• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 27 Fevereiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 19° / 8°
Períodos nublados
Seg.
 19° / 7°
Períodos nublados
Dom.
 20° / 8°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  21° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

DE-VA-GA-RI-NHO

Opinião  »  2020-04-17  »  Jorge Salgado Simões

"O refrear súbito da velocidade abre-nos a possibilidade de fazer tudo muito mais devagar"

Nas últimas semanas já houve quem visse os Himalaias a mais de duzentos quilómetros de distância. Já houve quem preconizasse o fim do capitalismo, o fim das ditaduras, o fim dos regimes populistas, ou o fim da nossa vida em sociedade. E houve até quem jurasse ver golfinhos nos canais de Veneza. Bem, o momento é histórico e deixará marcas. Mas naturalmente também é dado a coisas com pouco sentido.

A minha perceção é que, aos poucos, esquecidos do que se passou, regressaremos aos velhos caminhos que seguíamos até março de 2020. E é até com alguma pena que o digo porque, na verdade, esta paragem forçada tem revelado possibilidades que valeria a pena enraizar no pós-crise epidemiológica. Deixo-vos quatro exemplos disto mesmo:

A VIDA MAIS LIGADA. Parece um paradoxo que em tempos de distanciamento nos vejamos mais ligados uns aos outros. Na verdade, o que temos vivido é uma crescente necessidade de adaptação que se tem manifestado num aprofundamento rápido, porque necessário, da utilização das ferramentas digitais que já tínhamos disponíveis e que agora temos mesmo de utilizar. 
 
A VIDA RECENTRADA. Menos dependente das grandes centralidades urbanas e sujeita a mobilidades mais voluntárias e espaçadas, permitindo a desconcentração que estamos mesmo a precisar do ponto de vista da ocupação do território. As distâncias vão-se manter, mas a acessibilidade será cada vez mais determinada pela disponibilidade e qualidade da ligação digital. 
   
A VIDA MENOS FICCIONADA. Com menos realidades inventadas. As discussões em torno da confiança dos dados da pandemia, dos meios que temos e não temos para a combater, e até da comunicação que é feita por estes dias, provam que, de governos e autoridades, precisamos de verdade e assertividade, mais conteúdo e menos imagem, truques ou sucessões de anúncios de coisas que um dia podem, eventualmente, acontecer. 
 
A VIDA MAIS DEVAGAR. Não há necessidade de grandes pressas. O refrear súbito da velocidade abre-nos a possibilidade de fazer tudo muito mais devagar, pensado e executado com mais sentido. E se calhar, no final, concluiremos que é assim que devemos continuar, com tempo a sobrar para fazer outras coisas, usufruir do que por aqui anda à nossa volta ou mesmo para não fazer absolutamente mais nada.   

Confesso que não sei se isto são tendências de facto ou apenas desejos que se vêm manifestando por conta do meu próprio confinamento. Pelo sim pelo não, mantenham-se por aí para vermos como é que isto acaba.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nicolau III - rui anastácio »  2021-02-22  »  Rui Anastácio

Dizia-se do último czar da Rússia, Nicolau II, que a sua opinião era a opinião da última pessoa com quem tinha falado. Cem anos depois, Nicolau II reencarnou em alguma daquela rapaziada que tomou conta dos principais partidos da nossa democracia.
(ler mais...)


Na mouche - josé ricardo costa »  2021-02-22  »  José Ricardo Costa

Quando saí de Torres Novas para ir estudar em Lisboa já sabia que iria depois sair de Lisboa para vir trabalhar em Torres Novas. A primeira razão para voltar foi de natureza umbilical: eu ser de Torres Novas como outros são de Mangualde ou Famalicão.
(ler mais...)


A pandemia, o Estado e os portugueses - jorge carreira maia »  2021-02-22  »  Jorge Carreira Maia

Se se observar o comportamento dos portugueses perante a pandemia, talvez seja possível ter um vislumbre daquilo que somos e de como gostamos de ser governados. Obviamente que não nos comportamos todas da mesma forma e não gostamos todos de ser governados da mesma maneira.
(ler mais...)


Altruísmo heróico e outras fábulas - carlos paiva »  2021-02-22  »  Carlos Paiva

O herói nacional, melhor jogador de futebol do mundo de sempre, segundo dizem, foi protagonista numa daquelas histórias que são matéria-prima para solidificar lendas. Nessa história, sublinhando as origens humildes, o estratosférico conquista mais um laço com o Zé comum.
(ler mais...)


A oportunidade da sobra - antónio gomes »  2021-02-22  »  António Gomes

Apesar da limitação de vacinas nesta fase, o país tem vindo a ser confrontado com variados episódios de vacinação fora do que está priorizado. Há sempre alguém que se julga acima das normas ou que faz as suas próprias normas e ultrapassa assim os que estão na fila, ou então por via de terceiros chegam primeiro à seringa.
(ler mais...)


São sobras, Senhor! São sobras! - ana lúcia cláudio »  2021-02-22  »  Ana Lúcia Cláudio

Na falta de acções presenciais, multiplicaram-se, nos últimos meses, as iniciativas on-line sobre os mais diversos assuntos. Num destes eventos em que participei, sensibilizou-me, particularmente, o testemunho de um ex-ministro social-democrata que, quando questionado sobre um eventual regresso à vida política mais activa, reconheceu que não pretende fazê-lo porque, e nas suas palavras, os quatro anos em que foi ministro mudaram-no, levando amigos e familiares mais próximos a dizerem-lhe que, nessa altura, ele não era “o mesmo Nuno”.
(ler mais...)


PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal »  2021-02-20  »  Inês Vidal

 1. O PSD de Torres Novas é uma anedota. Ao mesmo tempo que digo isto, ouço já ao fundo vozes a erguerem-se contra esta forma crua e dura de arrancar com este texto. Imagino até as conclusões de quem tem facilidade de falar sem saber: é do Bloco, dizem uns, comunista desde sempre, atiram outros, indo ainda mais longe, lembrando que dirige aquele pasquim comunista, conforme aprenderam com o ex-presidente socialista.
(ler mais...)


Vacina »  2021-02-18  »  Hélder Dias

Développé - rui anastácio »  2021-02-07  »  Rui Anastácio

Passo de ballet, movimento em que a bailarina estica graciosamente a perna, tem diferentes níveis de dificuldade consoante a direcção da perna e a altura a que chega o pé, requer um grande equilíbrio e um elevado nível de concentração.
(ler mais...)


Não sabemos morrer - inês vidal »  2021-02-05  »  Inês Vidal

Ouço os sinais ao longe. Um pranto gritado bem alto, do alto dos sinos da igreja, por alguém que partiu. É já raro ouvir-se. Por norma, pelo menos na nossa cidade, ecoam apenas pelos que muito deram de si à causa religiosa.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-02-05  »  Carlos Paiva Hill Street Blues - carlos paiva
»  2021-02-20  »  Inês Vidal PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal
»  2021-02-05  »  Jorge Carreira Maia O estranho caso das vacinas - jorge carreira maia
»  2021-02-18  »  Hélder Dias Vacina
»  2021-02-22  »  José Ricardo Costa Na mouche - josé ricardo costa