• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 23 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados
Dom.
 19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
Sáb.
 19° / 9°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  19° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A histeria e a hipocrisia

Opinião  »  2014-11-21  »  Ricardo Jorge Rodrigues

Primeiro, a histeria.

O ébola não é coisa nova. O vírus foi descoberto há 38 anos, precisamente em 1976, por uma equipa do Instituto de Medicina Tropical de Antuérpia. Nunca ninguém quis saber das consequências deste vírus mortal que ataca há décadas. Até que há alguns meses o vírus nos bateu à porta.

Gerou-se uma sensação de catástrofe mundial, numa cena digna de ser apresentada ao mundo pelo nosso Artur Albarran, que ficará para sempre gravado nas nossas memórias pela introdução fatalista com que nos apresentava as suas reportagens: ”o drama, a tragédia, o horror”.

E com este som de fundo fomos formatados para uma coisa que não existe: uma pandemia global. Não existe. Não quero exagerar ao ponto de afirmar que foi tudo um golpe de marketing, ao nível da Gripe A, mas há claramente um aproveitamento diss nas vendas de material hospitalar, na comercialização de produtos higiénicos e até – imaginem! – na venda de peluches com a forma do vírus. Existe um vírus mortal com quatro décadas que se espalhou além das fronteiras habituais, e foi isto que nos assustou. Porque estamos habituados ao nosso conforto e no hemisfério norte há este comodismo conveniente de vivermos bem com o mal do hemisfério sul.

O caos tem a particularidade de gerar mais caos. É contra producente. Apenas favorece, precisamente, quem espalha o caos. O pináculo desta histeria global teve os nossos vizinhos espanhóis como protagonistas. Quando se confirmou o contágio da enfermeira Teresa Romero as autoridades acharam por bem internar o seu marido e… assassinar o seu cão. Recuso-me a usar o termo abater porque esse usa-se em casos extremos e para poupar o animal a maior sofrimento. Uma espécie de eutanásia. Tudo o resto é um assassínio. O cão da enfermeira, de seu nome Excalibur, foi assassinado porque sim. Porque o homem acha-se superior a todas as outras espécies e revela um total desprezo e hipocrisia por aquilo que pode transtornar o seu conforto. O tiro que matou o Excalibur foi um tiro na nossa dignidade, foi a prova de que damos valor residual à condição animal, por mais leis e decretos que disfarcem essa evidência.

Por último, a hipocrisia.

Como referi, esta doença é familiar às autoridades mundiais desde 1976. Uma vida, portanto. Muitas outras vidas foram perdidas enquanto sacudimos por cima do ombro aquilo que não queremos ver.

Em quase quarenta anos desta doença registaram-se milhares de mortes em África e nunca ninguém quis saber. Nunca ninguém investiu para procurar uma cura, não eram enviados medicamentos experimentais para teste nem se geravam campanhas de solidariedade. Meia-dúzia de pessoas não-africanas foram infectadas e o mundo entra numa espécie de cataclismo sem retorno. E, dessas pessoas não-africanas infectadas, nenhuma morreu por uma eficaz actuação das autoridades. Esclarecedor, correcto?

Entretanto, em Portugal, com o aparecimento do vírus legionella parece que o ébola deixou de ser um problema mediático. A questão de fundo é esta: ou é um problema grave, ou não é. Se deixou repentinamente de ser uma preocupação, é porque não é um problema grave.

A certeza que fica de tudo isto é que o vírus mundial mais fácil de propagar é o da estupidez humana no espaço mediático, sobretudo quando as pessoas não se questionam e assumem tudo o que ouvem como factual.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nos ecos da festa do Avante! - josé alves pereira »  2020-10-09  »  José Alves Pereira

Falemos da festa do Avante!, agora que a poeira assentou e o aranzel antidemocrático cessou, transferindo-se para outros acontecimentos. Não é tanto do evento em si mesmo, mas do contexto em que ele este ano se construiu e realizou.
(ler mais...)


O pau da República - josé mota pereira »  2020-10-09  »  José Mota Pereira

Na manhã outonal do 5 de Outubro de 2020, erguia-se majestoso no topo da praça o vigoroso mastro aguardando a bandeira republicana que deveria ter vindo. Vão longe os tempos da praça, que ainda antes ser deste dia de Outubro tinha o nome do último Bragança e recebia a visita do jovem rei dom Manuel, entre os aplausos da multidão que acenando ao ilustre lhe atirava "viva o rei dom manelinho que é tão bom e bonitinho" – pelo menos assim contou aos seus descendentes, mais palavra, menos palavra, uma antepassada minha que não conheci.
(ler mais...)


A bicicleta - rui anastácio »  2020-10-09  »  Rui Anastácio

No meu concelho há uma terra onde tenho alguns bons amigos. Essa terra chama-se Vila Moreira. Foi lá que encontrei o meu primeiro trabalho. Tinha então 15 anos e uma bicicleta amarela que me levava a quase todos os sítios onde queria ir.
(ler mais...)


Ler os nossos escritores - jorge carreira maia »  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia

É possível que a maioria esmagadora dos portugueses tenha ouvido o nome de Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis e Eça de Queiroz. São eles o fundamento a partir do qual se foi construindo a literatura de ficção nacional e que teve o seu grande momento de reconhecimento com a atribuição do Nobel a José Saramago.
(ler mais...)


Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva »  2020-10-09  »  Carlos Paiva

Em amena cavaqueira entre amigos, a discutir o desempenho autárquico, ou a falta dele, surgiu a frase: “…criticar a Câmara Municipal é fácil…”. Concordei de imediato. Aliás, reforcei que é O MAIS fácil.
(ler mais...)


IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes »  2020-10-09  »  António Gomes

O ano que atravessamos, e com toda a certeza também o próximo, são anos de excepção, anos particularmente difíceis para muitas famílias. Os rendimentos são menores, em alguns casos muito menores, muitos negócios fecharam ou estiveram fechados vários meses, o que aí vem ainda não se sabe, mas advinha-se, infelizmente.
(ler mais...)


Crónicas de Timor I - Vida em isolamento - anabela santos »  2020-10-09  »  AnabelaSantos

Este texto será o relato de uma quarentena ou de uma solidão imposta, sem floreamento ou qualquer romantismo pela razão óbvia: é um isolamento e é imposto.
Depois da clausura de vinte e oito horas dentro de um avião que me leva até Timor e que, mesmo fazendo escala no Dubai e na Malásia, não abriu as suas portas para, pelo menos, desentorpecer as pernas e arejar um pouco.
(ler mais...)


A falta de cidadania de quem a recusa - ana lúcia cláudio »  2020-10-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Os primeiros dias de regresso às aulas têm sido marcados por dois grandes assuntos. O primeiro, o que nos assola a todos desde Março e que obrigou os responsáveis das escolas a definir e adaptar estratégias e formas de prevenção do coronavírus, na sequência das directrizes definidas pela Direcção-Geral de Saúde.
(ler mais...)


A roleta russa - jorge carreira maia »  2020-09-28  »  Jorge Carreira Maia

A questão do novo coronavírus tornou-se uma espécie de roleta russa em dois momentos. No primeiro, o tambor da pistola roda para descobrirmos se somos ou não contaminados. Caso sejamos, ele torna a rodar, agora de forma decisiva.
(ler mais...)


Boys - rui anastácio »  2020-09-28  »  Rui Anastácio

A palavra parece ser inglesa, mas é apenas aparência. É uma palavra portuguesa, com certeza. Foi proferida, pela primeira vez, nos idos anos 90 pelo actual secretário-geral das nações unidas. “No jobs for the boys”.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato
»  2020-10-09  »  Carlos Paiva Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva
»  2020-10-09  »  António Gomes IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes
»  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia Ler os nossos escritores - jorge carreira maia
»  2020-10-09  »  Rui Anastácio A bicicleta - rui anastácio