• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 02 Abril 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
Sáb.
 18° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 21° / 5°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  19° / 6°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Em memória de um velho camarada

Opinião  »  2020-01-30  »  José Alves Pereira

"Em Torres Novas houve algumas movimentações, marcadas ainda, nalguns sectores, por algumas ilusões na Primavera Marcelista"

Um facto recente – desaparecimento de um velho camarada - leva esta habitual crónica por caminhos não previstos, rememorarando factos de há cinquenta anos, fragmentos da resistência antifascista em Torres Novas.
Em Outubro de 1969, haviam-se realizado “eleições” para deputados à Assembleia Nacional. Eram as primeiras realizadas durante a vigência do consulado de Marcelo Caetano.
Em Torres Novas houve algumas movimentações, marcadas ainda, nalguns sectores, por algumas ilusões na Primavera Marcelista, mas também pela realização de reuniões sindicais, actividades culturais e estudantis que trouxeram à participação alguns jovens. A organização local do PCP, única força de oposição organizada, estava muito debilitada, ou quase inexistia, devivo à vaga de prisões do início dos anos 60.
Em meados de 1970, estava a cumprir serviço militar, quando o meu amigo Arlindo Tavares – empregado de escritório em Minde - me confidenciou, pedindo sigilo, que no dia tal “vai estar cá uma pessoa que gostava de falar contigo”. No dia aprazado, eu, o Rui Pereira e o Álvaro Maia, também contactados, fomos a sua casa. Quando entrámos, na sala, estava um homem, aparentando pouco mais de 40 anos, face redonda e corada, cabelo castanho claro penteado para trás e olhos vivos por detrás de uns óculos de armação de tartaruga. Feitos os cumprimentos, apresentou-se: “sou responsável do Partido Comunista Português e podem tratar-me por Lemos “, óbvio pseudónimo. Aquele homem, ali tão tranquilo, era a personificação do mundo que o fascismo tratava como inimigo. Falou-se sobre os propósitos daquele encontro e da intervenção possível para alterar a situação política no país. Controvertemos argumentos, a que não eram alheios alguns preconceitos ideológicos, do Maio de 68 ao “esquerdismo”, da primavera de Praga ao maoismo e à guerra colonial, etc. Acordámos encontrar-nos mais tarde, em data a combinar.
Passaram meses e nada, nunca mais se falou do encontro. Saí do serviço militar em Março de 1972 e reatei os contactos, agora com outro responsável do Partido. Do anterior, nunca houve qualquer alusão.
Em 27 de Abril de 1974, vendo na televisão as imagens da libertação dos presos políticos do Forte de Peniche, a atenção recaiu na figura daquele homem sorridente, de mala de viagem e óculos; “Era ele, não havia qualquer dúvida”. Nos dias seguintes, precisava de saber o resto da história, da história interrompida de um clandestino desaparecido há quatro anos.
Chamava-se António Joaquim Gervásio, nascido em 1927, em Montemor-o-Novo, operário agrícola, tendo aderido ao PCP com 18 anos. Participando numa greve de ceifeiros foi preso pela primeira vez em em Junho de 1947, saindo em liberdade em Novembro desse ano.
Em Agosto de 1960, foi de novo preso, sendo condenado a cerca de seis anos de prisão e “medidas de segurança”, expediente criado para manter as detenções o tempo que o regime quisesse. Desta vez, a prisão “encurtou-se”, porque em 4 de Dezembro de 1961 foi um dos oito evadidos da célebre fuga do Forte de Caxias, no Chrysler blindado oferecido por Hitler a Salazar, tendo como “ponto de apoio” a casa de Mário Castrim, mais tarde conhecido crítico de televisão.
Com documentação, falsa saiu de Portugal pela zona de Chaves, tendo permanecido um ano na União Soviética. Quando regressou ao país, soube que a sua mulher, Maria Lourença Cabecinha, fora presa, assim ficando durante mais de cinco anos, entre Abril de 1964 e Setembro de 1969.
Em 31 de Julho de 1971, meses após o nosso encontro, em casa de Arlindo Tavares, António Gervásio, responsável pela estrutura partidária do Ribatejo e Oeste, foi preso terceira vez, pela PIDE, na Marinha Grande, sendo em 22 Fevereiro de 1972 condenado a cerca de 14 anos de prisão e “medidas de segurança”.
Em 25 de Abril de 1974, a Liberdade foi buscá-lo, e a mais 35 presos, ao Forte de Peniche, não para voltar, como nas vezes anteriores, ao silêncio esconso da luta clandestina, mas para calcorrear as alamedas abertas pela esperança de uma nova vida. Obreiro notável, desde muito novo, nos movimentos emancipatórios do proletariado agrícola dos campos do sul, em luta pelas oito horas de trabalho, conquista histórica alcançada em 1962, foi depois um dos protagonistas da gesta notável da Reforma Agrária.
Em 10 de Janeiro, aos 92 anos, morreu António Gervásio, o revolucionário que conheci sem conhecer, a quem chamei camarada com o sentido de responsabilidade e solidariedade que tal palavra então acarretava.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Três efeitos virais »  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia

POLÍTICA E ECONOMIA. De um momento para o outro todo um modo de compreender a política se alterou. Por influência das duas principais constelações ideológicas nascidas do Iluminismo – o liberalismo e o marxismo – a política tinha, paulatinamente, sucumbido aos imperativos da economia.
(ler mais...)


Extraordinário »  2020-03-19  »  Rui Anastácio

A Henriqueta tem 14 anos, é minha filha e teve a delicadeza de me informar que quem diz extraordinário são os velhos. Claro está, que eu do alto dos meus 49 anos não me considero um velho e vivo sobretudo a pensar no futuro, frequentemente não vivendo o presente e sendo por isso extraordinariamente estúpido.
(ler mais...)


Carso, por Rui Anastácio »  2020-03-09  »  Rui Anastácio

Ao que parece, a CIM do Médio Tejo iniciou a colocação de sinalização da “Grande Rota do Carso”. Hoje, as grandes rotas podem ser um importante instrumento de desenvolvimento turístico. Em Portugal, temos o extraordinário exemplo da Rota Vicentina, que leva todos os anos muitos milhares de turistas, de todo o mundo, ao sudoeste alentejano e à costa vicentina.
(ler mais...)


Outra vez as estradas »  2020-03-07  »  António Gomes

A Assembleia Municipal de Torres Novas foi chamada a pronunciar-se sobre o estado das estradas do concelho e sobre uma solução apresentada pelo Bloco.
A proposta recomendava o levantamento rigoroso da dimensão da rede viária a necessitar de intervenção (o que existe é um levantamento feito pelas juntas de freguesia que nos diz que existem 126 estradas e ruas em mau estado), a abertura de um concurso público para empreitada a realizar nos próximos 3 anos e com um valor de 5 milhões de euros.
(ler mais...)


A SAGA / FUGA DE FRANCISCO DUARTE MENDES »  2020-03-07  »  José Alves Pereira

O título deste texto é uma adaptação, a partir de uma obra de ficção, do escritor galego Gonzalo Torrente Ballester, A Saga e Fuga de J.B. Como veremos, seria difícil encontrar um título que melhor correspondesse aos factos aqui reportados, sendo que são já poucos os viventes que de tal guardam memória.
(ler mais...)


Fabrióleo »  2020-03-07  »  Acácio Gouveia

As notícias sobre processos intentados pela Fabrióleo contra Pedro Triguinho merecem algumas reflexões. Pedro Triguinho, recorde-se, havia acusado a Fabrióleo de ser causadora de cancros na população vítima da poluição produzida por aquela empresa.
(ler mais...)


Um vírus abre uma fresta »  2020-03-06  »  Jorge Carreira Maia

Nos acontecimentos ligados à emergência do coronavírus, podemos dizer que há duas realidades ligadas acidentalmente. A primeira diz respeito à eventual pandemia, à facilidade do contágio que proporciona um mundo aberto e no qual toda gente viaja para todo o lado.
(ler mais...)


Terminal 3 em Tancos? Sim, era mesmo isto. »  2020-03-06  »  Jorge Salgado Simões

Portugal precisa de uma solução aeroportuária para Lisboa. O aeroporto Humberto Delgado está saturado, a sofrer obras que vão permitir aumentar ainda mais o tráfego aéreo na capital e que dão muito jeito à concessionária da ANA, mas que não resolvem o problema de base: aquela localização, no centro da cidade, não tem futuro, não tem capacidade, não é aceitável do ponto de vista da segurança ou da qualidade de vida dos milhares de residentes próximos.
(ler mais...)


Retratos, por Inês Vidal »  2020-03-03  »  Inês Vidal

Matilde é filha de um alfaiate que costurava togas para juízes em Coimbra e de uma modista de alta costura, responsável pelas criações que a mulher de Carmona vestia. Filipe é alentejano e foi atrás de Cristina, que chegou a Torres Novas.
(ler mais...)


Pau de dois bicos »  2020-02-22  »  Anabela Santos

Como sabemos, um pau de dois bicos tem dois lados, o positivo e o negativo. É normalíssimo que, ao longo da vida, se encontrem várias situações que consideramos trazerem, ao mesmo tempo, vantagens e desvantagens por variadas razões.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-03-06  »  Jorge Salgado Simões Terminal 3 em Tancos? Sim, era mesmo isto.
»  2020-03-06  »  Jorge Carreira Maia Um vírus abre uma fresta
»  2020-03-09  »  Rui Anastácio Carso, por Rui Anastácio
»  2020-03-19  »  Rui Anastácio Extraordinário
»  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia Três efeitos virais