• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 27 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 11°
Céu muito nublado com chuva fraca
Qua.
 16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 18° / 11°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Balanço político da legislatura

Opinião  »  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia

"As novidades da legislatura que agora termina. As vitórias, as derrotas e os equívocos no seio dos partidos parlamentares."

Partido Socialista. Nunca, na história da democracia portuguesa, tinha havido um governo suportado por toda a esquerda parlamentar. António Costa e os socialistas foram os grandes beneficiários da inovação. António Costa tinha a vida política por um fio. O Partido Socialista vivia com o espectro do PASOK no horizonte. A coligação parlamentar de esquerda salvou Costa, salvou os socialistas e evitou uma radicalização da sociedade portuguesa. O negócio foi de tal maneira rentável que, a três meses das eleições, o PS ainda aspira a uma maioria absoluta.

Bloco de Esquerda e Partido Comunista. O BE foi aquele que terá perdido mais com a ousadia de Costa fazer um governo apoiado nas esquerdas.  Se os socialistas suportassem, mesmo que por abstenção, um governo PSD/CDS, o BE iria buscar uma boa fatia dos eleitores socialistas. Seja como for, o BE continua com boas expectativas eleitorais e aquilo que perdeu em possibilidade de crescimento ganhou em notoriedade e respeitabilidade políticas. O PCP corria riscos reais com o apoio ao governo. Veja-se o resultado das autárquicas. No entanto, agora que as eleições se aproximam, é possível que mantenha a representação e o saldo da aventura seja positivo. Ganhou uma imagem de moderação e mostrou que é parte da solução e não um mero partido de protesto. Não é pouco.

A direita parlamentar. Uma legislatura cheia de equívocos. Uma primeira fase, ainda com Passos Coelho à frente do PSD, marcada pelo ressentimento e o anúncio da catástrofe a cada momento. Levou bastante tempo para que a direita percebesse como funciona uma democracia liberal. Levou ainda mais tempo para que compreendesse que a solução governativa das esquerdas não era substancialmente diferente da sua. As novas lideranças de Rui Rio e Assunção Cristas mostraram-se erráticas, nunca descobrindo o caminho para construir uma alternativa sólida às esquerdas. O CDS ainda foi tentado por um encosto ao radicalismo de direita, mas os resultados foram maus. As sondagens não auguram nada de bom para ambos os partidos.

PAN. Esta é a segunda novidade da legislatura, mais obscura que a coligação das esquerdas. O PAN surfa diversas ondas presentes nas sociedades pós-modernas: a contestação da diferença entre animais humanos e não humanos, as preocupações ecológicas e o cansaço com os partidos tradicionais. Com um posicionamento ideológico esquivo, o PAN pode tornar-se, dentro de certo limites, um partido catch-all, que tanto pode ir buscar eleitores à direita como à esquerda e até aos nem uma coisa nem outra. Ainda sem anticorpos e com a visibilidade alcançada, o PAN prepara-se para um grande resultado.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Rui Rio faz o seu caminho »  2020-01-24  »  Jorge Carreira Maia

Rui Rio tornou a vencer as eleições internas do PSD. Isso terá contrariado muita gente à direita, gente despeitada e ansiosa de que se retorne à política de punição das classes populares imposta por Passos Coelho.
(ler mais...)


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia O discurso do rancor
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?