• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 35° / 15°
Períodos nublados
Ter.
 33° / 16°
Períodos nublados
Seg.
 36° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A razão e o desejo

Opinião  »  2014-09-12  »  Jorge Carreira Maia

Uma estimativa da população portuguesa para 2060 (faltam cerca de 45 anos) prevê que sejamos, nessa altura, seis milhões. Isto é, os dados apontam para que nos próximos 45 anos Portugal perca 40% da sua população, para além de um acentuado aumento da população idosa. Uma das formas de mascarar o verdadeiro cerne do problema reside na recorrente lamentação de que os políticos não criam condições para as pessoas terem filhos. Apesar de haver alguma verdade na afirmação, e de não existirem políticas eficazes de apoio às famílias, o problema encontra-se noutro lado.

Pode-se parafrasear Kant e dizer que a natureza teria andado muito mal se tivesse confiado à razão humana a propagação da espécie. Até há algumas décadas, a propagação da vida humana estava fundada não na escolha e decisão racional dos indivíduos, mas no desejo cego presente no impulso sexual. Desejo esse que sempre se mostrou eficaz para assegurar a continuidade da espécie humana. A descoberta da pílula permitiu a construção de dispositivos eficazes de planeamento familiar. O que significa isto? Significa que a propagação da espécie foi retirada do âmbito do desejo sexual e colocada sob uma decisão aparentemente racional dos indivíduos. Paulatinamente, as pessoas deixam de ter filhos porque optam por não tê-los. A geração de novos seres passou a depender da razão calculadora dos progenitores, que podem separar o prazer sexual da reprodução.

A introdução da razão no processo de procriação acabou por ter efeitos – se medidos pelo interesse racional dos indivíduos – contraditórios. As pessoas alegam não ter filhos por falta de condições para tal. Agem segundo o seu interesse particular. Mas há consequências destas decisões. A diminuição da população, devido ao planeamento racional dos nascimentos, acaba por ir contra os interesses futuros dos indivíduos, pois deixa de haver quem lhes possa assegurar uma velhice com um módico de dignidade. A introdução do planeamento familiar veio resolver importantes problemas sociais. A verdade, porém, é que criou outros, porventura bem mais graves.

O assunto é ainda mais crítico pois a razão que criou o problema parece impotente para o resolver. Os portugueses vão desaparecendo não porque um epidemia os leva, uma guerra de extermínio se abate sobre eles ou uma catástrofe natural os dizima. Vão desaparecer porque – como outros povos ocidentais – confiaram à razão aquilo – a propagação da vida – que sempre foi da jurisdição do cego desejo sexual. Tudo tem um preço.

www.kyrieeleison-jcm.blogspot.com

 

 

 Outras notícias - Opinião


Balanço político da legislatura »  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia

Partido Socialista. Nunca, na história da democracia portuguesa, tinha havido um governo suportado por toda a esquerda parlamentar. António Costa e os socialistas foram os grandes beneficiários da inovação.
(ler mais...)


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-07-05  »  Inês Vidal Umbigos, por Inês Vidal
»  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica
»  2019-07-04  »  António Gomes PLANTAR ÁRVORES
»  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia Balanço político da legislatura