deixámos de nos identificar. Vai-se atribuindo este fenómeno às mudanças, à modernidade, à influência e lugar conquistados pelas tecnologias, mas tem-se perfeita consciência (pelo menos algumas pessoas, talvez muitas) de que nada está melhor, nem se vislumbra que possa melhorar.

Por mim, sinto que me vou apagando em cada dia, mas de forma consciente, opcional. Continuo a fazer o que considero ser o meu dever e a minha obrigação, sem delegar o que me compete e tendo sempre em mente o melhor contributo possível. Mas deixo que o silêncio se instale. Muitas e reiteradas vezes é o eleito, o escolhido, porque, pura e simplesmente, é a forma que tenho de me manter viva por dentro e fiel a mim própria, e de não me violentar com estes vazios, estas perdas de identidade e de pertença que grassam por aí e levam tudo de enxurrada, sob uns holofotes e uma colunas potentíssimos que ofuscam e ensurdecem.

Aliás, o silêncio é uma arma poderosíssima. O pior é que com tanto ruído se perde até a capacidade de escutar. E está tudo tão cheio de vazios. Por mim, acho que tenho tentado combatê-los. Apago-me e silencio-me para não os alimentar. Para não fazer parte deles. Dizia Blimunda, a de Saramago, que “Há um tempo para construir e um tempo para destruir, umas mãos assentaram as telhas deste telhado, outras o deitarão abaixo, e todas as paredes, se for preciso”. Do mesmo modo eu aguardo, em silêncio, um novo tempo, um tempo de reconstrução...

E não há reconstrução sem identidade. Nem identidade sem pertença. E a pertença anula o vazio. Por isso, o tempo da reconstrução será sempre um bom combate.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O desafio »  2018-04-20  »  Jorge Carreira Maia

Tenho estado a ler The Benedict Option: A Strategy for Christians in a post-Christian Nation, um livro do conservador Rod Dreher. O autor, um cristão ortodoxo americano, defende que os Estados Unidos são já uma sociedade pós-cristã.
(ler mais...)


ATIVIDADE FÍSICA É UM MEIO DE PREVENÇÃO REGULADOR DA VIDA »  2018-04-20  »  Juvenal Silva

Cada vez se verifica mais que grande parte das pessoas se poderia tratar e curar, exercitando-se todos os dias ao ar puro. Podemos citar, entre outros tipos de doenças a obesidade, diabetes, colesterol, depressão, sistema cardiovascular, respiratório, etc.
(ler mais...)


Caros Riachenses (I) »  2018-04-20  »  António Gomes

O processo de decisão sobre a rede viária de acesso às zonas industriais de Riachos e Entroncamento chegou ao fim. A decisão tomada pelo governo (Infraestruturas de Portugal IP), câmaras municipais do Entroncamento e Torres Novas e com o apoio da junta de freguesia de Riachos (com os votos contra do BE) é a proposta que liga a A23, Torreshoping, à rotunda dos boieiros e esta à zona do terminal de contentores junto à linha férrea.
(ler mais...)


O Janota nunca entrou na Abidis »  2018-04-20  »  Carlos Tomé

Quando saiu de casa, o Janota ia com a intenção de finalmente ter coragem de beber um chá e comer um duchese na Abidis, a pastelaria mais fina do burgo. Especialista em navalhas de ponta e mola, limpa-unhas, bilhetes falsos, ilusões cheias e carteiras vazias, as suas relações sociais e profissionais subiam até às subcaves de Alcântara e aos vendedores de vigésimos premiados.
(ler mais...)


Angústia no Supermercado »  2018-04-20  »  José Ricardo Costa

Resolvi fazer há dias um risoto. Precisava por isso de queijo parmesão ralado. Tudo na vida há-de ter um sentido e se na ordem universal das coisas coube ao parmesão a grata missão de dar alma ao risoto, a ordem lá terá as suas razões.
(ler mais...)


A história da gente »  2018-04-20  »  Anabela Santos

Sem saber muito sobre o assunto, tenho a certeza de que para entendermos melhor o mundo e a nós próprios, é muito importante conhecermos a história da gente e a gente da história.

É o passado que temos em comum que nos serve como referência e nos ajuda a compreender o presente e a preparar o futuro.
(ler mais...)


PERDER EM CASA »  2018-04-20  »  Eduarda Gameiro

Sou uma vítima do fanatismo pelo futebol e como tal, não preciso de estar a ver um jogo para saber se o Benfica perdeu ou ganhou, porque assim que uma bola atinge a baliza, os meus ouvidos fazem questão de me avisar que há ruído na sala e, das duas, uma: ou algo está correr muito bem, ou algo está a correr muito mal.
(ler mais...)


Escola...escola, quem és tu? »  2018-04-20  »  Maria da Luz Lopes

Quase a terminar mais um ano letivo, muitos e grandes desafios se colocam à Escola Pública no próximo ano. Flexibilização Curricular ou a Educação Inclusiva são apenas alguns. Abraçá-los, exige um compromisso e um envolvimento de todos há muito reclamado.
(ler mais...)


A anemia democrática »  2018-04-05  »  Jorge Carreira Maia

Se olharmos para as três principais ideologias políticas que estruturaram as democracias representativas, conservadorismo, liberalismo e socialismo (cada uma delas com diversas nuances), descobrimos que resultaram da implosão da visão cristã do mundo.
(ler mais...)


Um sobreiro em Águas de Moura, ondas na Nazaré e eucaliptos em Riachos »  2018-04-04  »  Carlos Tomé

Sempre me arrependi de não ter aceitado o convite, faz agora 40 anos, do Victor Silvino para irmos à Nazaré na sua Vespa ver uma onda enorme que estava a chamar curiosos. Mas na altura a imagem que me apareceu de imediato à frente dos olhos, não foi a do mar em polvorosa, foi a do pendura da motorizada a esbardalhar-se todo pela serra abaixo quando o mais célebre chofer da biblioteca itinerante da Gulbenkian fizesse as curvas de Porto de Mós mais direito do que um fuso, e isso deu razão à nega.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-04-20  »  Eduarda Gameiro PERDER EM CASA
»  2018-04-20  »  Jorge Carreira Maia O desafio
»  2018-04-20  »  José Ricardo Costa Angústia no Supermercado