• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 08 Dezembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 14° / 5°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 15° / 5°
Períodos nublados
Seg.
 16° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  15° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Os primeiros 100 dias do Governo, da austeridade e da mudança

Opinião  »  2011-09-29  »  Ana Sentieiro

Em 19/06/2005, publiquei um texto sobre ”os primeiros 100 dias do governo de Sócrates” que prometia privilégios no apoio aos mais pobres e mais progresso para Portugal. E tal como o anterior governo de Durão Barroso, prometera não aumentar os impostos.

Durão aumentou o IVA de 17 para 19%. Sócrates, aumentou para 21%. Ambos mentiram!

Na altura, eu dizia ”que estávamos a gastar aquilo que não era nosso e que mais tarde iríamos pagar a factura”, ou seja, ”os portugueses estavam a viver acima das suas posses, ou seja, gastando mais do que produzem!” E ”a culpa morre solteira, ou seja, ninguém é culpado e os pobres que paguem a crise”.

Este foi um pequeno retrato que fiz de Portugal, há 6 anos!

E, até, lembrava: desde 1985, foram 10 anos de oásis do cavaquismo, este que abandonou; foi rendido pelos 7 anos do pântano guterrista; seguiram-se 3 anos do governo da tanga, de Durão Barroso que entregou o poder, durante 239 dias, ao governo das trapalhadas, de Santana Lopes, a este, sucedendo-lhe, José Sócrates, no decurso das eleições antecipadas e que governou durante 6 anos.

São 26 anos de governação que correspondem ao tempo da integração na ”Europa Connosco”, a designação atribuída pelo chamado pai da democracia, Mário Soares que, tal como Jorge Sampaio, foi Presidente da República, durante 10 anos.

Cavaco, é PR, há mais de 6 anos; Barroso, foi promovido pela ”democracia europeia”, Guterres, é alto Comissário da ONU, Santana Lopes, após ”ter andado por aí”, agora é todo misericordioso, gerindo os poderosos negócios do jogo, na Misericórdia de Lisboa.

Em 21 de Junho de 2011, tomou posse de novo, o PSD, como líder do XIX Governo Constitucional, decorrente de novas eleições antecipadas, realizadas em 5 de Junho de 2011 e que completa os primeiros 100 dias em 28 de Setembro de 2011.
Foram 48 os cidadãos que tomaram posse, como 1º Ministro, Ministros e Secretários de Estado. Uns muito conhecidos da opinião pública, enquanto outros são completamente desconhecidos do mundo político.

O Governo é idêntico a um Conselho de Administração de uma qualquer empresa, ou a funcionar como um qualquer Conselho de Família.

O objectivo der qualquer governo é melhorar a situação dos governados – o povão – cumprindo, as suas promessas eleitorais.

É verdade que a acção governativa está condicionada pelos compromissos assumidos, antes das eleições, com o FMI e a UE, pelos quais Portugal continua a beneficiar de empréstimos internacionais.

A contestação ao Governo do PS e a José Sócrates, foi intensa e frenética, apesar de ter legitimidade para governar, quer por parte dos principais políticos que integram este Governo do PSD/CDS, quer por parte de certa comunicação social, coadjuvada por economistas e universitários que só agora reagiram contra a situação de endividamento de Portugal. Era necessário, a todo o custo haver eleições para, diziam, haver uma mudança de rumo na governação do país.

O que está a acontecer e o que está anunciado até 2012, vêm aí dias muito sombrios para os grupos e classes sociais mais desfavorecidos. E, curiosamente, parece que os ricos e abastados continuam a viver há fartasana!

Estes políticos que tomaram posse há 100 dias, quando aparecem em público é para anunciarem mais austeridade e mais miséria. Algum bem estar e qualidade de vida obtido por portugueses mais pobres estão a ser abolidos em cumprimento dos ditames que o capitalismo caduco, do mercado e selvagem nos impõe. Precisamos, sim, de mudar, mas de modelo económico e social. Com o actual modelo, será a nossa ruína!

Vou terminar, dizendo o mesmo que escrevi há 6 anos, sobre os primeiros 100 dias do Governo de Sócrates, ou seja, este governo de Passos Coelho ”não pode continuar (des)governar Portugal e o povão a assistir passivamente!”

 

 

 Outras notícias - Opinião


A questão ambiental »  2019-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A generalidade dos cidadãos, onde se incluem as elites políticas, não tem qualquer capacidade para julgar se as alterações climáticas em curso são de origem humana ou se são apenas efeitos de uma alteração do clima que ocorre independentemente das acções humanas.
(ler mais...)


No Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados” »  2019-12-05  »  Ana Lúcia Cláudio

Quase dez da noite da última sexta-feira de Novembro, no aeroporto da Portela. Está quente para quem acaba de chegar de um país mais frio. Apanho um táxi para o centro de Lisboa, uma distância suficientemente curta para não ser do agrado dos taxistas.
(ler mais...)


Há um elefante na sala: o ensino superior da região! »  2019-12-05  »  Jorge Salgado Simões

Podemos não falar do assunto. Podemos todos ir pensando nisto sem dizer o que quer que seja, ou fazer do tema não mais do que uma conversa de café, para não melindrar ninguém.

Temos um problema na região com o ensino superior público: dois Institutos Politécnicos, Tomar e Santarém (IPT e IPS), demasiado pequenos e demasiado sozinhos, desligados entre si, pouco atrativos, pouco diferenciadores e com uma sustentabilidade mais do que duvidosa.
(ler mais...)


A biblioteca no mercado semanal »  2019-12-05  »  António Gomes

A Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes mudou-se para o mercado, literalmente. Às terças, quinzenalmente, é lá que se encontra.

Misturar as couves, as cebolas, o pão, o queijo, as flores e as pessoas com os livros é uma ideia que deve ser valorizada e apreciada.
(ler mais...)


O senhor da maquineta »  2019-12-05  »  Anabela Santos

Estamos no outono, muito perto da chegada do inverno. Uma estação bonita, de cores únicas, temperatura amena e blá, blá, blá… tudo de bom para dizer desta época do ano.

É também a altura em que as árvores de folha caduca se despem totalmente e deixam os seus ramos apanhar sol, ganhando assim força até à chegada da primavera, momento em que nos presenteiam, novamente, com a sombra das suas folhas.
(ler mais...)


A cantiga é uma arma... »  2019-11-29  »  Hélder Dias

O desafio da direita democrática »  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia

Comecemos pelo trivial, mas que muitas vezes é esquecido. O papel do PSD e do CDS tem sido fundamental para a consolidação de um regime democrático-liberal no nosso país. Uma democracia representativa não pode subsistir sem a existência de pluralidade política e de partidos de direita e de esquerda.
(ler mais...)


Deixaram morrer a tarambola »  2019-11-21  »  António Gomes

Pode dizer-se que é desolador, uma tristeza, que não querem saber, quem pode não quer, está tudo desprezado, é uma grande irresponsabilidade, é um desconsolo e mais uns quantos adjectivos, mas creio que é mais do que isso e mais grave.
(ler mais...)


Eu é que sei »  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro

Vinha a ouvir no rádio do carro a rubrica “Eu é que sei!” A ideia passa por lançar perguntas às crianças para elas opinarem sobre o que pensam de cada temática. Eu é que sei…. “O que é um estetoscópio”, “porque há pessoas boas e más”, “porque as pessoas usam malas”, “porque é que as aranhas têm 8 olhos” , “o que é um pirilampo”, “para que serve a manete de mudanças.
(ler mais...)


Nazismo e comunismo »  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia

No mês passado o Parlamento Europeu aprovou uma resolução de condenação dos regimes nazi e comunista. Na verdade, ambos os regimes perseguiram e mataram adversários e o Estado teve neles uma configuração totalitária.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia Nazismo e comunismo
»  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia O desafio da direita democrática
»  2019-11-21  »  António Gomes Deixaram morrer a tarambola
»  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro Eu é que sei
»  2019-11-29  »  Hélder Dias A cantiga é uma arma...