• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 18° / 9°
Céu nublado
Qua.
 18° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 12°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A falta de comparência nas Presidenciais

Opinião  »  2020-06-08  »  Jorge Carreira Maia

"É inadmissível que parte significativa do eleitorado – ora de direita, ora de esquerda – não se sinta confortável com as escolhas eleitorais que lhe são apresentadas. Isso não dá saúde à democracia."

Tornou-se um hábito nacional a inexistência de um candidato forte que se oponha à reeleição dos Presidentes da República em exercício. A única excepção é a de 1980 em que Ramalho Eanes enfrentou Soares Carneiro. Nem a candidatura de Manuel Alegre contra Cavaco Silva, aquando da reeleição deste, pode ser considerada como uma aposta forte do centro-esquerda na corrida a Belém. Na prática, o que se passa em Portugal é que um Presidente é eleito por 10 anos.

Se exceptuarmos o caso de Ramalho Eanes, que foi reeleito num tempo em que a democracia portuguesa ainda procurava encontrar o seu caminho, os outros presidentes – Mário Soares, Jorge Sampaio, Cavaco Silva e Marcelo Rebelo de Sousa – esforçaram-se por liquidar, durante o primeiro mandato, a possibilidade de emergir um concorrente sério que lhe pusesse em causa a reeleição. Todavia isto não se deve apenas ao talento político daqueles que ocupam o palácio de Belém, mas é potenciado pelo cálculo e cobardia política do centro.

Do centro-direita, como no caso das reeleições de Mário Soares e de Jorge Sampaio. Do centro-esquerda, como no caso da reeleição de Cavaco Silva. Os partidos no poder mesmo que não simpatizem com a personagem política que ocupa a Presidência, evitam ser confrontados com uma ampla derrota eleitoral. Pensam que lhes será mais favorável fingir que estão deslumbrados com o exercício político do Presidente. Por norma, essa ficção tem um preço que o Presidente reeleito não deixará de cobrar. A questão, todavia, ultrapassa o jogo partidário e põem causa a própria democracia.

É inadmissível que de dez em dez anos uma parte perca por falta de comparência, que não ofereça uma alternativa credível ao ocupante de Belém, mesmo correndo o risco de uma derrota severa. É inadmissível que parte significativa do eleitorado – ora de direita, ora de esquerda – não se sinta confortável com as escolhas eleitorais que lhe são apresentadas. Isso não dá saúde à democracia e permite que fenómenos marginais ganhem terreno nas presidenciais para se afirmarem na sociedade.

António Costa e os socialistas podem ter imaginado muitos cenários favoráveis para lidar com um Marcelo Rebelo de Sousa de mãos livres. Isso não os exime, caso o apoiem ou caso não exista no centro-esquerda uma alternativa séria, da responsabilidade de contribuírem para a degradação da democracia e da própria Presidência da República. A democracia faz-se de alternativas fortes e de disputa eleitoral. Não de cálculos e conveniências partidárias sobre o que é melhor para quem está no governo.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal