• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 06 Abril 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 19° / 13°
Céu muito nublado com chuva moderada
Qua.
 19° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  19° / 12°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Terminal 3 em Tancos? Sim, era mesmo isto.

Opinião  »  2020-03-06  »  Jorge Salgado Simões

"A solução do Montijo, como aeroporto complementar à Portela, tem os problemas já conhecidos"

Portugal precisa de uma solução aeroportuária para Lisboa. O aeroporto Humberto Delgado está saturado, a sofrer obras que vão permitir aumentar ainda mais o tráfego aéreo na capital e que dão muito jeito à concessionária da ANA, mas que não resolvem o problema de base: aquela localização, no centro da cidade, não tem futuro, não tem capacidade, não é aceitável do ponto de vista da segurança ou da qualidade de vida dos milhares de residentes próximos.

A solução do Montijo, como aeroporto complementar à Portela, tem os problemas já conhecidos: condicionantes técnicas da pista, tempo de vida útil demasiado pequeno, constrangimentos ambientais a sobrar, populações contra, necessidade de acessos, etc. Tem sobretudo a inexistência da avaliação ambiental estratégica legalmente obrigatória que permite a comparação de cenários e uma melhor fundamentação do investimento. Mais à frente ainda pagaremos por isto.

Havia a possibilidade de construção de um novo aeroporto em Alcochete, que chegou a reunir grande consenso. Tinha avaliação de impacte ambiental emitida, mas um equipamento com estas características, que o próprio António Costa defendia para retirar a Portela de Lisboa e dar um novo parque verde à capital, foi considerado demasiado caro para as contas públicas do país em 2007/2008.

É neste contexto que surge a possibilidade de Tancos como Terminal 3 do Aeroporto Humberto Delgado (foi assim que há cerca de dois anos o PSD distrital abordou o tema), que resulta do debate com pilotos, controladores aéreos, ambientalistas e outros especialistas, e que parece ser claramente uma solução intermédia, rápida, barata, permitindo ao país ganhar tempo nesta questão.

A discussão não é a mesma que Monte Real ou Coimbra, já para não falar de Beja. Em Tancos, podemos ter o que existe noutros países, um aeroporto complementar a uma hora de distância do centro da cidade. E se o Terminal 2 foi feito na Portela em muito pouco tempo com cerca de 40 milhões de euros, o mesmo pode aqui ser feito. A infraestrutura existe, precisa de uns ajustes, mas tem o comboio perto e autoestrada à porta. E facilmente se arranjariam ligações em concessão entre Lisboa e o Terminal 3, em modelos similares aos que encontramos há muito tempo quando voamos para Londres (Luton), Bruxelas (Charleroi) ou Milão (Bergamo), por exemplo.

Tancos pode muito bem ser isto: HDL/LIS Terminal 3, com muitas outras vantagens para a nossa região e para todo o interior do país. É a solução definitiva para o problema da circulação aeroportuária de Lisboa? Não. Mas tentem lá arranjar outra com iguais potencialidades.

NR: Na edição em papel, e devido a uma troca de ficheiros de imagem, este texto aparece em nome de Jorge Cordeiro Simões. Fica o nosso pedido de desculpas ao Jorge Salgado Simões e ao Jorge Cordeiro Simões.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Barbárie ou bem comum »  2020-04-05  »  João Carlos Lopes

O perigoso anarquista e cripto-comunista Papa Francisco já tinha dito e vem dizendo, desde 2013, que “esta economia mata”. Mais recentemente, na saudação ao Ano Novo e falando de paz, desmascarou a hipocrisia dos países e governantes que enchem a boca de paz e todos os anos aumentam escandalosamente as despesas com armamento e com os seus exércitos.
(ler mais...)


Estudar em casa »  2020-04-05  »  Anabela Santos

Devido às Covid-19, este mal que assombra todo o mundo em geral, cerca de dois milhões de alunos, em Portugal, foram retirados da escola e enviados para casa onde, até ao dia de hoje, têm de permanecer, sabendo que “não estão de férias”, como afirma Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação.
(ler mais...)


E depois do “corona”? »  2020-04-05  »  António Gomes

Não se conhece a cura para o corona vírus. Mandaram-nos ficar em casa para fazer o combate. E é assim mesmo. Não havendo cura, o melhor é apostar na prevenção. O isolamento social é pois o melhor remédio.
(ler mais...)


Intervalo »  2020-04-05  »  Jorge Salgado Simões

O que mais me impressiona nos últimos dias é o silêncio. A sensação de que alguém carregou num botão e que, de repente, travámos a fundo, como se tudo isto fosse um grande intervalo indefinido.
(ler mais...)


OS VENTOS DA NOSSA INQUIETAÇÃO »  2020-04-05  »  José Alves Pereira

Os tempo preocupantes que vivemos não são propícios a pensamentos e análises com lucidez e serenidade, mergulhando-nos em múltiplos casos colaterais, em detrimento do essencial. Teorias da conspiração, responsabilizações de países e entidades num clima em que a desorientação e o medo levam a um irracional desabafar de sentimentos, transportando por arrastão, de forma descontextualizada, modos de vida e de sociabilidade.
(ler mais...)


Não há fartura que não dê em fome »  2020-04-05  »  Maria Augusta Torcato

Eu sei que o ditado popular é ao contrário, “não há fome que não dê em fartura”. Mas, aqui, na realidade que hoje vivemos , e dependendo da perspetiva de análise, creio que se aplica melhor o inverso.
(ler mais...)


Fico em (que) casa »  2020-04-05  »  Ana Lúcia Cláudio

“Quando, no dia 31 de dezembro de 2019, ao comer aquela passa, desejei passar mais tempo com a minha família, não era bem nisto que estava a pensar” - É uma das muitas frases com alguma graça que circula por estes dias nas redes sociais, provando que o terror psicológico da gestão de um vírus e dos seus efeitos colaterais ainda consegue aguçar a criatividade e o sentido de humor.
(ler mais...)


Um arco-íris em tons de cinza, por Inês Vidal »  2020-04-05  »  Inês Vidal

Por estes dias, pedi às minhas filhas que pintassem um arco-íris para pendurarmos na porta de casa. Algo que dissesse, em todas as línguas latinas, e a quem por ali passasse, “vai ficar tudo bem”. No fundo, acho que me queria sentir uma boa mãe, daquelas que passaram os últimos quinze dias em casa a fazer de ponte entre seus filhos, uma escola fechada e uma resma de aulas online que mais parecia trabalhos forçados.
(ler mais...)


Uma comunidade de seres racionais »  2020-04-04  »  Jorge Carreira Maia

A senhora Thatcher terá escrito, num livro de memórias sobre o tempo em que foi primeira-ministra, que “não existe essa coisa de sociedade, o que há e sempre haverá são indivíduos”.
(ler mais...)


Três efeitos virais »  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia

POLÍTICA E ECONOMIA. De um momento para o outro todo um modo de compreender a política se alterou. Por influência das duas principais constelações ideológicas nascidas do Iluminismo – o liberalismo e o marxismo – a política tinha, paulatinamente, sucumbido aos imperativos da economia.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-03-09  »  Rui Anastácio Carso, por Rui Anastácio
»  2020-03-19  »  Rui Anastácio Extraordinário
»  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia Três efeitos virais
»  2020-04-05  »  Inês Vidal Um arco-íris em tons de cinza, por Inês Vidal
»  2020-04-05  »  Maria Augusta Torcato Não há fartura que não dê em fome