• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 27 Fevereiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 19° / 8°
Períodos nublados
Seg.
 19° / 7°
Períodos nublados
Dom.
 20° / 8°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  21° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A crise dos transportes colectivos

Opinião  »  2009-09-10  »  Jorge Salgado Simões

As sociedades modernas assentaram o seu desenvolvimento, nestas últimas décadas, em varias ”alavancas”, isto é, sectores ou produtos que foram ou ainda são os ”motores” da economia e do desenvolvimento, gerando emprego e riqueza e arrastando consigo muitos outros (bens e serviços, pois a economia e as sociedades modernas funcionam numa perfeita ”teia”, maias ainda numa época de globalização).

Poderia citar vários, mas destaco o automóvel, um bem que se foi ”democratizando” e massificando (um pouco graças ao americano Henry Ford) e passou a ser acessível a uma cada vez mais larga camada da população ocidental, inimaginável há pouco mais de meio século atrás. Em torno do automóvel ”gira” um valor significativo da economia de um país, seja ele produtor directo ou não do ”produto” final (o veículo) ou apenas dos componentes do automóvel. Depois, a construção das ”vias para o automóvel” tiveram uma explosão (ainda não parou, pelo menos no nosso país), tão ”apostado” está o governo em ”inundar-nos” de auto estradas, mesmo que nalgumas zonas do país elas quase que se sobrepõem e seja até a população a manifestar-se contra a construção de mais uma, como aconteceu há tempos na povoação de Branca (Aveiro). Enfim, outros interesses poderão haver em torno desta política de ”obras públicas”, mas uma coisa é certa, parece um exagero, nuns pais em que os (bons) solos são escassos. Um dia destes, nem nabos poderemos cultivar, por falta de terras aráveis!

O automóvel é, assim, uma ”faca de dois gumes”, mas quem se habituou ao seu uso (por vezes até de ostentação) e aos seus benefícios, esquece os seus inconvenientes, pelo menos enquanto ele for ecologicamente sustentável e economicamente viável, por várias razões, sendo uma delas a poluição e a escassez de petróleo que se perfila no horizonte próximo. Perante este cenário futuro, estranha-se ainda mais que os nossos governantes continuem a ”apostar” no automóvel (construindo ainda mais vias – rápidas e ”lentas”), embora agora com uma forte aposta no ”automóvel eléctrico”, para combater a escassez de combustíveis fosseis e a poluição, na qual o automóvel, mas não só, tem um forte contributo. Esperemos que os resultados (nos carros eléctricos) sejam bons, porque sem automóvel (já) ”não sabemos viver”, tal é a ”independência” e a ”liberdade” (a nossa mobilidade só ”esbarra” nas filas de trânsito, porque aí nem o ”carrinho” nos salva) que ele nos permite, embora seja também o causador (o maior) de muitas mortes prematuras verificadas no nosso país, mas ele ”não mata sozinho” e, por isso, o comportamento do seu dono seja (muito) responsável por esse papel ”assassino” de um bem tão importante nas nossas vidas modernas.

Por causa e efeito, porque ”o automóvel é rei” (analisem-se os comportamentos das pessoas, quando no papel de condutores!), os investimentos nos transportes públicos não se têm sido insuficientes, pelo que para muita gente o uso individual do automóvel ainda é a melhor opção diária. Vive-se, assim, no dilema de ”causa e efeito”, isto é, má rede de transportes públicos (TP) leva as pessoas a usarem o carro e o uso massivo do automóvel acaba por fazer uma grande concorrência aos TP, dificultando a sua rentabilidade e, consequentemente, os investimentos (no transporte de mercadorias a situação é semelhante). Esta é uma das grandes lacunas das nossas infra-estruturas de transportes (colectivos, dado que nos individuais estamos muito bem), mas parece que a principal e única ”guerra” é o TGV (quem sou eu para o contestar, pelo menos na ligação a Espanha?) quando a final o país tem outras prioridades na melhoria e alargamentos das condições de ”mobilidade” dos cidadãos.

”Mais carros nas estradas e o comboio perde clientes” – in imprensa do dia 3 de Setembro. Direi que o ”comboio é o grande perdedor” em Portugal, porque longe vão os tempos em que era o principal meio de transporte, tal a cobertura de linhas e ramais que o país possuía, demorando, é facto, várias horas para se fazer um percurso que hoje se percorre, de automóvel, num terço de tempo. Hoje, as linhas-férreas são essencialmente litorais e suburbanas e pouco mais, pelo que o fecho de linhas foi uma morte anunciada, por ”causa e feito” (também do automóvel e dos autocarros) e que desertificou ainda mais o interior do país, tornando Portugal um país cada vez mais litoral. A ”radiografia” é grave e desequilibrada, pelo que é urgente que se faça algo que recoloque o papel vital dos transportes colectivos nas sociedades modernas, face ás condições ecológicas e energéticas que já vivemos, em que, por muito que afecte a nossa ”independência e liberdade de mobilidade”, o papel do automóvel terá que ser redimensionado. Mas este não é o problema único, porque a questão da (in) segurança nos transportes públicos de hoje, principalmente nos comboios e estações é muito grave e de acordo com os relatos de (por vezes) grande violência ou de medo que nos chegam, nomeadamente nas linhas suburbanas que servem as grandes cidades de Lisboa e Porto. É assustador e não já não basta um polícia por carruagem! Como é possível que se tenha chegado a este estado? Assim, só andará de comboio aquele que de todo não possa ou não tenha automóvel para se deslocar, mesmo no percurso de casa-emprego-casa, consequentemente, não admira que o comboio perca clientes, e embora sendo a violência, por vezes ”gratuita” ou de ”pequeno crime” um problema mais abrangente das sociedades ”modernas”, este tem que ser ”atacado”. O risco de usar os TPs deveria estar apenas relacionado com ele próprio e não acrescido com os riscos de ”perdas, danos e ofensas corporais”, por influência de ”estranhos”, por vezes inimputáveis. Como tenho saudade das ”longas” viagens (nocturnas ou diurnas) de Lisboa para o Porto, Viseu ou Bragança (hoje não existem estes dois percursos), etc., em que o maior risco era fazerem-se em pé ou deitado nos corredores das carruagens dos comboios!

Lusitano.ser@gmail.com

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nicolau III - rui anastácio »  2021-02-22  »  Rui Anastácio

Dizia-se do último czar da Rússia, Nicolau II, que a sua opinião era a opinião da última pessoa com quem tinha falado. Cem anos depois, Nicolau II reencarnou em alguma daquela rapaziada que tomou conta dos principais partidos da nossa democracia.
(ler mais...)


Na mouche - josé ricardo costa »  2021-02-22  »  José Ricardo Costa

Quando saí de Torres Novas para ir estudar em Lisboa já sabia que iria depois sair de Lisboa para vir trabalhar em Torres Novas. A primeira razão para voltar foi de natureza umbilical: eu ser de Torres Novas como outros são de Mangualde ou Famalicão.
(ler mais...)


A pandemia, o Estado e os portugueses - jorge carreira maia »  2021-02-22  »  Jorge Carreira Maia

Se se observar o comportamento dos portugueses perante a pandemia, talvez seja possível ter um vislumbre daquilo que somos e de como gostamos de ser governados. Obviamente que não nos comportamos todas da mesma forma e não gostamos todos de ser governados da mesma maneira.
(ler mais...)


Altruísmo heróico e outras fábulas - carlos paiva »  2021-02-22  »  Carlos Paiva

O herói nacional, melhor jogador de futebol do mundo de sempre, segundo dizem, foi protagonista numa daquelas histórias que são matéria-prima para solidificar lendas. Nessa história, sublinhando as origens humildes, o estratosférico conquista mais um laço com o Zé comum.
(ler mais...)


A oportunidade da sobra - antónio gomes »  2021-02-22  »  António Gomes

Apesar da limitação de vacinas nesta fase, o país tem vindo a ser confrontado com variados episódios de vacinação fora do que está priorizado. Há sempre alguém que se julga acima das normas ou que faz as suas próprias normas e ultrapassa assim os que estão na fila, ou então por via de terceiros chegam primeiro à seringa.
(ler mais...)


São sobras, Senhor! São sobras! - ana lúcia cláudio »  2021-02-22  »  Ana Lúcia Cláudio

Na falta de acções presenciais, multiplicaram-se, nos últimos meses, as iniciativas on-line sobre os mais diversos assuntos. Num destes eventos em que participei, sensibilizou-me, particularmente, o testemunho de um ex-ministro social-democrata que, quando questionado sobre um eventual regresso à vida política mais activa, reconheceu que não pretende fazê-lo porque, e nas suas palavras, os quatro anos em que foi ministro mudaram-no, levando amigos e familiares mais próximos a dizerem-lhe que, nessa altura, ele não era “o mesmo Nuno”.
(ler mais...)


PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal »  2021-02-20  »  Inês Vidal

 1. O PSD de Torres Novas é uma anedota. Ao mesmo tempo que digo isto, ouço já ao fundo vozes a erguerem-se contra esta forma crua e dura de arrancar com este texto. Imagino até as conclusões de quem tem facilidade de falar sem saber: é do Bloco, dizem uns, comunista desde sempre, atiram outros, indo ainda mais longe, lembrando que dirige aquele pasquim comunista, conforme aprenderam com o ex-presidente socialista.
(ler mais...)


Vacina »  2021-02-18  »  Hélder Dias

Développé - rui anastácio »  2021-02-07  »  Rui Anastácio

Passo de ballet, movimento em que a bailarina estica graciosamente a perna, tem diferentes níveis de dificuldade consoante a direcção da perna e a altura a que chega o pé, requer um grande equilíbrio e um elevado nível de concentração.
(ler mais...)


Não sabemos morrer - inês vidal »  2021-02-05  »  Inês Vidal

Ouço os sinais ao longe. Um pranto gritado bem alto, do alto dos sinos da igreja, por alguém que partiu. É já raro ouvir-se. Por norma, pelo menos na nossa cidade, ecoam apenas pelos que muito deram de si à causa religiosa.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-02-05  »  Carlos Paiva Hill Street Blues - carlos paiva
»  2021-02-20  »  Inês Vidal PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal
»  2021-02-05  »  Jorge Carreira Maia O estranho caso das vacinas - jorge carreira maia
»  2021-02-18  »  Hélder Dias Vacina
»  2021-02-22  »  José Ricardo Costa Na mouche - josé ricardo costa