• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 26 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 17° / 10°
Céu nublado
Qua.
 19° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Que a “televida” não venha para ficar, que regresse a vida “sem filtros” - ana lúcia cláudio

Opinião  »  2020-06-07  »  Ana Lúcia Cláudio

"O teletrabalho tem vantagens e o seu uso esporádico pode permitir ao trabalhador uma maior conciliação entre a vida pessoal e a laboral."

Quem me conhece, sabe que não sou a pessoa mais talhada para as novas tecnologias. Num misto de aptidão e gosto, ou mais propriamente dos seus antónimos. Estas linhas redijo-as primeiro com o recurso a uma caneta sobre uma folha de papel, naquela que para mim sempre foi, e será, a melhor forma de transmitir o que me vai no pensamento.
Aos colegas de trabalho agradeço a paciência para me ajudarem, sempre que se impõe a utilização de um programa informático mais avançado. Eu sei que tremem cada vez que acedo a um documento partilhado. Também sei que agradecem que os compense com outros “talentos” mais literários. Por tudo isto, e pelo que a seguir referirei, tenho muita dificuldade em apoiar os elogios a esta televida, em modo permanente ou por tempo indeterminado.
O teletrabalho tem vantagens e o seu uso esporádico pode permitir ao trabalhador uma maior conciliação entre a vida pessoal e a laboral. Mas, os contras deste modelo, que em regra transfere os custos para o trabalhador, e assume uma disponibilidade mais permanente de quem nunca sai (literalmente) do trabalho, não compensam os benefícios do mesmo. Fica prejudicada a socialização, o mudar de ares, as conversas cara a cara. Dizem os entendidos que trabalhar como respectivo cônjuge, e por isso com ele (con)viver 24horas sobre 24 horas, não é saudável para a relação. Por identidade de razões, trabalho e vida pessoal num mesmo espaço não será a longo prazo o mais adequado para a manutenção da sanidade mental do ser humano, que não foi feito para viver isolado mas numa relação diária de, e para, os outros.
E muitos destes argumentos são válidos para as crianças no que respeita à telescola e ao ensino à distância, um terror para as famílias que não conseguem acumular com as restantes funções que já assumem, a de professor dos respectivos filhos, e que vêem, assim, com apreensão, a possibilidade de a situação se prolongar no próximo ano lectivo. Esta ausência de contacto entre pares e com professores está a deixar marcas nas crianças. Conheço casos de meninos que deixaram de dormir serenamente e outros que começaram a roer as unhas como consequência da ansiedade provocada pela situação. Repare-se, por isso, na alegria das crianças e adolescentes do início e do fim do percurso escolar, os únicos contemplados com o regresso à escola, que puderam finalmente rever amigos e professores e habitar outros espaços para além das quatro paredes do seu lar.
As compras online já eram uma realidade e neste período ter-se-ão sobredimensionado. Mas, basta ver as filas nas lojas, na rua ou nos centros comerciais, nesta terceira fase de desconfinamento, para perceber como é diferente ver com os próprios olhos o que adquirimos sem o risco de enfrentar um decepção na hora de abrir a encomenda.
Já para não falar nos jogos de futebol à porta fechada no regresso do campeonato, medida bastante discutível quando comparada com outras realidades, aliás. Apoiar a equipa através de um écran, com os futebolistas a enfrentar estádios vazios e em silêncio, retira a essência a este “desporto”. Por algum motivo estas situações são, habitualmente, uma punição para um clube que “se porta mal”.
Consultas, palestras, formações, exercício físico, tudo on-line. E de forma esporádica e em determinadas circunstâncias, até tem a sua graça. Mas, mais uma vez, a frieza de ver o outro através de um écran ou de o ouvir com o recurso a um telefone não nos dá a mesma percepção que uma presença a três dimensões. Só ela permite vivenciar a realidade como ela é.
Início de Junho, três meses depois os cuidados mantêm-se, alguns receios do regresso aos tempos mais sombrios também, mas maior que isto tudo é a esperança de que esta liberdade não seja condicional, que voltem os sorrisos, os abraços, as conversas olhos nos olhos e principalmente uma vida sem filtros. Que aos poucos se cumpra a promessa que coloriu a quarentena: vai ficar tudo bem!

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia