• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 23 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados
Dom.
 19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
Sáb.
 19° / 9°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  19° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A falta de cidadania de quem a recusa - ana lúcia cláudio

Opinião  »  2020-10-09  »  Ana Lúcia Cláudio

"Não temos de concordar com tudo o que nos é imposto numa democracia representativa"

Os primeiros dias de regresso às aulas têm sido marcados por dois grandes assuntos. O primeiro, o que nos assola a todos desde Março e que obrigou os responsáveis das escolas a definir e adaptar estratégias e formas de prevenção do coronavírus, na sequência das directrizes definidas pela Direcção-Geral de Saúde.
O segundo, aquele que, se não fossem as proporções entretanto tomadas, seria apenas um “fait divers” da “rentrée”. Tem andados nas bocas do mundo e nas parangonas da imprensa a discussão sobre se a disciplina de Cidadania, introduzida há uns anos nos currículos do ensino básico, deverá ou não passar a revestir carácter facultativo.
Independentemente de estar em causa uma disciplina que deve ensinar e sensibilizar adolescentes para as regras de convivência e respeito por que deveremos pautar a nossa conduta enquanto cidadãos, temem alguns que os currículos andem ao sabor das ideologias, correndo-se o risco de evangelizar num sentido ou noutro as nossas inocentes criancinhas.
Como se as boas regras, a ética e a sã convivência pudessem mudar ao sabor das ideologias. Como se o facto de se discutir assuntos importantes na escola impedisse os pais ou os dispensasse de fazer o mesmo em casa. Ou, como se nestas idades, os adolescentes bebessem tudo o que lhes é dito sem estarem constantemente a questionar os adultos e não fossem, na maior parte das vezes, do contra pelo simples prazer de o ser.
Se a discussão sobre o carácter facultativo ou obrigatório da disciplina me parece admissível, o mesmo não acontece com os contornos do caso concreto, sobejamente conhecido, que lhe deu origem. Questiona-se se devem reprovar por faltas os alunos que por iniciativa dos pais deixaram de a frequentar. Ou melhor, se ainda que com base numa decisão discutível constar de um currículo obrigatório, podem os pais e encarregados de educação potenciar o incumprimento, fazendo com que por sua iniciativa os seus filhos não frequentem as aulas.
Faz-me lembrar uma altura, na escola primária do meu filho mais novo, em que a professora só enviava trabalhos de casa se os pais concordassem. Tal situação levava o meu petiz a vangloriar-se perante os amigos que, como a mãe era contra os trabalhos de casa, estava livre de os fazer. E sou-o, de facto. Contra os trabalhos de casa sem sentido e em quantidade exagerada, sobretudo. Mas, obviamente que, quando são obrigatórios podendo penalizar o percurso escolar dos alunos, eles tornam-se nisso mesmo, obrigatórios para os meus filhos e para os dos outros que assim terão de os fazer sem pestanejar, discuta-se ou não a razoabilidade dos mesmos.
A mesma ordem de razões penso eu que se aplica na questão que verso neste texto. Não temos de concordar com tudo o que nos é imposto numa democracia representativa. No entanto, ainda que não seja isso que defendamos nas instâncias próprias e da forma correcta, compete-nos enquanto cidadãos cumprir o que nos é imposto pela sociedade humanista e pelo sistema político democrático em que vivemos.
Por último, duas recentes achas para esta fogueira e que me levam a reconsiderar o que referi acima sobre o que considerava ser a razoabilidade da discussão sobre o eventual carácter facultativo da disciplina em causa.
A petição, recentemente subscrita e apresentada por um eurodeputado da nação, que resvala desde logo para algumas pérolas quando, ao propor que se expurgue da disciplina o que é político, se insurge contra aquilo que denomina “toda uma doutrina de género”. Não concretiza a que pretende referir-se, mas infelizmente imaginamos que possa ir na esteira do que também por estes dias veio a público sobre um professor da (minha) faculdade de Direito de Lisboa, que numa revista por esta editada defende enormidades contra aquilo que neste século devíamos dar com adquirido e inquestionável: a igualdade de direitos, deveres e oportunidades entre homens e mulheres. Num discurso que, se não fosse trágico poderia parecer anedótico, compara o feminismo ao nazismo, denominando o primeiro como o “mais criminoso regime da história”.
Pergunto eu: é isto que se pretende afastar com disciplinas como cidadania? Se sim, sentencio: disciplina obrigatória.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nos ecos da festa do Avante! - josé alves pereira »  2020-10-09  »  José Alves Pereira

Falemos da festa do Avante!, agora que a poeira assentou e o aranzel antidemocrático cessou, transferindo-se para outros acontecimentos. Não é tanto do evento em si mesmo, mas do contexto em que ele este ano se construiu e realizou.
(ler mais...)


O pau da República - josé mota pereira »  2020-10-09  »  José Mota Pereira

Na manhã outonal do 5 de Outubro de 2020, erguia-se majestoso no topo da praça o vigoroso mastro aguardando a bandeira republicana que deveria ter vindo. Vão longe os tempos da praça, que ainda antes ser deste dia de Outubro tinha o nome do último Bragança e recebia a visita do jovem rei dom Manuel, entre os aplausos da multidão que acenando ao ilustre lhe atirava "viva o rei dom manelinho que é tão bom e bonitinho" – pelo menos assim contou aos seus descendentes, mais palavra, menos palavra, uma antepassada minha que não conheci.
(ler mais...)


A bicicleta - rui anastácio »  2020-10-09  »  Rui Anastácio

No meu concelho há uma terra onde tenho alguns bons amigos. Essa terra chama-se Vila Moreira. Foi lá que encontrei o meu primeiro trabalho. Tinha então 15 anos e uma bicicleta amarela que me levava a quase todos os sítios onde queria ir.
(ler mais...)


Ler os nossos escritores - jorge carreira maia »  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia

É possível que a maioria esmagadora dos portugueses tenha ouvido o nome de Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis e Eça de Queiroz. São eles o fundamento a partir do qual se foi construindo a literatura de ficção nacional e que teve o seu grande momento de reconhecimento com a atribuição do Nobel a José Saramago.
(ler mais...)


Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva »  2020-10-09  »  Carlos Paiva

Em amena cavaqueira entre amigos, a discutir o desempenho autárquico, ou a falta dele, surgiu a frase: “…criticar a Câmara Municipal é fácil…”. Concordei de imediato. Aliás, reforcei que é O MAIS fácil.
(ler mais...)


IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes »  2020-10-09  »  António Gomes

O ano que atravessamos, e com toda a certeza também o próximo, são anos de excepção, anos particularmente difíceis para muitas famílias. Os rendimentos são menores, em alguns casos muito menores, muitos negócios fecharam ou estiveram fechados vários meses, o que aí vem ainda não se sabe, mas advinha-se, infelizmente.
(ler mais...)


Crónicas de Timor I - Vida em isolamento - anabela santos »  2020-10-09  »  AnabelaSantos

Este texto será o relato de uma quarentena ou de uma solidão imposta, sem floreamento ou qualquer romantismo pela razão óbvia: é um isolamento e é imposto.
Depois da clausura de vinte e oito horas dentro de um avião que me leva até Timor e que, mesmo fazendo escala no Dubai e na Malásia, não abriu as suas portas para, pelo menos, desentorpecer as pernas e arejar um pouco.
(ler mais...)


A roleta russa - jorge carreira maia »  2020-09-28  »  Jorge Carreira Maia

A questão do novo coronavírus tornou-se uma espécie de roleta russa em dois momentos. No primeiro, o tambor da pistola roda para descobrirmos se somos ou não contaminados. Caso sejamos, ele torna a rodar, agora de forma decisiva.
(ler mais...)


Boys - rui anastácio »  2020-09-28  »  Rui Anastácio

A palavra parece ser inglesa, mas é apenas aparência. É uma palavra portuguesa, com certeza. Foi proferida, pela primeira vez, nos idos anos 90 pelo actual secretário-geral das nações unidas. “No jobs for the boys”.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato
»  2020-10-09  »  Carlos Paiva Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva
»  2020-10-09  »  António Gomes IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes
»  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia Ler os nossos escritores - jorge carreira maia
»  2020-10-09  »  Rui Anastácio A bicicleta - rui anastácio