• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 35° / 15°
Períodos nublados
Ter.
 33° / 16°
Períodos nublados
Seg.
 36° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A Cruz, o Crato e os corninhos do Pinho

Opinião  »  2014-10-10  »  Jorge Carreira Maia

Portugal é um país curioso. Talvez o leitor esteja lembrado de Manuel Pinho, antigo ministro da Economia, num governo de Sócrates. Acabou a carreira política numa troca de galhardetes com a bancada do PCP. No calor da disputa, não se conteve e fez uns terríveis corninhos para o deputado Bernardino Soares, salvo erro. Não apenas a honra do deputado comunista foi posta em causa, como a própria pátria terá ficado de tal maneira lesada pelos dois dedos que saíram pelas laterais da testa do ministro que este teve de se demitir.

Olhemos para estes últimos meses da governação de Portugal. Nenhum ministro perdeu as estribeiras e fez corninhos para a oposição. Mas a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, e o ministro da Educação, Nuno Crato, são responsáveis por dois inenarráveis processos de desarticulação da Justiça e da Educação em Portugal. Processos judiciais parados, confusão nos tribunais, pessoas com a vida suspensa a aguardar que o sistema volte à normalidade. Alunos sem professores, professores colocados e despedidos, professores deslocados para um lado e depois para o outro, escolas fechadas. Um pandemónio. Tanto Teixeira da Cruz como Nuno Crato são responsáveis políticos directos por transtornos inimagináveis na vida de muita gente. Isso parece ser muito menos grave que os corninhos de Manuel Pinho.

Não digo que a demissão de Manuel Pinho, motivada pelo seu gesto, foi excessiva. Aquilo que ele fez, e o levou à demissão, em nada prejudicou os portugueses, enquanto as decisões e a gestão de Teixeira da Cruz e de Nuno Crato causaram sérios prejuízos às instituições, à sociedade e a muitos cidadãos. Demitiram-se? Foram demitidos? Não, no momento em que escrevo este artigo, leio que o primeiro-ministro afasta a demissão de Crato. Em Portugal, um ministro pode ser demitido por uma pilhéria de mau gosto, mas se afecta os cidadãos com os seus erros parece que deve ser protegido, senão mesmo louvado.

Estes episódios mostram duas coisas. Em primeiro lugar, que há muito mais tolerância para ministros de direita do que para ministros de esquerda, mesmo que seja de uma esquerda que quase não se distingue da direita. Em segundo lugar, e o mais importante, é que erros ministeriais (não digo políticas, digo erros) – fundamentalmente, se vieram da direita – que afectem ou destruam a vida das pessoas não têm qualquer sanção. Fica claro o valor que os cidadãos têm aos olhos do governo. Nenhum! Afecta-se a vida da população, paciência. O ministro pede desculpa e amanhã é outro dia. Grave, grave é se um ministro faz uns corninhos. Aí a pátria vai abaixo.

www.kyrieeleison-jcm.blogspot.com

 

 

 Outras notícias - Opinião


Balanço político da legislatura »  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia

Partido Socialista. Nunca, na história da democracia portuguesa, tinha havido um governo suportado por toda a esquerda parlamentar. António Costa e os socialistas foram os grandes beneficiários da inovação.
(ler mais...)


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-07-05  »  Inês Vidal Umbigos, por Inês Vidal
»  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica
»  2019-07-04  »  António Gomes PLANTAR ÁRVORES
»  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia Balanço político da legislatura