• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 26 Setembro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 26° / 12°
Céu limpo
Ter.
 22° / 13°
Períodos nublados
Seg.
 23° / 15°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  24° / 14°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A pandemia, o Estado e os portugueses - jorge carreira maia

Opinião  »  2021-02-22  »  Jorge Carreira Maia

" Confiar que parte dos cidadãos iria comportar-se racionalmente no Natal, sem que houvesse qualquer proibição e ameaça, foi um acto de grande irresponsabilidade política"

Se se observar o comportamento dos portugueses perante a pandemia, talvez seja possível ter um vislumbre daquilo que somos e de como gostamos de ser governados. Obviamente que não nos comportamos todas da mesma forma e não gostamos todos de ser governados da mesma maneira. No entanto, pode-se argumentar que temos mais inclinação para certas coisas do que para outras. Tanto no primeiro confinamento como no actual, o comportamento dos portugueses tem sido exemplar e os resultados são óptimos na contenção do perigo. Quando, porém, os portugueses ficaram entregues à sua responsabilidade, quando o enfrentamento da pandemia dependeu da autonomia de cada um, os resultados foram catastróficos. Portugal passou de um caso exemplar para a situação de país, proporcionalmente, com mais contágios em todo o mundo.

Quando é que as decisões políticas foram eficazes? Quando foram drásticas e impostas pela força. Isso aconteceu no primeiro confinamento e está a acontecer no actual. Quando é que as decisões políticas foram ineficazes? Quando se entendeu confiar no comportamento razoável dos portugueses, em vez de se exercer uma autoridade muito clara. A catástrofe do mês de Janeiro deveu-se a uma errada interpretação política – a começar no governo e no Presidente da República – do comportamento de parte significativa dos portugueses, o que conduziu a consequências terríveis. Confiar que parte dos cidadãos iria comportar-se racionalmente no Natal, sem que houvesse qualquer proibição e ameaça, foi um acto de grande irresponsabilidade política tanto do governo como do Presidente da República, bem como dos partidos representados na Assembleia.

 O que diz isto sobre os portugueses, ou parte significativa deles? Diz que estão muito dependentes da autoridade do Estado. Diz que gostam pouco da autonomia individual, quando esta implica responsabilidade pessoal. Quando a autoridade do Estado se exerce de forma clara e ameaçadora, os portugueses obedecem. Quando o Estado apela a comportamentos racionais dos cidadãos, sem exercer autoridade, parte significativa das pessoas comporta-se de forma perigosa e irracional. Este é um problema estrutural na nossa sociedade, a ausência de um comportamento liberal. Um comportamento liberal significa aqui que os indivíduos agem razoavelmente sem necessitarem da ameaça do Estado. Usam a sua liberdade para se conter e evitar situações perigosas. Enquanto parte dos portugueses dispensar este comportamento liberal, o Estado será um pai – ora benevolente, ora ríspido – que lhe ditará como se deve comportar.

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O vinho de Almeirim e os “políticos de Lisboa” - joão carlos lopes »  2021-09-20  »  João Carlos Lopes

Arreliado com a legislação que exige alguma contenção aos autarcas em funções, no que diz respeito à difusão de informação relacionada com obras, inaugurações e outras iniciativas durante o período eleitoral, o presidente da Câmara de Almeirim disse que a culpa é dos “políticos de Lisboa”, que fazem leis que só lançam confusão.
(ler mais...)


Apedeuta, insipiente, mentecapto, néscio - carlos paiva »  2021-09-16  »  Carlos Paiva

Por altura do lançamento do programa “Novas Oportunidades” (em 2007), recordo-me de ver uma entrevista na televisão em que a jornalista na rua perguntava a um cidadão jovem se ele achava importante estudar. Respondeu qualquer coisa como: “Sim, é bastante importante.
(ler mais...)


O fundamentalismo eleitoral (II) - pedro ferreira »  2021-09-16  »  Pedro Ferreira

 

Na primeira parte desta crónica, tentei criar no leitor uma postura crítica sobre aquele que acho ser o maior dogma da nossa sociedade, de forma a ficar mais receptivo a alternativas. Se no fim de a leres não ganhaste uma aversão ao uso de eleições para atribuir cargos públicos e nem te questionaste sobre alternativas a este método, ficaste pelo menos a saber qual era a minha intenção.
(ler mais...)


Qual o perigo da direita populista? - jorge carreira maia »  2021-09-16  »  Jorge Carreira Maia

Quando se fala do perigo da direita populista ou radical, já com representação nacional, estamos a falar de quê? Que perigo para a democracia essas forças representam? Uma tentação, em certos sectores da esquerda, é de falar em retorno ao fascismo.
(ler mais...)


Transtorno Ciclotímico - josé ricardo costa »  2021-09-16 

Quando era novo, havia uma coleção de livros de capa preta dedicada à explicação de grandes enigmas, os quais, décadas antes do Ecstasy, já fritavam os cérebros de muitos jovens, dando aos respectivos córtex o poder intelectual de um ovo estrelado.
(ler mais...)


EDITORIAL - O muro da vergonha da gestão socialista - editorial »  2021-09-01 

1. Uma das histórias que trazemos hoje em da edição destaque é paradigmática do que tem sido esta gestão socialista, afogada ano após ano, mês após mês, numa sequência imparável de casos que põe a nu a sua desorientação e laxismo, a falta de transparência, a política do esconde-esconde até serem apanhados, o governo para o facebook e para selfie (põem-se fotografias ao pé de três ou quatro carros que foram adquiridos, não estamos a gozar, afixa-se uma placa numa rua que se requalificou, valha-nos o santíssimo, outra placa porque um ministro visitou umas obras numas escola - a sério!-, vai-se a correr tirar fotos junto aos velhinhos que estão a ser vacinados, numa sucessão vertiginosa de imbecilidades infantis em que se alinham, pior que isso tudo, questões graves da governação como o caso da queixa-crime da nova farmácia, as visitas da Judiciária, as contratações de serviços de centenas de milhares de euros num carrossel de empresas, uma sempre a mesma com novo NIF, em associação com mais uma ou duas que rodam nas candidaturas em convites limitados, as obras ilegais à beira da estrada que só se conhecem quando já estão quase prontas, o assalto informático partidário a outra candidatura que deixou tudo na mesma, a vacina das sobras que tudo na mesma deixou, sem consequências, os contratos ruinosos que os torrejanos vão pagar por anos e anos, porque a dívida de muitos milhões continua a crescer e porque não há nada que se faça que não tenha de se recorrer a empréstimo, como o caso desta obra do muro no rio.
(ler mais...)


Frenesim - antónio gomes »  2021-08-30 

É assim neste Agosto, véspera de eleições. O presidente depois de ter sido envergonhado por Fernando Tordo no dia 25 de Abril, lá foi pintar a fachada do Virgínia. Os projectos de obras são aprovados à mão cheia pelo mesmo presidente, o que conta é que na propaganda do PS apareçam os projectos como obras aprovadas, ou com concurso lançado, e ainda outras com início para breve e outras quase, quase prontas…

A penúltima reunião de Câmara deste mandato, a realizar-se em 31 de Agosto, vai pronunciar-se sobre a reabilitação do largo da rua dos Ferreiros abandonado há vários anos e também sobre a reabilitação do terreiro de Santa Maria, junto ao castelo e largo do Salvador, igualmente esquecidos há largos anos.
(ler mais...)


Basta de eleger o fundamentalismo eleitoral - pedro ferreira »  2021-08-30  »  Pedro Ferreira

Há cartazes nas ruas, há obras inauguradas, há opiniões dadas de bandeja: há autárquicas em Torres Novas. Antes melhores amigos e dupla famosa, os velhos de bigode comportam-se como cachopos que querem ser eleitos delegados de turma.
(ler mais...)


O cronista divaga numa tarde de verão - josé mota pereira »  2021-08-30  »  José Mota Pereira

A mãe da ML trabalha por turnos. Muitos dias da semana o horário de saída do trabalho vai para além do horário do infantário onde a ML passa os dias. Tal como acontece com muitos meninos e meninas deste país, tem calhado à avó (que ainda trabalha) a tarefa de ir buscar a menina ao infantário ao fim da tarde e com ela passar o tempo até a entregar à companhia materna.
(ler mais...)


Afeganistão e Thánatos - jorge carreira maia »  2021-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Afeganistão (1). Nas imagens chegam do Afeganistão, desde as que mostram a facilidade com que os talibans se apoderaram do país até às do desespero de quem procura sair, há qualquer coisa que deveria fazer corar de vergonha aos ocidentais.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-09-16  Transtorno Ciclotímico - josé ricardo costa
»  2021-09-01  EDITORIAL - O muro da vergonha da gestão socialista - editorial
»  2021-08-30  »  Pedro Ferreira Basta de eleger o fundamentalismo eleitoral - pedro ferreira
»  2021-09-16  »  Pedro Ferreira O fundamentalismo eleitoral (II) - pedro ferreira
»  2021-09-20  »  João Carlos Lopes O vinho de Almeirim e os “políticos de Lisboa” - joão carlos lopes