• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 18 Agosto 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 37° / 19°
Céu limpo
Ter.
 33° / 14°
Céu limpo
Seg.
 26° / 14°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  29° / 16°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Carteiro

Opinião  »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

"Não tenho semelhanças físicas, mas sim gasosas com os meus familiares"

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”. As opiniões contradizem as semelhanças físicas que me unem aos meus pais. “Ai, tem os olhos do pai!” “Engraçado... No sorriso sai à mãe!” “Eu por acaso até acho que dá um ar da avó...” Calma, calma! O que é “um ar”?

É com esta expressão que reclamo as minhas independentes feições! Não tenho semelhanças físicas, mas sim gasosas com os meus familiares. Bebemos água da mesma garrafa e partilhamos o sofá, mas, visto de fora, a única parecença é o facto de respirarmos. Já coloquei a hipótese de ser adotada. Isso explicaria a minha inexplicável descoordenação para a cozinha, total desinteresse por documentários da RTP2 e vergonhosa incapacidade de dobrar a falangeta dos dedos da mão.

Penso que o aspeto mais intrigante nesta situação, para além de sentir que não pertenço a uma linhagem biologicamente una, de não passar de um feijão numa panela de favas, é o facto de possuir características bizarras, não visíveis a olho nu, explicadas pela genética. Ponto da situação: não existe uma correlação física, uma associação direta entre mim e os meus pais. No entanto, os genes que sobreviveram ao processo de seleção foram os desequilibrados, os manetas, os vesgos, os espanhóis. Não herdei os pés de princesa da minha mãe. Em vez disso, herdei os pés de um homem neozelandês, com um metro e noventa e sete de altura, que pertence a uma tribo nativa e abre amendoins com o mindinho. Não herdei os olhos verdes do meu avô.

Apostaram no segundo filho. “Epá não, não jogues a manilha já, que é cedo! Joga antes o seis de paus, que é palha, mas da altita, só para não dar uma de miserável...”. Não herdei o cabelo Whitney Houston da minha mãe. I have nothing, mas uma salganhada de pontas espigadas que se encontram em pé de guerra, num conflito político armado: “hoje sou liso mas o aglomerado de pelos atrás da orelha reivindicaram o direito de serem encaracolados.

Os protestantes albinos deslocam-se a ritmo acelerado e descaem a fronteira para a testa. O presidente já ameaçou lançar o spray hidratante de abacate nas pontas e garante que recorrerá à escova para cessar o conflito. Devolvo a emissão ao estúdio. João Paulo.” Não herdei o gémeo esculpido por Miguel Ângelo na perna do meu pai, o rebuscado humor ou a desconcertante paixão pela adrenalina dos desportos radicais. Fiquei com a unha do dedo grande com tendência para encravar, alergia aos pólenes e senilidade precoce (“Calma, onde é que deixei o cartão multibanco? A carteira? Epá, devo tê-la deixado no carro... Espera lá, alguém viu a chave do carro?”).

Eu sou aquele membro que em jantares de família tem de andar sempre acompanhada com alguém que prove a minha filiação, senão os tios em terceiro grau vão achar que me infiltrei só para petiscar os croquetes e comer o semifrio de frutos vermelhos. “Então e tu, és filha de quem?” “Do carteiro, só pode...”

 

 

 Outras notícias - Opinião


À mulher de César não basta ser séria… »  2019-08-09  »  António Gomes

Vem isto a propósito da aquisição de imóveis pela Câmara de Torres Novas, sitos em Riachos. Só o BE votou contra.

Os proprietários propuseram a aquisição e a Câmara comprou.
(ler mais...)


Bons Sons »  2019-08-09  »  Inês Vidal

Treze anos, dez edições, uma aldeia em manifesto. Arrancou ontem, dia 8, mais uma edição do festival Bons Sons, que anualmente traz a Cem Soldos, concelho de Tomar, milhares de pessoas e música, muita música portuguesa.
(ler mais...)


Livros para férias »  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia

COMO MORREM AS DEMOCRACIAS. Autores Steven Levitsky & Daniel Ziblatt, ambos professores em Harvard. Uma reflexão com incidência americana, mas apoiada no estudo das mortes da democracia nos anos trinta do século passado, na Europa, e nos anos 60 e 70, também do XX, na América Latina.
(ler mais...)


Balanço político da legislatura »  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia

Partido Socialista. Nunca, na história da democracia portuguesa, tinha havido um governo suportado por toda a esquerda parlamentar. António Costa e os socialistas foram os grandes beneficiários da inovação.
(ler mais...)


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia Balanço político da legislatura
»  2019-08-09  »  Ana Sentieiro Carteiro
»  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia Livros para férias
»  2019-08-09  »  Inês Vidal Bons Sons
»  2019-08-09  »  António Gomes À mulher de César não basta ser séria…