• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 17 Outubro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 19° / 10°
Céu limpo
Sáb.
 20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 23° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 16°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Carteiro

Opinião  »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

"Não tenho semelhanças físicas, mas sim gasosas com os meus familiares"

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”. As opiniões contradizem as semelhanças físicas que me unem aos meus pais. “Ai, tem os olhos do pai!” “Engraçado... No sorriso sai à mãe!” “Eu por acaso até acho que dá um ar da avó...” Calma, calma! O que é “um ar”?

É com esta expressão que reclamo as minhas independentes feições! Não tenho semelhanças físicas, mas sim gasosas com os meus familiares. Bebemos água da mesma garrafa e partilhamos o sofá, mas, visto de fora, a única parecença é o facto de respirarmos. Já coloquei a hipótese de ser adotada. Isso explicaria a minha inexplicável descoordenação para a cozinha, total desinteresse por documentários da RTP2 e vergonhosa incapacidade de dobrar a falangeta dos dedos da mão.

Penso que o aspeto mais intrigante nesta situação, para além de sentir que não pertenço a uma linhagem biologicamente una, de não passar de um feijão numa panela de favas, é o facto de possuir características bizarras, não visíveis a olho nu, explicadas pela genética. Ponto da situação: não existe uma correlação física, uma associação direta entre mim e os meus pais. No entanto, os genes que sobreviveram ao processo de seleção foram os desequilibrados, os manetas, os vesgos, os espanhóis. Não herdei os pés de princesa da minha mãe. Em vez disso, herdei os pés de um homem neozelandês, com um metro e noventa e sete de altura, que pertence a uma tribo nativa e abre amendoins com o mindinho. Não herdei os olhos verdes do meu avô.

Apostaram no segundo filho. “Epá não, não jogues a manilha já, que é cedo! Joga antes o seis de paus, que é palha, mas da altita, só para não dar uma de miserável...”. Não herdei o cabelo Whitney Houston da minha mãe. I have nothing, mas uma salganhada de pontas espigadas que se encontram em pé de guerra, num conflito político armado: “hoje sou liso mas o aglomerado de pelos atrás da orelha reivindicaram o direito de serem encaracolados.

Os protestantes albinos deslocam-se a ritmo acelerado e descaem a fronteira para a testa. O presidente já ameaçou lançar o spray hidratante de abacate nas pontas e garante que recorrerá à escova para cessar o conflito. Devolvo a emissão ao estúdio. João Paulo.” Não herdei o gémeo esculpido por Miguel Ângelo na perna do meu pai, o rebuscado humor ou a desconcertante paixão pela adrenalina dos desportos radicais. Fiquei com a unha do dedo grande com tendência para encravar, alergia aos pólenes e senilidade precoce (“Calma, onde é que deixei o cartão multibanco? A carteira? Epá, devo tê-la deixado no carro... Espera lá, alguém viu a chave do carro?”).

Eu sou aquele membro que em jantares de família tem de andar sempre acompanhada com alguém que prove a minha filiação, senão os tios em terceiro grau vão achar que me infiltrei só para petiscar os croquetes e comer o semifrio de frutos vermelhos. “Então e tu, és filha de quem?” “Do carteiro, só pode...”

 

 

 Outras notícias - Opinião


Rio petisco »  2019-10-11  »  Hélder Dias

Casal da Treta? »  2019-10-11  »  Hélder Dias

Das eleições, leituras »  2019-10-10  »  Jorge Carreira Maia

1. APESAR DO PRÓPRIO PARTIDO. O PS teve um bom resultado, mas não excelente. Não conseguiu penetrar significativamente na esquerda e alienou, em campanha, uma parte do centro para o PSD.
(ler mais...)


Venham mais vinte cinco, por Inês Vidal »  2019-10-02  »  Inês Vidal

Não deixa de ser curioso o facto de festejarmos 25 anos com a produção de uma revista. Numa altura em que já ninguém lê - muito menos jornais, mesmo os regionais e, dentro destes, menos ainda os que não anunciam nascimentos, casamentos e funerais - produzir ainda mais uma revista tem algo de irónico.
(ler mais...)


Fazer acontecer »  2019-10-02  »  Anabela Santos

A importância de fazer acontecer é, cada vez mais, uma certeza para mim.
Não sei se tem a ver com a idade, a consciência ou a vivência, mas é raro o dia em que não tenha o tal pensamento … “é mesmo importante o que esta gente faz acontecer”

E, como é óbvio, não me refiro aos actos dos nossos governantes.
(ler mais...)


Por este lado é que vamos, por João Carlos Lopes »  2019-10-02  »  João Carlos Lopes

1. Políticas nacionais, aqui e ali mais impostas a nível local por opção dos próprios, devastaram as economias locais das pequenas cidades e vilas do país. O comércio local e grande parte dos serviços foram fustigados e depois engolidos pelos grandes grupos nacionais ou trans-nacionais, remetendo as cidades e vilas portuguesas a pouco mais que cenários onde nada se passa.
(ler mais...)


O prazer de ir a lado nenhum »  2019-09-28  »  Jorge Carreira Maia

O maior prazer daqueles que frequentam a literatura será o da deambulação, visitar lugares desconhecidos e confrontar-se com mundos inesperados, andar por aí sem ir a lado nenhum. Se quisermos uma prova sobre a existência de uma pluralidade de mundos, basta uma palavra: literatura.
(ler mais...)


Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno »  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia

O DESCALABRO DA DIREITA. As sondagens têm vindo a indicar que a direita democrática está à beira de um resultado desastroso, por volta dos 25%, somando velhos e novos partidos.
(ler mais...)


O nome da terra, por João Carlos Lopes »  2019-09-06  »  João Carlos Lopes

É sintomático que, em tempo de eleições, nenhum dos partidos tenha dito uma palavra sobre essa vaca sagrada que é o futebol e sobretudo acerca do estado de guerra em que as claques dos “três grandes” transformam as terras por onde passam.
(ler mais...)


Turismo ou nem por isso »  2019-09-05  »  António Gomes

A época que atravessamos é propicia à reflexão sobre esta actividade económica, o turismo.
O turismo, como toda a gente sabe, atravessa em Portugal um período particularmente estonteante. São as grandes metrópoles as mais beneficiadas com tal actividade, é lá que se encontram as maiores fontes de atracção e é lá que as infraestruturas estão mais adaptadas e melhor respondem às solicitações.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-10-02  »  João Carlos Lopes Por este lado é que vamos, por João Carlos Lopes
»  2019-10-02  »  Inês Vidal Venham mais vinte cinco, por Inês Vidal
»  2019-09-28  »  Jorge Carreira Maia O prazer de ir a lado nenhum
»  2019-10-02  »  Anabela Santos Fazer acontecer
»  2019-10-11  »  Hélder Dias Casal da Treta?