• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 27 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 11°
Céu muito nublado com chuva fraca
Qua.
 16° / 12°
Céu muito nublado
Ter.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Há um elefante na sala: o ensino superior da região!

Opinião  »  2019-12-05  »  Jorge Salgado Simões

"É disso que precisamos: uma instituição que possa representar uma marca de iniciativa, inovação e investigação"

Podemos não falar do assunto. Podemos todos ir pensando nisto sem dizer o que quer que seja, ou fazer do tema não mais do que uma conversa de café, para não melindrar ninguém.

Temos um problema na região com o ensino superior público: dois Institutos Politécnicos, Tomar e Santarém (IPT e IPS), demasiado pequenos e demasiado sozinhos, desligados entre si, pouco atrativos, pouco diferenciadores e com uma sustentabilidade mais do que duvidosa. Continuar a ignorar isto é uma solução, mas para além de não nos ajudar em nada só fará com que, um dia, qualquer resolução a tomar seja sempre mais difícil.

As notícias da semana passada sobre falta de dinheiro nos dois politécnicos para pagar ordenados e subsídios de Natal, são afinal um modus operandi do Ministério da Ciência, já usado noutras situações e um pouco por todo o país.

Uma comissão dedicada às contas das instituições de ensino superior lança a bomba, a tutela avança com o dinheiro em falta e faz-se mais uma notícia a dizer que está tudo resolvido, passando-se ao mesmo tempo as mensagens e avisos sobre a situação. Mas isto interessa porque é ali referido que, no caso, as instituições estão em situação de “crise institucional grave”, e requerem “uma ação específica” e a “adopção de medidas urgentes”.

Os dados são claros. Os dois politécnicos são a opção para cerca de 18% de todos os alunos no ensino superior residentes no distrito. De toda a sua população escolar, 5.482 alunos em todas as modalidades de cursos, são 2.123 os alunos do distrito a frequentar as diferentes escolas existentes, com duas situações bem díspares: o IPT com 60% do total de alunos da região e o IPS com menos de 30% para o mesmo indicador, diferença explicada em grande parte pela oferta formativa (dados DGEEC, 2018/2019).

Uma outra realidade que interessa analisar prende-se com as entradas já este ano. Para o conjunto das 35 licenciaturas, foram abertas 1.375 vagas e no final das diferentes fases de colocação ficaram preenchidas apenas 886 lugares, menos de 65%, no conjunto dos dois politécnicos!

Se estes dados, associados ao decréscimo do número de crianças e jovens que se prevê acentuar-se na região nas próximas décadas, não faz soar ainda quaisquer campainhas, atente-se ao restante diagnóstico da comissão já referida, para as duas instituições: maior dependência do financiamento geral do Estado, fraca capacidade de captação de receitas próprias, e um peso de 85% de despesas com pessoal no quadro geral de despesas, dos maiores entre todas as instituições de ensino superior portuguesas (relatório de 2017).

Nada disto coloca em causa tudo o que de bom é feito no IPT e no IPS e que acrescenta valor à região, ou todos os esforços diários dos seus dirigentes, docentes e restantes funcionários em prol do ensino, da investigação e dos projetos em que estão envolvidos. O problema é que a manter-se este contexto, nunca serão suficientes para inverter a tendência de definhamento e perda de relevância que se regista.

Não será esta a altura certa para que qualquer reestruturação a adotar passe pela associação, colaboração, consórcio, fusão (ou o que lhe quiserem chamar) entre os dois politécnicos, de forma a podermos ter, na região, uma instituição de ensino superior público mais forte?

É que é disso que precisamos: uma instituição que possa representar uma marca de iniciativa, inovação e investigação; que seja uma referência para alunos, entidades e empresas, daqui mas também do resto do país e com projetos e parcerias noutras escalas; e que consiga especializar-se, tornar-se atrativa, fator de qualificação, competitividade, e até de identidade deste nosso território!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Rui Rio faz o seu caminho »  2020-01-24  »  Jorge Carreira Maia

Rui Rio tornou a vencer as eleições internas do PSD. Isso terá contrariado muita gente à direita, gente despeitada e ansiosa de que se retorne à política de punição das classes populares imposta por Passos Coelho.
(ler mais...)


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?
»  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia O discurso do rancor