• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 08 Dezembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 14° / 5°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 15° / 5°
Períodos nublados
Seg.
 16° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  15° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A escola está de volta

Opinião  »  2011-09-08  »  Ana Sentieiro

”Parecem bandos de pardais à solta... mas quando a tarde cai, vai-se a revolta... são os putos deste povo, a aprenderem a ser homens”.

É esta a grande mensagem que Ary dos Santos (o mais eloquente poeta português de sempre) nos deixou e que outro dos nossos maiores da cultura (Carlos do Carmo), nos canta e encanta.

É verdade, desde fins de Maio, a escola começou a desacelerar. Setembro (4 meses de inactividade), é o regresso às aulas!

Reconhecidamente, no meu entendimento, todas as principais e substantivas causas da crise actual que conduziu o país a submeter a sua democracia às ordens de organismos internacionais do capitalismo caduco e em crise, estão no histórico atraso cultural, porque jamais encarámos a educação como o principal investimento que Portugal precisa. É óbvio que a cultura de um povo, sustenta-se fundamentalmente, na educação e esta aprende-se na escola e na família.

Pelas áreas da educação e da cultura já passaram várias opções políticas e ideológicas, nestes 37 anos da democracia. Mas, a crise que vivemos e sofremos, mostra o fracasso da aplicação das receitas que jamais quiseram atender à História de Portugal e às causas do nosso histórico atraso.

Nas áreas do cada vez mais desertificado interior, 279 escolas do 1º ciclo (1ª à 4ª classe) não vão abrir porque questões de poupanças financeiras, assim o determinam. As crianças ter-se-ão de deslocar vários quilómetro, se querem frequentar a escola.

Ser estudante, em Portugal, sobretudo nestes tempos de elevados custos de vida é para as famílias carenciadas, quase uma odisseia, qualquer que seja o grau de ensino que os seus filhos frequentem.

Todo o país devia potenciar-se para facilitar o acesso e frequência da escola, desde a pré-primária, até à universidade. É este investimento que tem falhado ao longo destes 37 anos que já passaram sobre a ruptura provocada pelo golpe militar do 25 de Abril, apesar de nas campanhas eleitorais os partidos e os políticos tudo prometerem. Houve mesmo um governo que disse ter a educação no coração!

Ainda existem algumas centenas de milhares de analfabetos, em Portugal, uma grande chaga que temos; o analfabetismo funcional abrange a esmagadora maioria da população portuguesa; o nível do abandono escolar continua muito elevado. Não há uma estratégia para o ensino e a aprendizagem da matemática, filosofia, português, história, geografia, química, física, etc.

A questão do ensino, em Portugal, está muito focalizada nas reivindicações profissionais dos professores, por muito que seja a sua justeza e pouco centrada nos cuidados que a escola deve prestar aos alunos, muitos deles nem têm dinheiro para comprar uma simples mochila para transportar os matérias escolares.

Depois já há muita gente a interrogar-se: afinal, para que serve estudar, senão há empregos para os jovens pós-escolar ?!

Os políticos e os partidos que têm dirigido o país, endividaram-no e com processos de estreita visão para o futuro, têm bloqueado o seu desenvolvimento, havendo, neste momento histórico, uma colossal (um termo muito em voga!) estagnação e se tivermos de aturar estes 48 governantes, deste Governo da austeridade, durante 4 anos, em 2015, estaremos, nós, o povão, na penúria e na miséria.

Que alguém nos livre disso!

E que possam os putos ”falar do homem novo!”.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A questão ambiental »  2019-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A generalidade dos cidadãos, onde se incluem as elites políticas, não tem qualquer capacidade para julgar se as alterações climáticas em curso são de origem humana ou se são apenas efeitos de uma alteração do clima que ocorre independentemente das acções humanas.
(ler mais...)


No Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados” »  2019-12-05  »  Ana Lúcia Cláudio

Quase dez da noite da última sexta-feira de Novembro, no aeroporto da Portela. Está quente para quem acaba de chegar de um país mais frio. Apanho um táxi para o centro de Lisboa, uma distância suficientemente curta para não ser do agrado dos taxistas.
(ler mais...)


Há um elefante na sala: o ensino superior da região! »  2019-12-05  »  Jorge Salgado Simões

Podemos não falar do assunto. Podemos todos ir pensando nisto sem dizer o que quer que seja, ou fazer do tema não mais do que uma conversa de café, para não melindrar ninguém.

Temos um problema na região com o ensino superior público: dois Institutos Politécnicos, Tomar e Santarém (IPT e IPS), demasiado pequenos e demasiado sozinhos, desligados entre si, pouco atrativos, pouco diferenciadores e com uma sustentabilidade mais do que duvidosa.
(ler mais...)


A biblioteca no mercado semanal »  2019-12-05  »  António Gomes

A Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes mudou-se para o mercado, literalmente. Às terças, quinzenalmente, é lá que se encontra.

Misturar as couves, as cebolas, o pão, o queijo, as flores e as pessoas com os livros é uma ideia que deve ser valorizada e apreciada.
(ler mais...)


O senhor da maquineta »  2019-12-05  »  Anabela Santos

Estamos no outono, muito perto da chegada do inverno. Uma estação bonita, de cores únicas, temperatura amena e blá, blá, blá… tudo de bom para dizer desta época do ano.

É também a altura em que as árvores de folha caduca se despem totalmente e deixam os seus ramos apanhar sol, ganhando assim força até à chegada da primavera, momento em que nos presenteiam, novamente, com a sombra das suas folhas.
(ler mais...)


A cantiga é uma arma... »  2019-11-29  »  Hélder Dias

O desafio da direita democrática »  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia

Comecemos pelo trivial, mas que muitas vezes é esquecido. O papel do PSD e do CDS tem sido fundamental para a consolidação de um regime democrático-liberal no nosso país. Uma democracia representativa não pode subsistir sem a existência de pluralidade política e de partidos de direita e de esquerda.
(ler mais...)


Deixaram morrer a tarambola »  2019-11-21  »  António Gomes

Pode dizer-se que é desolador, uma tristeza, que não querem saber, quem pode não quer, está tudo desprezado, é uma grande irresponsabilidade, é um desconsolo e mais uns quantos adjectivos, mas creio que é mais do que isso e mais grave.
(ler mais...)


Eu é que sei »  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro

Vinha a ouvir no rádio do carro a rubrica “Eu é que sei!” A ideia passa por lançar perguntas às crianças para elas opinarem sobre o que pensam de cada temática. Eu é que sei…. “O que é um estetoscópio”, “porque há pessoas boas e más”, “porque as pessoas usam malas”, “porque é que as aranhas têm 8 olhos” , “o que é um pirilampo”, “para que serve a manete de mudanças.
(ler mais...)


Nazismo e comunismo »  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia

No mês passado o Parlamento Europeu aprovou uma resolução de condenação dos regimes nazi e comunista. Na verdade, ambos os regimes perseguiram e mataram adversários e o Estado teve neles uma configuração totalitária.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia Nazismo e comunismo
»  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia O desafio da direita democrática
»  2019-11-21  »  António Gomes Deixaram morrer a tarambola
»  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro Eu é que sei
»  2019-11-29  »  Hélder Dias A cantiga é uma arma...