• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 20 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 24° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 29° / 12°
Períodos nublados
Sex.
 25° / 14°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  24° / 14°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O envelhecimento e o acesso à medicina e aos lares

Opinião  »  2011-04-29  »  Ana Sentieiro

Os ”velhos”, estão a aumentar em Portugal, mercê da evolução das ciências da medicina que a partir do salto havido a partir de meados do século XIX, foram vertiginosos os seus avanços científicos, para bem de todos nós, não obstante as fratricidas guerras mundiais ocorridas no século XX que mostraram a outra face, abominável, do homem actual.

Ao invés, apesar da universalidade e igualdade destas descobertas científicas, o acesso aos cuidados de saúde é efectuado com grandes discriminações, porquanto, não obstante a existência dum Serviço Nacional de Saúde, com centros de saúde e hospitais públicos e médicos de família, é visível haver uma saúde para pobres e outra para ricos!

Na medicina, duas importantes especialidades tratam das pessoas mais velhas: a gerontologia e geriatria. É que torna-se muito importante a especialização nos cuidados médicos para os ”velhos” que, felizmente, são cada vez mais. Aliás, Portugal é um dos países mais velhos do mundo e o aumento da longevidade não está a ser compensado com a natalidade. Espera-se que, pelos Censos/2011, se apurem os níveis etários da população.

Os ”velhos”, aí estão lutando por uma vida com dignidade, porque sem qualidade de vida seriam pessoas que só estariam vivas no BI e nos cadernos eleitorais para garantirem aos políticos a sua nomeação para ocuparem as cadeiras do poder.

O envelhecimento traz para as pessoas todas as doenças em face da sua maior debilidade, quer no domínio físico, quer no foro mental: a arteriosclerose, os músculos, a pele, a estatura, os olhos, ouvidos, rins, diabetes, fígado, aparelho respiratório, são males que mais facilmente afectam os ”velhos” que, por isso, requerem maiores cuidados e atenções.

Estão as famílias, o Estado e as autarquias apetrechadas e sensibilizadas para acolherem e tratarem estes problemas?

Na parte médica, o acesso ao médico de família, embora seja um grande benefício, pelos laços e empatias que podem ser efectivadas na relação médico/doente, é manifestamente insuficiente, porquanto as especialidades médicas só acolhem os doentes com semanas e meses de atraso, agravando os males diagnosticados na clínica geral. O recurso, para quem tem meios é a medicina privada!

Sobre o acolhimento, a generalidade das famílias, não tem condições para tratar dos seus ”velhos”, quer na parte dos tratamentos, quer no alojamento.

Em 2006, o Estado, criou uma rede de cuidados continuados para acolher as pessoas em situação de dependência, comparticipando no custo do alojamento. Embora o número de vagas seja, ainda, muito exíguo, é um bem este serviço. Mas, quando ouço dizer que o doente – mesmo doente – pode ter alta e ser entregue ao destino, aí, já não entendo qual o alcance do legislador ao criar esta rede.

Outras soluções para o acolhimento dos ”velhos”, serão um centro de dia ou um lar. Mas, aqui, tal como os hospitais privados, também proliferam os lares privados, estes que aceitam acolher os idosos, desde que paguem uma ”mesada” que, muitas vezes, é incomportável para os seus rendimentos.

Aqui, quer o Estado, quer as autarquias, também deveriam comparticipar e ajudar os mais carenciados. Porém, fazem-no, mas, muito timidamente, através das IPSS e das misericórdias.

Além de que, o acesso a estes lares, comparticipados pelo Estado, é muito difícil e com critérios em que a parte comercial, parece sobrepor-se à situação social do idoso.

Um idoso, pobre, para entrar nestes lares, quase precisa de ter a ”bênção dos deuses”, se não quiser morrer sozinho, como, agora, está na moda!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Democracia »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)


Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias »  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia

BRUNO LAGE. O actual treinador do Benfica é, justamente, louvado pelo que fez no campo desportivo. Se o Benfica é campeão deve-o a Bruno Lage. Quero, porém, louvá-lo por outra coisa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?