• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 20 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 24° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 29° / 12°
Períodos nublados
Sex.
 25° / 14°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  24° / 14°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Apesar de tudo devemos votar em 5 de Junho!

Opinião  »  2011-05-13  »  Ana Sentieiro

Já em plena crise financeira, em Setembro de 2009, houve eleições para a escolha do Governo que governou o país, até que em 23/03/2011, os partidos da oposição (da esquerda à direita) votaram pela sua queda e o Presidente da República, em vez de procurar outro Governo, no âmbito dos 230 deputados eleitos em 2009, preferiu dissolver a Assembleia da República e, a meio do mandato da legislatura, convocou novas eleições que se vão realizar no próximo dia 5 de Junho.

As causas das desinteligências entre os políticos instalados não têm a ver com o modelo que cada um escolheu para Portugal – o sistema capitalista, com saliência para a economia de mercado, este que é o causador das desigualdades sociais – o desacordo, entre eles, nasce pelo facto de todos quererem ter poder para mandarem e usufruírem privilégios e mordomias. Porque, no essencial, eles entendem-se e bem!

Ao mesmo tempo que convocavam novas eleições, pediam ajuda aos organismos internacionais (FMI/BCE/UE), responsáveis pela gestão do modelo capitalista, para nos emprestarem dinheiro que nos permita solvermos os nossos compromissos, resultantes das erradas e ruinosas governações, ocorridas nos 37 anos de Abril e de democracia.

O povo é que, livremente, tem escolhido estes governantes quer seja, no poder central (PR e AR) e poder local (308 municípios e 4200 freguesias). Obviamente, tem escolhido mal, porquanto os resultados estão à vista. Aliás, foi o reconhecimento da sua incapacidade e incompetência que os levou a pedir ajuda técnica e financeira a instituições estrangeiras que aqui se instalaram e ditaram um programa que os partidos políticos do ”arco constitucional” (que ninguém sabe o que é este ”arco”!) logo o subscreveram, impondo um conjunto das chamadas ”reformas estruturais” (palavrões que o povo desconhece). E, assim, vão emprestar 78 mil milhões de euros, mas desses, 12 mil milhões vão para os banqueiros!

Para compor o ramalhete, logo aparece a lista dos 100 mais influentes de Portugal e se associam outros da mesma cartilha na ”Mais Sociedade”!

Eles entendem-se!

É evidente que o país vai ser nos próximos anos governado com o programa imposto pelas instituições internacionais. Então, votar para quê, dirão muitos ?

Eu tenho reflectido se vale a pena votar e concluí que no dia 5 de Junho devo utilizar o meu voto, com seriedade, apesar de saber que vou participar numa ”paródia democrática”. E tenho várias alternativas que não vou desperdiçar. Eu sei bem quem me tem enganado. Eles estão bem identificados, basta ver as preferências dos comentadores que temos e que estão, na maioria dos casos, ao serviço dos ”donos do dinheiro”.

O método para a minha escolha resultou de ver o comportamento que cada partido tem tido sobre a austeridade imposta aos portugueses.

Os partidos do ”arco constitucional” (PS, PSD e CDS), são aqueles que têm governado o país há mais de 36 anos. Já os conhecemos e muito bem. Estão todos bem na vida, enquanto o povão está à beira da miséria. Existem mais partidos, dois deles até têm desempenhado um papel patriótico, recusando sentarem-se à mesa com os ”donos do dinheiro” para lhes prestarem vassalagem e lhes entregar a soberania de Portugal. São eles, o PCP e o BE. Estes merecem o voto do povão.

Santarém tem 404.095 eleitores, distribuídos por 21 concelhos e elege 10 deputados. Ideologicamente apoio estes dois partidos, mas votarei no BE por reconhecer nos seus candidatos mais mérito e competência, além de concordar, mais, com a prática política dos bloquistas.

Por isso, sendo o voto ”a arma do povo” usemo-lo, como voto útil, contra a abstenção e contra o voto nulo ou branco.

Em 5 de Junho de 2011, nenhum eleitor, no Ribatejo, deverá ficar em casa.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Democracia »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)


Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias »  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia

BRUNO LAGE. O actual treinador do Benfica é, justamente, louvado pelo que fez no campo desportivo. Se o Benfica é campeão deve-o a Bruno Lage. Quero, porém, louvá-lo por outra coisa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?