• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 29 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 18° / 10°
Céu nublado
Sex.
 17° / 13°
Céu muito nublado com chuva fraca
Qui.
 16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Jornal, virtual, viral

Opinião  »  2014-09-25  »  Miguel Vale de Almeida

Em 1998 colaborei com uma crónica regular para o ”Torrejano”. Nestas coisas, não há como ser transparente. Nada me ligava ao jornal, nem à terra que o criou. A não ser... A não ser a amizade pessoal, antiga, com um dos seus (re)criadores. Junte-se isto – que até já deveria bastar – a uma quase patológica pulsão pelo opinar, e não havia como escapar. Mas há talvez uma história que valha a pena contar. Biográfica, pessoal, mas inevitavelmente ligada à história do próprio país nos finais do século 20 e inícios do 21.

Entre 1992 e 1996 tive uma crónica semanal no jornal Público, na sua edição dominical. As cónicas que ali escrevi ganharam – não gosto de falsas modéstias – alguma aceitação e relevo. Sei porquê. Em primeiro lugar pelo estilo e pela retórica. Nunca gostei de escrever ”à portuguesa”, num grande relambório de frases complicadas, invocando uma qualquer autoridade aristocrática das elites letradas. Se Miguel Esteves Cardoso já tinha inaugurado um estilo novo de escrita de opinião, eu recorri a algo de semelhante, mas aplicado a outros temas. E essa é a segunda razã escrever sobre política, escrever sobre o pequeno quotidiano (a partir de um olhar de antropólogo, até) e, sobretudo, escrever sobre género e sexualidade, com um tom e um estilo despreocupado, direto, sem autocensura e a partir de uma pulsão de liberdade, de recusa visceral do mofo e do bafio nacionais, resultou.

Mas eis que em 1996 uma reestruturação naquele jornal levou à cessação da minha colaboração – em circunstâncias aliás desagradáveis. Percebo hoje que foi o sinal do que aí vinha: uma espécie de liberalização geral de tudo que, na comunicação social, passaria pelo triunfo do negócio sobre a informação, da defesa de interesses sobre a pluralidade. O espaço para o intelectual público desaparecia, como o espaço para a busca de novas vozes, ambos substituídos pelos opinadores-funcionários, uma espécie de coleção de representantes de posicionamentos enquistados – nos partidos, nos interesses, e quase sempre puxando ao centro, um centro não só político, mas de consenso cultural.

Felizmente, nesse momento apareceu o uso generalizado da internet e durante muitos anos dedicar-me-ia a um blogue, depois de um breve período experimentando uma página pessoal. O tempo do boom dos blogues foi o tempo de uma curiosa democratização da opinião, mas operando em paralelo à comunicação social. Também aí houve, claro, ”transferências”, com algum bloguismo transitando para a opinião publicada autorizada e até mesmo para a política e a governação. Mais recentemente, o universo dos blogs esmoreceu e foi substituído em larga medida pelo Facebook. Toda uma outra coisa, claro, feita de redes de sociabilidade mais caóticas – no bom e no mau sentido -, que os blogues ainda funcionavam demasiado por ”tribos”. Aderi ao Facebook (não ao Twitter, que me parece parco e nervoso e sem possibilidade de verdadeira escrita), e muito, por ter percebido que ali – e ao contrário do que se pensa – não é preciso ficar prisioneiro da futilidade e do narcisismo. Pode-se criar a linguagem, tom, estilo e linha de conteúdo que se quiser, e assim substituir a crónica e o blogue. Mas sempre, e ainda, com a comunicação social funcionando em paralelo, em autarcia e isolamento.

Pelo caminho, o ”Torrejano”, justamente entre o ”Público” e o começo do blogue. Uma espécie de recusa, de auto-expulsão da capital do Império do Mal (o jornal de âmbito nacional), e antes de passar para o não-lugar internáutico e virtual de um blogue (e, mais tarde, o ”lugar viral” do Facebook). Alguém poderia ver isso, sobranceiramente, como um recuo, um refúgio, um remanso, um período nas termas ou na montanha mágica. Eu vi-o como um símbolo das sobreposições entre percurso individual e percurso de Portugal. Do jornal ao virtual ao viral, precisamos de opinião, em todas as frentes. E o jornal local ou regional tem esta característica extraordinária: o seu localismo impede-o de se perder no grande negócio de influências da imprensa nacional e permite-lhe ganhar características de rede e comunidade que só as redes sociais viriam a proporcionar às pessoas que, como eu, vivem sem uma geografia localizada e comunitária.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Rui Rio faz o seu caminho »  2020-01-24  »  Jorge Carreira Maia

Rui Rio tornou a vencer as eleições internas do PSD. Isso terá contrariado muita gente à direita, gente despeitada e ansiosa de que se retorne à política de punição das classes populares imposta por Passos Coelho.
(ler mais...)


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?
»  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia O discurso do rancor