• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 10 Julho 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 40° / 22°
Céu limpo
Dom.
 37° / 19°
Períodos nublados
Sáb.
 39° / 17°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  34° / 17°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O Homem Português, quem é, donde veio!

Opinião  »  2011-04-22  »  Ana Trincão

Estamos em 2011 e enquanto Nação quase milenária somos surpreendidos, mais uma vez, por uma situação de quase bancarrota que nos obriga a sermos governados pelos organismos internacionais. Na prática, deixamos de ser um povo soberano a mandar na nossa pátria, pelo que, vou tentar caracterizar o Homem Português, sendo que, o que sabemos das nossas genealogias são aquelas que os nossos intelectuais, académicos e escritores, nos têm transmitid os reis, rainhas, príncipes e cavaleiros e as guerras entre eles; os castelos, conventos e mosteiros. As pedras vivas (no dizer da António Sérgio), as pessoas, simples e humildes, essas pouco contam para a História.

O portugueses, que Ferreira de Castro, em 1929, na ”Selva”, designa de ”desbravadores e deserdados” e Alves Redol, em 1939, nos Gaibéus, lhes chama ”alugados, sobre as ordens do capataz”, homem de estatura mediana e de crânio oval.

Afinal, quem são e foram ”o ilustre peito Lusitano”, como o disse Luís de Camões, há 437 anos?

Quem são os ”lusitanos”, os ”magriços”, os ”tugas” e os nossos ”egrégios avós?”.

Ou resumimo-nos ao fado, da Amália, ao futebol, do Eusébio, e à Senhora da Fátima, das aparições ?

Ou os portugueses, enquanto integrados num colectivo nacional, nunca ultrapassaram a tradicional trilogia de clero, nobreza e povo, grupos sociais bem caracterizados, dos quais estavam excluídos o povão e os escravos, ou seja, a maioria dos que trabalhavam?

Hoje, sabemos que há centenas de milhares de anos se regista a presença humana nesta faixa ocidental, banhada pelo mar Atlântico, com 96 mil Km2 e que constitui, desde 1249, o território de Portugal, data em que empurrámos os sarracenos para o norte de África e depois, em 1415, iniciámos, em Ceuta, as aventuras marítimas por esses mares fora, fomos à Madeira, Açores, Cabo Verde, São Tomé, Angola, Moçambique, Brasil, Índia, Guiné, Timor, China e Macau. Fomos os maiores!

A todos estes – o homem simples e comum – os historiadores ignora-os. Para a história só constam os nomes sonantes – os dominantes instalados!

Que língua se falava no tempo do Condado Portucalense, quando o Papa concedeu a bula e fez nascer Portugal como nação independente?

Quando se fala nos Portugueses e em Portugal devemos ter em atenção a sua pequena densidade populacional. No primeiro censo, realizado em 1864, éramos, apenas, 4.188.419, reduzidas gentes para tamanha aventura onde nos metemos, sem resultados concretos para o desenvolvimento do país!

Fomos sempre colonizados por Espanha, França, Inglaterra e agora, pela Alemanha, França, Itália, as nações que mandam na União Europeia!

A nossa cultura foi sempre estrangeirada, embora, desde Fernão Lopes, passando pelo século XVI e seguintes, muita gente tivesse deixado obra feita.

Ajudámos a expulsar os muçulmanos da Ibéria; entregámos a governação aos Filipes de Espanha; abastecemo-nos com os ”restos” daquilo que sobrava das riquezas das colónias

O bom foi para Inglaterra, para sustentar a sua primeira revolução industrial. Em 1820 tentámos imitar as monarquias constitucionais; fomos mais uma vez enganados pela Regeneração, de 1852, quando surgiram os ”bigodaças” burgueses que ficaram conhecidos pelos ”vencidos da vida” e são eles que, com a República de 1910, lançam o país numa grande confusão, até à ditadura de Maio de 1926 que vigorou até 1974, com o consentimento e silêncio da esmagadora maioria da população, cuja solução foi a emigração!

Há muitos anos que me interrogo sobre as razões do nosso histórico atraso cultural! A nação mais antiga do Mundo não passa da cepa-torta. Qual a razão?

O que tem falhado para o Homem Português não passar de ser um servil dos outros povos?

É trágico e penoso ver o patrioteiro fatalismo nacional que, diz-nos, sempre foi assim!

Trágico e penoso constatar que continuamos a ser um povo com elevado número de analfabetos e de analfabetos funcionais!

Trágico e penoso ver que a educação e o ensino retroagiu para o patriotismo-empirista e que o estudo da filosofia, da história, da matemática e do português, foi substituído pelos telemóveis, computadores e Internet!

As crianças que hoje têm entre 3 e 10 anos de idade nunca ouviram falar da cartilha de João de Deus !!!

Ou conseguimos revolucionar as mentalidades nas nossas escolas, ou daqui por 100 anos estaremos muito mais atrasados em relação ao Mundo, porque foi isso que sempre quiseram os dominantes instalados!

Nem o 25 de Abril abriu novos horizontes ao Homem Português!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)


Cada um escolhe os seus amigos - antónio gomes »  2020-07-03  »  António Gomes

A proposta do Bloco para apoio ao comércio local foi rejeitada. O PS mostrou insensibilidade e ignorância com este sector da economia local. O PS não quer saber das dificuldades de quem teve de encerrar os negócios durante três meses e por isso não conseguiu realizar dinheiro, apesar de manter os compromissos regulares como as rendas, entre outros.
(ler mais...)


A justa distância - jorge carreira maia »  2020-07-03  »  Jorge Carreira Maia

Começamos a descobrir que eram exorbitantes as expectativas de que a pandemia fosse um pesadelo que passaria na manhã seguinte. Quando se confinou, a esperança era que tudo voltasse ao habitual passadas duas semanas, talvez quatro.
(ler mais...)


SEQUESTRADOS - josé mota pereira »  2020-07-03  »  José Mota Pereira

Parece inevitável que no próximo ano, ano e meio, possamos desconfinar mais do que estamos. A surgirem alterações, será sempre no sentido do aumento do confinamento e não o seu contrário. Sem prazo à vista para que nos libertemos disto.
(ler mais...)


É lidar »  2020-07-03  »  Margarida Trindade

Sou constantemente assaltada pela dúvida. Sofro deste desconforto constante. Bem sei que mais felizes são os que nunca têm dúvidas e os que raramente se enganam e que dizer isto pode parecer uma banalidade, mas é a mais pura das verdades.
(ler mais...)


Capitalismo e saúde mental - mariana varela »  2020-07-03  »  Mariana Varela

Num mundo onde os problemas mentais se alastram, em que domina a ansiedade diária, o stress, a depressão, em que a prescrição de medicação como os ansiolíticos e antidepressivos tem vindo a aumentar, urge detetar as raízes desta verdadeira crise de saúde mental, ao invés de nos restringirmos ao tratamento de sintomas.
(ler mais...)


São Pedro, o Ferreira, pesando as almas - joão carlos lopes »  2020-06-19  »  João Carlos Lopes

Na reunião camarária do passado dia 2 de Junho, a respeito de mais uma trapalhada relacionada com o apoio unilateral da maioria socialista ao jornal “O Almonda”, uma vereadora dizia que se sentia enganada e mais disse que o PS, que tinha votado a favor, também devia sentir-se enganado.
(ler mais...)


Carta aberta a bom entendedor - inês vidal »  2020-06-18  »  Inês Vidal

Tenho mau feitio, quem me conhece sabe. Uma característica que nasceu comigo, mas que nitidamente vai piorando à medida que os anos passam, a vida corre, as experiências se sucedem...

Não deixa de ter graça que simultaneamente, mas num sentido inversamente proporcional, cresça a minha tolerância para com uma série de outras coisas que outrora me custava entender.
(ler mais...)


Radicais e moderados - jorge carreira maia »  2020-06-18  »  Jorge Carreira Maia

Na segunda-feira passada, o Presidente da República fez uma intervenção na televisão sobre a vandalização da estátua do Padre António Vieira. Chamou a atenção para que nenhum dos verdadeiros problemas da pobreza, da discriminação e do racismo se resolve com estas acções.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-06-18  »  Inês Vidal Carta aberta a bom entendedor - inês vidal
»  2020-06-19  »  João Carlos Lopes São Pedro, o Ferreira, pesando as almas - joão carlos lopes
»  2020-06-18  »  José Mota Pereira Dois mitos do desenvolvimento em Torres Novas - josé mota pereira
»  2020-06-18  »  Jorge Carreira Maia Radicais e moderados - jorge carreira maia
»  2020-06-18  »  Miguel Sentieiro Panificação em tempo de pandemia - miguel sentieiro