• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 08 Dezembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 14° / 5°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 15° / 5°
Períodos nublados
Seg.
 16° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  15° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Apesar de tudo devemos votar em 5 de Junho!

Opinião  »  2011-05-13  »  Ana Sentieiro

Já em plena crise financeira, em Setembro de 2009, houve eleições para a escolha do Governo que governou o país, até que em 23/03/2011, os partidos da oposição (da esquerda à direita) votaram pela sua queda e o Presidente da República, em vez de procurar outro Governo, no âmbito dos 230 deputados eleitos em 2009, preferiu dissolver a Assembleia da República e, a meio do mandato da legislatura, convocou novas eleições que se vão realizar no próximo dia 5 de Junho.

As causas das desinteligências entre os políticos instalados não têm a ver com o modelo que cada um escolheu para Portugal – o sistema capitalista, com saliência para a economia de mercado, este que é o causador das desigualdades sociais – o desacordo, entre eles, nasce pelo facto de todos quererem ter poder para mandarem e usufruírem privilégios e mordomias. Porque, no essencial, eles entendem-se e bem!

Ao mesmo tempo que convocavam novas eleições, pediam ajuda aos organismos internacionais (FMI/BCE/UE), responsáveis pela gestão do modelo capitalista, para nos emprestarem dinheiro que nos permita solvermos os nossos compromissos, resultantes das erradas e ruinosas governações, ocorridas nos 37 anos de Abril e de democracia.

O povo é que, livremente, tem escolhido estes governantes quer seja, no poder central (PR e AR) e poder local (308 municípios e 4200 freguesias). Obviamente, tem escolhido mal, porquanto os resultados estão à vista. Aliás, foi o reconhecimento da sua incapacidade e incompetência que os levou a pedir ajuda técnica e financeira a instituições estrangeiras que aqui se instalaram e ditaram um programa que os partidos políticos do ”arco constitucional” (que ninguém sabe o que é este ”arco”!) logo o subscreveram, impondo um conjunto das chamadas ”reformas estruturais” (palavrões que o povo desconhece). E, assim, vão emprestar 78 mil milhões de euros, mas desses, 12 mil milhões vão para os banqueiros!

Para compor o ramalhete, logo aparece a lista dos 100 mais influentes de Portugal e se associam outros da mesma cartilha na ”Mais Sociedade”!

Eles entendem-se!

É evidente que o país vai ser nos próximos anos governado com o programa imposto pelas instituições internacionais. Então, votar para quê, dirão muitos ?

Eu tenho reflectido se vale a pena votar e concluí que no dia 5 de Junho devo utilizar o meu voto, com seriedade, apesar de saber que vou participar numa ”paródia democrática”. E tenho várias alternativas que não vou desperdiçar. Eu sei bem quem me tem enganado. Eles estão bem identificados, basta ver as preferências dos comentadores que temos e que estão, na maioria dos casos, ao serviço dos ”donos do dinheiro”.

O método para a minha escolha resultou de ver o comportamento que cada partido tem tido sobre a austeridade imposta aos portugueses.

Os partidos do ”arco constitucional” (PS, PSD e CDS), são aqueles que têm governado o país há mais de 36 anos. Já os conhecemos e muito bem. Estão todos bem na vida, enquanto o povão está à beira da miséria. Existem mais partidos, dois deles até têm desempenhado um papel patriótico, recusando sentarem-se à mesa com os ”donos do dinheiro” para lhes prestarem vassalagem e lhes entregar a soberania de Portugal. São eles, o PCP e o BE. Estes merecem o voto do povão.

Santarém tem 404.095 eleitores, distribuídos por 21 concelhos e elege 10 deputados. Ideologicamente apoio estes dois partidos, mas votarei no BE por reconhecer nos seus candidatos mais mérito e competência, além de concordar, mais, com a prática política dos bloquistas.

Por isso, sendo o voto ”a arma do povo” usemo-lo, como voto útil, contra a abstenção e contra o voto nulo ou branco.

Em 5 de Junho de 2011, nenhum eleitor, no Ribatejo, deverá ficar em casa.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A questão ambiental »  2019-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A generalidade dos cidadãos, onde se incluem as elites políticas, não tem qualquer capacidade para julgar se as alterações climáticas em curso são de origem humana ou se são apenas efeitos de uma alteração do clima que ocorre independentemente das acções humanas.
(ler mais...)


No Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados” »  2019-12-05  »  Ana Lúcia Cláudio

Quase dez da noite da última sexta-feira de Novembro, no aeroporto da Portela. Está quente para quem acaba de chegar de um país mais frio. Apanho um táxi para o centro de Lisboa, uma distância suficientemente curta para não ser do agrado dos taxistas.
(ler mais...)


Há um elefante na sala: o ensino superior da região! »  2019-12-05  »  Jorge Salgado Simões

Podemos não falar do assunto. Podemos todos ir pensando nisto sem dizer o que quer que seja, ou fazer do tema não mais do que uma conversa de café, para não melindrar ninguém.

Temos um problema na região com o ensino superior público: dois Institutos Politécnicos, Tomar e Santarém (IPT e IPS), demasiado pequenos e demasiado sozinhos, desligados entre si, pouco atrativos, pouco diferenciadores e com uma sustentabilidade mais do que duvidosa.
(ler mais...)


A biblioteca no mercado semanal »  2019-12-05  »  António Gomes

A Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes mudou-se para o mercado, literalmente. Às terças, quinzenalmente, é lá que se encontra.

Misturar as couves, as cebolas, o pão, o queijo, as flores e as pessoas com os livros é uma ideia que deve ser valorizada e apreciada.
(ler mais...)


O senhor da maquineta »  2019-12-05  »  Anabela Santos

Estamos no outono, muito perto da chegada do inverno. Uma estação bonita, de cores únicas, temperatura amena e blá, blá, blá… tudo de bom para dizer desta época do ano.

É também a altura em que as árvores de folha caduca se despem totalmente e deixam os seus ramos apanhar sol, ganhando assim força até à chegada da primavera, momento em que nos presenteiam, novamente, com a sombra das suas folhas.
(ler mais...)


A cantiga é uma arma... »  2019-11-29  »  Hélder Dias

O desafio da direita democrática »  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia

Comecemos pelo trivial, mas que muitas vezes é esquecido. O papel do PSD e do CDS tem sido fundamental para a consolidação de um regime democrático-liberal no nosso país. Uma democracia representativa não pode subsistir sem a existência de pluralidade política e de partidos de direita e de esquerda.
(ler mais...)


Deixaram morrer a tarambola »  2019-11-21  »  António Gomes

Pode dizer-se que é desolador, uma tristeza, que não querem saber, quem pode não quer, está tudo desprezado, é uma grande irresponsabilidade, é um desconsolo e mais uns quantos adjectivos, mas creio que é mais do que isso e mais grave.
(ler mais...)


Eu é que sei »  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro

Vinha a ouvir no rádio do carro a rubrica “Eu é que sei!” A ideia passa por lançar perguntas às crianças para elas opinarem sobre o que pensam de cada temática. Eu é que sei…. “O que é um estetoscópio”, “porque há pessoas boas e más”, “porque as pessoas usam malas”, “porque é que as aranhas têm 8 olhos” , “o que é um pirilampo”, “para que serve a manete de mudanças.
(ler mais...)


Nazismo e comunismo »  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia

No mês passado o Parlamento Europeu aprovou uma resolução de condenação dos regimes nazi e comunista. Na verdade, ambos os regimes perseguiram e mataram adversários e o Estado teve neles uma configuração totalitária.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia Nazismo e comunismo
»  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia O desafio da direita democrática
»  2019-11-21  »  António Gomes Deixaram morrer a tarambola
»  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro Eu é que sei
»  2019-11-29  »  Hélder Dias A cantiga é uma arma...