• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 08 Dezembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 14° / 5°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 15° / 5°
Períodos nublados
Seg.
 16° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  15° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O envelhecimento e o acesso à medicina e aos lares

Opinião  »  2011-04-29  »  Ana Sentieiro

Os ”velhos”, estão a aumentar em Portugal, mercê da evolução das ciências da medicina que a partir do salto havido a partir de meados do século XIX, foram vertiginosos os seus avanços científicos, para bem de todos nós, não obstante as fratricidas guerras mundiais ocorridas no século XX que mostraram a outra face, abominável, do homem actual.

Ao invés, apesar da universalidade e igualdade destas descobertas científicas, o acesso aos cuidados de saúde é efectuado com grandes discriminações, porquanto, não obstante a existência dum Serviço Nacional de Saúde, com centros de saúde e hospitais públicos e médicos de família, é visível haver uma saúde para pobres e outra para ricos!

Na medicina, duas importantes especialidades tratam das pessoas mais velhas: a gerontologia e geriatria. É que torna-se muito importante a especialização nos cuidados médicos para os ”velhos” que, felizmente, são cada vez mais. Aliás, Portugal é um dos países mais velhos do mundo e o aumento da longevidade não está a ser compensado com a natalidade. Espera-se que, pelos Censos/2011, se apurem os níveis etários da população.

Os ”velhos”, aí estão lutando por uma vida com dignidade, porque sem qualidade de vida seriam pessoas que só estariam vivas no BI e nos cadernos eleitorais para garantirem aos políticos a sua nomeação para ocuparem as cadeiras do poder.

O envelhecimento traz para as pessoas todas as doenças em face da sua maior debilidade, quer no domínio físico, quer no foro mental: a arteriosclerose, os músculos, a pele, a estatura, os olhos, ouvidos, rins, diabetes, fígado, aparelho respiratório, são males que mais facilmente afectam os ”velhos” que, por isso, requerem maiores cuidados e atenções.

Estão as famílias, o Estado e as autarquias apetrechadas e sensibilizadas para acolherem e tratarem estes problemas?

Na parte médica, o acesso ao médico de família, embora seja um grande benefício, pelos laços e empatias que podem ser efectivadas na relação médico/doente, é manifestamente insuficiente, porquanto as especialidades médicas só acolhem os doentes com semanas e meses de atraso, agravando os males diagnosticados na clínica geral. O recurso, para quem tem meios é a medicina privada!

Sobre o acolhimento, a generalidade das famílias, não tem condições para tratar dos seus ”velhos”, quer na parte dos tratamentos, quer no alojamento.

Em 2006, o Estado, criou uma rede de cuidados continuados para acolher as pessoas em situação de dependência, comparticipando no custo do alojamento. Embora o número de vagas seja, ainda, muito exíguo, é um bem este serviço. Mas, quando ouço dizer que o doente – mesmo doente – pode ter alta e ser entregue ao destino, aí, já não entendo qual o alcance do legislador ao criar esta rede.

Outras soluções para o acolhimento dos ”velhos”, serão um centro de dia ou um lar. Mas, aqui, tal como os hospitais privados, também proliferam os lares privados, estes que aceitam acolher os idosos, desde que paguem uma ”mesada” que, muitas vezes, é incomportável para os seus rendimentos.

Aqui, quer o Estado, quer as autarquias, também deveriam comparticipar e ajudar os mais carenciados. Porém, fazem-no, mas, muito timidamente, através das IPSS e das misericórdias.

Além de que, o acesso a estes lares, comparticipados pelo Estado, é muito difícil e com critérios em que a parte comercial, parece sobrepor-se à situação social do idoso.

Um idoso, pobre, para entrar nestes lares, quase precisa de ter a ”bênção dos deuses”, se não quiser morrer sozinho, como, agora, está na moda!

 

 

 Outras notícias - Opinião


A questão ambiental »  2019-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A generalidade dos cidadãos, onde se incluem as elites políticas, não tem qualquer capacidade para julgar se as alterações climáticas em curso são de origem humana ou se são apenas efeitos de uma alteração do clima que ocorre independentemente das acções humanas.
(ler mais...)


No Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados” »  2019-12-05  »  Ana Lúcia Cláudio

Quase dez da noite da última sexta-feira de Novembro, no aeroporto da Portela. Está quente para quem acaba de chegar de um país mais frio. Apanho um táxi para o centro de Lisboa, uma distância suficientemente curta para não ser do agrado dos taxistas.
(ler mais...)


Há um elefante na sala: o ensino superior da região! »  2019-12-05  »  Jorge Salgado Simões

Podemos não falar do assunto. Podemos todos ir pensando nisto sem dizer o que quer que seja, ou fazer do tema não mais do que uma conversa de café, para não melindrar ninguém.

Temos um problema na região com o ensino superior público: dois Institutos Politécnicos, Tomar e Santarém (IPT e IPS), demasiado pequenos e demasiado sozinhos, desligados entre si, pouco atrativos, pouco diferenciadores e com uma sustentabilidade mais do que duvidosa.
(ler mais...)


A biblioteca no mercado semanal »  2019-12-05  »  António Gomes

A Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes mudou-se para o mercado, literalmente. Às terças, quinzenalmente, é lá que se encontra.

Misturar as couves, as cebolas, o pão, o queijo, as flores e as pessoas com os livros é uma ideia que deve ser valorizada e apreciada.
(ler mais...)


O senhor da maquineta »  2019-12-05  »  Anabela Santos

Estamos no outono, muito perto da chegada do inverno. Uma estação bonita, de cores únicas, temperatura amena e blá, blá, blá… tudo de bom para dizer desta época do ano.

É também a altura em que as árvores de folha caduca se despem totalmente e deixam os seus ramos apanhar sol, ganhando assim força até à chegada da primavera, momento em que nos presenteiam, novamente, com a sombra das suas folhas.
(ler mais...)


A cantiga é uma arma... »  2019-11-29  »  Hélder Dias

O desafio da direita democrática »  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia

Comecemos pelo trivial, mas que muitas vezes é esquecido. O papel do PSD e do CDS tem sido fundamental para a consolidação de um regime democrático-liberal no nosso país. Uma democracia representativa não pode subsistir sem a existência de pluralidade política e de partidos de direita e de esquerda.
(ler mais...)


Deixaram morrer a tarambola »  2019-11-21  »  António Gomes

Pode dizer-se que é desolador, uma tristeza, que não querem saber, quem pode não quer, está tudo desprezado, é uma grande irresponsabilidade, é um desconsolo e mais uns quantos adjectivos, mas creio que é mais do que isso e mais grave.
(ler mais...)


Eu é que sei »  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro

Vinha a ouvir no rádio do carro a rubrica “Eu é que sei!” A ideia passa por lançar perguntas às crianças para elas opinarem sobre o que pensam de cada temática. Eu é que sei…. “O que é um estetoscópio”, “porque há pessoas boas e más”, “porque as pessoas usam malas”, “porque é que as aranhas têm 8 olhos” , “o que é um pirilampo”, “para que serve a manete de mudanças.
(ler mais...)


Nazismo e comunismo »  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia

No mês passado o Parlamento Europeu aprovou uma resolução de condenação dos regimes nazi e comunista. Na verdade, ambos os regimes perseguiram e mataram adversários e o Estado teve neles uma configuração totalitária.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia Nazismo e comunismo
»  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia O desafio da direita democrática
»  2019-11-21  »  António Gomes Deixaram morrer a tarambola
»  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro Eu é que sei
»  2019-11-29  »  Hélder Dias A cantiga é uma arma...