• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 20 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 24° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 29° / 12°
Períodos nublados
Sex.
 25° / 14°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  24° / 14°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Liberdade, um hino de sempre!

Opinião  »  2011-07-07  »  Ana Sentieiro

Em 5 de Junho passado os portugueses foram convocados para usarem a sua liberdade e escolherem as pessoas que vão governar o país durante os próximos 4 anos. As escolhas eram muitas, sendo que havia 17 listas de candidatos.

A escolha era a favor dos partidos da austeridade ou contra eles. Dos 9.624.354 eleitores, cujos nomes constavam dos cadernos eleitorais, 2.813.069 (29,22% - é a representação do governo), decidiram escolher o PSD e o CDS que se haviam disponibilizado para, juntos, formarem um governo de coligação.

E, agora, passam a dispor na AR de 57,39% dos mandatos.Como já aqui escrevi, foram muitas as pessoas do ”povão”, pertencentes aos grupos sociais desfavorecidos, que votaram no PSD e no CDS, os partidos da austeridade, juntos com o PS.

Agora ninguém pode queixar-se com as medidas sociais e financeiras que lhes vão aplicar.Cada um escolheu a sua liberdade! É, por isso, que hoje venho aqui falar de liberdade.Afinal o que é a liberdade?

Quando nasce uma criança, ela é livre e igual a todos que também nasçam nesse mesmo dia.

E todos estão desprovidos de bens e riquezas.

A questão da limitação e regulamentação da liberdade surge a partir do dia seguinte e só com a morte do indivíduo cessam essas limitações.

A liberdade é a faculdade e o poder de agir por parte de qualquer pessoa, desde que assuma a responsabilidade dos seus actos.

A liberdade é inata a qualquer ser humano, não obstante os constrangimentos que a vida e os homens aplicam, nomeadamente aos escravos e aos povos, perante os tiranos e os ditadores.

A liberdade deu um grande salto a partir da Constituição americana de 1787, seguida pela francesa de 1791, que estabeleceu os três principais valores que, ainda, não estão cumpridos na quase totalidade do Mund Igualdade, Fraternidade e Liberdade.

A liberdade pode assumir várias acepções: liberdade de consciência; religiosa e de culto; de pensamento; de opinião; de reunião; sindical; de expressão; contratual; domiciliária.

Uma das questões que tem limitado a liberdade, nomeadamente após o 25 de Abril, são os comportamentos dos humanos que têm abusado da liberdade em todos os domínios.

Deixámos de pensar e agir livremente, porque voltámos a ter medo!

O medo foi uma das principais causas para o ”povão” votar a favor daqueles que lhes vão retirar direitos.

Foi o medo que lhe retirem algumas das migalhas que os dominantes instalados e os donos de Portugal lhes haviam concedido.

Foi, também, o medo que sustentou, durante 48 anos, o governo salazarista que retirou as liberdades.

Sim, foi o medo e não as ideologias como alguns branqueadores do fascismo nos querem fazer crer.

Com ou sem ditadores, com ou sem tiranos, a liberdade é, e será sempre, a liberdade!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Democracia »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)


Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias »  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia

BRUNO LAGE. O actual treinador do Benfica é, justamente, louvado pelo que fez no campo desportivo. Se o Benfica é campeão deve-o a Bruno Lage. Quero, porém, louvá-lo por outra coisa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?