• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 20 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 24° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 29° / 12°
Períodos nublados
Sex.
 25° / 14°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  24° / 14°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A pobreza, não usa gravata!

Opinião  »  2011-07-29  »  Ana Sentieiro

Perante as decisões dos políticos, face à gestão do sistema capitalista e de mercado, pelo qual impõem aos portugueses fortes restrições sociais e económicas e aumento de impostos, vem a Igreja Católica, através dos seus Bispos, mostrar preocupações sobre a pobreza em Portugal e logo as instituições, criadas a partir dos finais do século XV (as Misericórdias), aparecem para acudir àqueles que, por estado de necessidade e infortúnio se quedam na indigência.

Aqueles que se proclamam dos ideários bíblicos, sejam ou não frequentadores das Igrejas, aonde escutam eloquentes homilias, sabem desse confronto entre o Bem e o Mal, ou o trigo e o joio, a narração em que esta planta se mistura com o trigo para prejudicar o seu florescimento.

A teoria do trigo e do joio é uma parábola para a Igreja explicar a existência do Bem e do Mal.

Só que, como bem nos ensinou Immanuel Kant há mais de 200 anos, os seres humanos são dotados de razão e como disse o Poeta, António Aleixo, ”a razão mesmo vencida, não deixa de ser razão”, ou seja, como se proclama na dogmática, todos somos filhos de Deus, mas uns são pelo trigo, enquanto que outros são pelo joio. Uns praticam o Bem e outros são pelo Mal.

A pobreza, enquanto estado da vida das pessoas é uma questão que tem a ver com a distribuição dos bens, em que, como bem disse o nosso Zeca, estão aí os Vampiros, em que alguns comem tudo e não deixam nada.

A verdade é que, obedecendo aos dogmas, os homens e as mulheres que têm dirigido o país, têm permitido que os bens sejam distribuídos de forma a criar a pobreza e a riqueza. Em que os pobres são o trigo, são o Bem enquanto os ricos representam o joio, o Mal. E todos eles agem invocando Deus!

As pessoas que nos dirigem, os políticos, parecem pessoas inteligentes, logo devem saber onde está a razão da pobreza. Nunca será difícil solucionar este problema, basta alterarem os paradigmas que estão na base da distribuição dos bens. É só publicar leis e fazê-las aplicar.

A pobreza não é um fatalismo que os portugueses tenham de suportar, só porque os dirigentes políticos assim desejam e praticam.

Em Portugal, há evidentes sinais de riqueza que mostram que existem promotores da pobreza, sejam eles os políticos, tenham eles a faceta de assistenciais e misericordiosos. Há pobreza porque as decisões dos governantes tem sido errada, sejam dos partidos da esquerda ou da direita.

O problema da pobreza também tem a ver com os pobres de espírito que cada vez são mais e agora foram autorizados a andar sem gravata por aquela que mandou dizer aos filhos que agora já era Ministra.

Parece que, para combater a pobreza, temos de começar a poupar no papel higiénico. Só falta haver um Ministro que promova um despacho nesse sentido!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Democracia »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)


Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias »  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia

BRUNO LAGE. O actual treinador do Benfica é, justamente, louvado pelo que fez no campo desportivo. Se o Benfica é campeão deve-o a Bruno Lage. Quero, porém, louvá-lo por outra coisa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-05-26  »  Jorge Carreira Maia Bruno Lage, privatizações, comendas e europeias
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?