• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 18 Setembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 17°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 29° / 15°
Períodos nublados
Qui.
 30° / 16°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A greve dos motoristas

Opinião  »  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia

"Havia quem – e não estou a falar dos motoristas – visse esta greve como uma possibilidade para pôr em causa o regime actual."

PÔR O REGIME À PROVA. Na greve dos motoristas de matérias perigosas coincidiram duas vertentes que, para os próprios interessados, não deveriam ter coincidido. A luta laboral por reivindicações que merecerão respeito e um desafio às instituições políticas e ao regime. Havia quem – e não estou a falar dos motoristas – visse esta greve como uma possibilidade para pôr em causa o regime actual. Esperava-se que o caos se instalasse nos combustíveis, mas também no abastecimento de géneros de primeira necessidade e na saúde. Isto permitiria derrotar o governo apoiado na esquerda e, ao mesmo tempo, preparar o terreno para a emergência de movimentos inimigos da democracia liberal. 

DEFESA DO REGIME. As duas principais forças que defenderam o regime foram o governo e o Partido Comunista. É evidente que tanto António Costa como o PCP têm interesses próprios a defender. Eleitorais, o primeiro, sindicais, o segundo. No entanto, na acção de ambos houve uma preocupação específica com a defesa do regime. O governo assegurou que, apesar da greve, a vida dos portugueses decorresse dentro da normalidade, evitando a emergência de movimentos sociais desestabilizadores. Através do sindicato afecto à CGTP, o PCP mostrou que oferece uma fiabilidade negocial e um respeito institucional que vão muito para além das emoções do momento. Não esquecer, contudo, que esta defesa do regime esteve sempre escorada no Presidente da República.

A FALTA DE COMPARÊNCIA. Os outros partidos parlamentares, perante a situação grave que se poderia viver, primaram pela ausência. PSD e CDS estiveram ausentes porque estão fora do governo. Se ocupassem o poder, perante a mesma situação, teriam um comportamento idêntico ao dos socialistas. Eram dispensáveis, porém, a disponibilidade do CDS para alterar a lei da greve e os tweets de Rui Rio na 25ª hora. O Bloco de Esquerda esteve ausente porque a sua influência sindical é nula.

PROBLEMAS PENDENTES. As condições de trabalho dos motoristas e de milhões de trabalhadores estão muito longe de serem satisfatórias. A contínua genuflexão governamental perante os interesses patronais pode ser uma fonte de problemas no futuro. Uma segunda questão está na vulnerabilidade política do país perante certos sectores profissionais. A vida social não pode depender continuamente de requisições civis, uma espécie de declaração de estado de emergência. Um terceiro problema relaciona-se com o sindicalismo institucional e o desafio de sindicatos desalinhados e pouco comprometidos com a democracia. A UGT e, especialmente, a CGTP têm um desafio pela frente, que também é o da democracia liberal.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno »  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia

O DESCALABRO DA DIREITA. As sondagens têm vindo a indicar que a direita democrática está à beira de um resultado desastroso, por volta dos 25%, somando velhos e novos partidos.
(ler mais...)


O nome da terra, por João Carlos Lopes »  2019-09-06  »  João Carlos Lopes

É sintomático que, em tempo de eleições, nenhum dos partidos tenha dito uma palavra sobre essa vaca sagrada que é o futebol e sobretudo acerca do estado de guerra em que as claques dos “três grandes” transformam as terras por onde passam.
(ler mais...)


Turismo ou nem por isso »  2019-09-05  »  António Gomes

A época que atravessamos é propicia à reflexão sobre esta actividade económica, o turismo.
O turismo, como toda a gente sabe, atravessa em Portugal um período particularmente estonteante. São as grandes metrópoles as mais beneficiadas com tal actividade, é lá que se encontram as maiores fontes de atracção e é lá que as infraestruturas estão mais adaptadas e melhor respondem às solicitações.
(ler mais...)


Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade? »  2019-08-25  »  Anabela Santos

Falar da valorização de um espaço que é tão importante para uma grande parte dos torrejanos é imperativo mas não é novidade.
Já muitos falaram e escreveram sobre o assunto, desejando que alguma mente iluminada e com vontade de fazer o melhor pela cidade tome alguma iniciativa no sentido de valorizar o património arquitectónico e histórico de uma fábrica que deu tanto à nossa cidade.
(ler mais...)


Repuxos, por Inês Vidal »  2019-08-25  »  Inês Vidal

Esta malta dos jornais é lixada. Parece que está do contra, sempre a dizer coisas. Ou então é de esquerda, só pode. Atrevem-se a noticiar as coisas que acontecem, esses filhos da mãe. Caso contrário, íamos fazendo as coisas à mesma, a nosso bel-prazer, mas ninguém dava por elas ou as questionava.
(ler mais...)


À mulher de César não basta ser séria… »  2019-08-09  »  António Gomes

Vem isto a propósito da aquisição de imóveis pela Câmara de Torres Novas, sitos em Riachos. Só o BE votou contra.

Os proprietários propuseram a aquisição e a Câmara comprou.
(ler mais...)


Bons Sons »  2019-08-09  »  Inês Vidal

Treze anos, dez edições, uma aldeia em manifesto. Arrancou ontem, dia 8, mais uma edição do festival Bons Sons, que anualmente traz a Cem Soldos, concelho de Tomar, milhares de pessoas e música, muita música portuguesa.
(ler mais...)


Carteiro »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”.
(ler mais...)


Livros para férias »  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia

COMO MORREM AS DEMOCRACIAS. Autores Steven Levitsky & Daniel Ziblatt, ambos professores em Harvard. Uma reflexão com incidência americana, mas apoiada no estudo das mortes da democracia nos anos trinta do século passado, na Europa, e nos anos 60 e 70, também do XX, na América Latina.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-08-25  »  Inês Vidal Repuxos, por Inês Vidal
»  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia A greve dos motoristas
»  2019-08-25  »  Anabela Santos Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade?
»  2019-09-06  »  João Carlos Lopes O nome da terra, por João Carlos Lopes
»  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno