• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 21 Setembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 22° / 14°
Períodos nublados
Qua.
 24° / 18°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 25° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  25° / 15°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Jornal, virtual, viral

Opinião  »  2014-09-25  »  Miguel Vale de Almeida

Em 1998 colaborei com uma crónica regular para o ”Torrejano”. Nestas coisas, não há como ser transparente. Nada me ligava ao jornal, nem à terra que o criou. A não ser... A não ser a amizade pessoal, antiga, com um dos seus (re)criadores. Junte-se isto – que até já deveria bastar – a uma quase patológica pulsão pelo opinar, e não havia como escapar. Mas há talvez uma história que valha a pena contar. Biográfica, pessoal, mas inevitavelmente ligada à história do próprio país nos finais do século 20 e inícios do 21.

Entre 1992 e 1996 tive uma crónica semanal no jornal Público, na sua edição dominical. As cónicas que ali escrevi ganharam – não gosto de falsas modéstias – alguma aceitação e relevo. Sei porquê. Em primeiro lugar pelo estilo e pela retórica. Nunca gostei de escrever ”à portuguesa”, num grande relambório de frases complicadas, invocando uma qualquer autoridade aristocrática das elites letradas. Se Miguel Esteves Cardoso já tinha inaugurado um estilo novo de escrita de opinião, eu recorri a algo de semelhante, mas aplicado a outros temas. E essa é a segunda razã escrever sobre política, escrever sobre o pequeno quotidiano (a partir de um olhar de antropólogo, até) e, sobretudo, escrever sobre género e sexualidade, com um tom e um estilo despreocupado, direto, sem autocensura e a partir de uma pulsão de liberdade, de recusa visceral do mofo e do bafio nacionais, resultou.

Mas eis que em 1996 uma reestruturação naquele jornal levou à cessação da minha colaboração – em circunstâncias aliás desagradáveis. Percebo hoje que foi o sinal do que aí vinha: uma espécie de liberalização geral de tudo que, na comunicação social, passaria pelo triunfo do negócio sobre a informação, da defesa de interesses sobre a pluralidade. O espaço para o intelectual público desaparecia, como o espaço para a busca de novas vozes, ambos substituídos pelos opinadores-funcionários, uma espécie de coleção de representantes de posicionamentos enquistados – nos partidos, nos interesses, e quase sempre puxando ao centro, um centro não só político, mas de consenso cultural.

Felizmente, nesse momento apareceu o uso generalizado da internet e durante muitos anos dedicar-me-ia a um blogue, depois de um breve período experimentando uma página pessoal. O tempo do boom dos blogues foi o tempo de uma curiosa democratização da opinião, mas operando em paralelo à comunicação social. Também aí houve, claro, ”transferências”, com algum bloguismo transitando para a opinião publicada autorizada e até mesmo para a política e a governação. Mais recentemente, o universo dos blogs esmoreceu e foi substituído em larga medida pelo Facebook. Toda uma outra coisa, claro, feita de redes de sociabilidade mais caóticas – no bom e no mau sentido -, que os blogues ainda funcionavam demasiado por ”tribos”. Aderi ao Facebook (não ao Twitter, que me parece parco e nervoso e sem possibilidade de verdadeira escrita), e muito, por ter percebido que ali – e ao contrário do que se pensa – não é preciso ficar prisioneiro da futilidade e do narcisismo. Pode-se criar a linguagem, tom, estilo e linha de conteúdo que se quiser, e assim substituir a crónica e o blogue. Mas sempre, e ainda, com a comunicação social funcionando em paralelo, em autarcia e isolamento.

Pelo caminho, o ”Torrejano”, justamente entre o ”Público” e o começo do blogue. Uma espécie de recusa, de auto-expulsão da capital do Império do Mal (o jornal de âmbito nacional), e antes de passar para o não-lugar internáutico e virtual de um blogue (e, mais tarde, o ”lugar viral” do Facebook). Alguém poderia ver isso, sobranceiramente, como um recuo, um refúgio, um remanso, um período nas termas ou na montanha mágica. Eu vi-o como um símbolo das sobreposições entre percurso individual e percurso de Portugal. Do jornal ao virtual ao viral, precisamos de opinião, em todas as frentes. E o jornal local ou regional tem esta característica extraordinária: o seu localismo impede-o de se perder no grande negócio de influências da imprensa nacional e permite-lhe ganhar características de rede e comunidade que só as redes sociais viriam a proporcionar às pessoas que, como eu, vivem sem uma geografia localizada e comunitária.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A mesa - rui anastácio »  2020-09-12  »  Rui Anastácio

Tenho um certo fascínio por mesas. Ao longo da minha vida já mandei fazer algumas. Quase sempre mesas grandes e robustas. Onde se possam sentar muitas pessoas. Onde se possa beber um bom vinho, comer muito, conversar muito, discutir muito, praguejar, gritar, lutar por ideias e ideais.
(ler mais...)


Aventurazinha no Comboio Fantasma - miguel sentieiro »  2020-09-12  »  Miguel Sentieiro

Hoje apetece-me escrever uma história baseada em factos verídicos com algumas notas ficcionadas para se conseguir tornar a narrativa menos densa e nauseabunda. Um indivíduo com 80 anos entra na urgência do Hospital de Torres Novas com fortes dores abdominais.
(ler mais...)


Democracia e representatividade - mariana varela »  2020-09-12  »  Mariana Varela

A democracia é, essencialmente, um sistema político que assenta na soberania popular, isto é, um regime em que a legitimidade do poder político emana do povo. Definir ou explicar a noção de democracia não é difícil.
(ler mais...)


A ruptura do discurso - jorge carreira maia »  2020-09-12  »  Jorge Carreira Maia

Nos últimos tempos três assuntos têm concentrado os interesses das redes sociais que dão atenção ao fenómeno político. O racismo, a festa do Avante e a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento no ensino não superior.
(ler mais...)


As cabras do reino - carlos paiva* »  2020-09-12  »  Carlos Paiva

Era uma vez um reino. O rei tomou conhecimento que uma república aliada doava dinheiro a quem quisesse criar cabras com o intuito de limpeza do mato nas serras, de modo a diminuir o risco de incêndios. Uma solução barata, neste caso de borla, e acima de tudo não poluente, amiga do ambiente, tema muito em voga entre os gentios.
(ler mais...)


Fabrióleo: ir até ao fim - antónio gomes »  2020-09-12  »  António Gomes

O encerramento da Fabrióleo é um facto. O sofrimento das pessoas e o atentado ao ambiente estão agora mais próximos do fim. Quem não luta, não alcança.
Durante muitos anos, a poluição dos solos e das linhas de água foram a marca daqueles poluidores, nunca se importando com as consequências dos seus actos.
(ler mais...)


Agricultores - rui anastácio »  2020-09-01  »  Rui Anastácio

Falámos em Inglês. Não sei de onde vinham, vinham de bicicleta de bem longe, pela sua tez seriam originários do centro da Europa. Uma das bicicletas estava furada, com o pneu destroçado. Ofereci-lhes o meu spray antifuro.
(ler mais...)


O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela »  2020-09-01  »  Mariana Varela

Nós, seres humanos, habitamos e partilhamos este mesmo Mundo, algo que nos une enquanto Humanidade. Ainda que todos façamos parte de uma realidade universal, possuímos uma identidade baseada nas nossas próprias experiências pessoais e características únicas.
(ler mais...)


O outro somos nós - margarida trindade »  2020-09-01  »  Margarida Trindade

Numa muito recente viagem de família, a dada altura e já próximos do destino, a fim de sabermos qual o caminho a tomar, parámos numa bomba de gasolina e baixados os vidros das janelas, lançámos às três pessoas sentadas na mesa da esplanada a demanda pela estrada a seguir.
(ler mais...)


O rio do fururo - josé mota pereira »  2020-09-01  »  José Mota Pereira

Nos diferentes modelos de desenvolvimento para o concelho, há que reconhecê-lo, os poderes municipais estão muitas vezes limitados nos seus poderes de decisão. Mas, as suas decisões – ou não decisões – e aquilo que consideram estratégico, tem reflexos e consequências para o futuro dos concelhos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-01  »  José Mota Pereira O rio do fururo - josé mota pereira
»  2020-09-01  »  Rui Anastácio Agricultores - rui anastácio
»  2020-09-01  »  Mariana Varela O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela
»  2020-09-12  »  Mariana Varela Democracia e representatividade - mariana varela
»  2020-09-01  »  Jorge Carreira Maia Saudades da ditadura - jorge carreira maia