• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 20° / 12°
Céu nublado
Ter.
 18° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 17° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A falta de cidadania de quem a recusa - ana lúcia cláudio

Opinião  »  2020-10-09  »  Ana Lúcia Cláudio

"Não temos de concordar com tudo o que nos é imposto numa democracia representativa"

Os primeiros dias de regresso às aulas têm sido marcados por dois grandes assuntos. O primeiro, o que nos assola a todos desde Março e que obrigou os responsáveis das escolas a definir e adaptar estratégias e formas de prevenção do coronavírus, na sequência das directrizes definidas pela Direcção-Geral de Saúde.
O segundo, aquele que, se não fossem as proporções entretanto tomadas, seria apenas um “fait divers” da “rentrée”. Tem andados nas bocas do mundo e nas parangonas da imprensa a discussão sobre se a disciplina de Cidadania, introduzida há uns anos nos currículos do ensino básico, deverá ou não passar a revestir carácter facultativo.
Independentemente de estar em causa uma disciplina que deve ensinar e sensibilizar adolescentes para as regras de convivência e respeito por que deveremos pautar a nossa conduta enquanto cidadãos, temem alguns que os currículos andem ao sabor das ideologias, correndo-se o risco de evangelizar num sentido ou noutro as nossas inocentes criancinhas.
Como se as boas regras, a ética e a sã convivência pudessem mudar ao sabor das ideologias. Como se o facto de se discutir assuntos importantes na escola impedisse os pais ou os dispensasse de fazer o mesmo em casa. Ou, como se nestas idades, os adolescentes bebessem tudo o que lhes é dito sem estarem constantemente a questionar os adultos e não fossem, na maior parte das vezes, do contra pelo simples prazer de o ser.
Se a discussão sobre o carácter facultativo ou obrigatório da disciplina me parece admissível, o mesmo não acontece com os contornos do caso concreto, sobejamente conhecido, que lhe deu origem. Questiona-se se devem reprovar por faltas os alunos que por iniciativa dos pais deixaram de a frequentar. Ou melhor, se ainda que com base numa decisão discutível constar de um currículo obrigatório, podem os pais e encarregados de educação potenciar o incumprimento, fazendo com que por sua iniciativa os seus filhos não frequentem as aulas.
Faz-me lembrar uma altura, na escola primária do meu filho mais novo, em que a professora só enviava trabalhos de casa se os pais concordassem. Tal situação levava o meu petiz a vangloriar-se perante os amigos que, como a mãe era contra os trabalhos de casa, estava livre de os fazer. E sou-o, de facto. Contra os trabalhos de casa sem sentido e em quantidade exagerada, sobretudo. Mas, obviamente que, quando são obrigatórios podendo penalizar o percurso escolar dos alunos, eles tornam-se nisso mesmo, obrigatórios para os meus filhos e para os dos outros que assim terão de os fazer sem pestanejar, discuta-se ou não a razoabilidade dos mesmos.
A mesma ordem de razões penso eu que se aplica na questão que verso neste texto. Não temos de concordar com tudo o que nos é imposto numa democracia representativa. No entanto, ainda que não seja isso que defendamos nas instâncias próprias e da forma correcta, compete-nos enquanto cidadãos cumprir o que nos é imposto pela sociedade humanista e pelo sistema político democrático em que vivemos.
Por último, duas recentes achas para esta fogueira e que me levam a reconsiderar o que referi acima sobre o que considerava ser a razoabilidade da discussão sobre o eventual carácter facultativo da disciplina em causa.
A petição, recentemente subscrita e apresentada por um eurodeputado da nação, que resvala desde logo para algumas pérolas quando, ao propor que se expurgue da disciplina o que é político, se insurge contra aquilo que denomina “toda uma doutrina de género”. Não concretiza a que pretende referir-se, mas infelizmente imaginamos que possa ir na esteira do que também por estes dias veio a público sobre um professor da (minha) faculdade de Direito de Lisboa, que numa revista por esta editada defende enormidades contra aquilo que neste século devíamos dar com adquirido e inquestionável: a igualdade de direitos, deveres e oportunidades entre homens e mulheres. Num discurso que, se não fosse trágico poderia parecer anedótico, compara o feminismo ao nazismo, denominando o primeiro como o “mais criminoso regime da história”.
Pergunto eu: é isto que se pretende afastar com disciplinas como cidadania? Se sim, sentencio: disciplina obrigatória.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal