• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 18° / 9°
Céu nublado
Qua.
 18° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 12°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Crónicas de Timor I - Vida em isolamento - anabela santos

Opinião  »  2020-10-09  »  AnabelaSantos

"O pensamento leva-me também à preocupação pelo que está a acontecer pelo mundo. É assustador! "

Este texto será o relato de uma quarentena ou de uma solidão imposta, sem floreamento ou qualquer romantismo pela razão óbvia: é um isolamento e é imposto.
Depois da clausura de vinte e oito horas dentro de um avião que me leva até Timor e que, mesmo fazendo escala no Dubai e na Malásia, não abriu as suas portas para, pelo menos, desentorpecer as pernas e arejar um pouco.
Depois de horas no aeroporto de Díli para literalmente sermos desinfectados na pista de aterragem e depois de todas as burocracias, sermos, finalmente, convidados a entrar numa carrinha que nos deixa em frente da porta de uma casa, que mesmo sem grades, encerra a nossa vida, durante quinze dias.
Pela primeira vez, durante esta pandemia sem fim, eu me senti totalmente presa. Nem na fase do confinamento, por várias razões e cumprindo sempre as regras de segurança, fiquei sem sair de casa. O sol, a luz, os carros, as pessoas, o mar, enfim, a vida está lá fora. O que faço sozinha dentro de uma casa vinte e quatro horas por dia, durante duas semanas?
Não há motivo para desespero. Inspira-se, expira-se, conta-se até dez e reinventamos o nosso dia. Já não há a ida à esplanada para beber café e ler o jornal, mas trouxe Carlos Ruiz Zafón e Urbano Tavares Rodrigues para me fazerem companhia. Li até à última página cada um deles, todavia fizeram-me falta mais livros.
Tenho a Internet que me liga ao resto do mundo, à família e aos amigos. Vamos actualizando a informação através dos meios de comunicação digitais: o vírus que não dá tréguas; a dívida pública, em Portugal, que atingiu o valor mais elevado de sempre; o executivo camarário de Torres Novas que “reduziu” a taxa de IMI e pagou 20 mil euros à empresa EIPWU para a realização de um programa de televisão na cidade; Donald Trump infectado com Covid-19 e o meu Sporting que sofre uma goleada na liga Europa. Mais do mesmo…
Tenho, ainda, as videochamadas com os filhos, a família e os amigos, a lida da casa e a janela que me deixa observar as flores bem tratadas e as galinhas que se passeiam a depenicar em cada canto do quintal. Afinal, lembrando o quintal, reparo que há algum romantismo e bucolismo na cena da quarentena. Com tanta tecnologia e à minha janela tudo parece tranquilo, mas, na verdade, há uma guerra lá fora. Uma luta contra um vírus que me impõe este isolamento obrigatório.
E o tempo não passa! O facto de não dividirmos o tecto com alguém e de não podermos fazer as nossas actividades diárias, como, por exemplo, trabalhar, dá-nos mais tempo para pensar. E o pensamento leva-me aos meus filhos, à minha família e a tudo o que deixei voluntariamente, mas, apesar de ser de forma voluntária e com alegria, o pensamento pode tornar-se doloroso pela saudade.
O pensamento leva-me também à preocupação pelo que está a acontecer pelo mundo. É assustador! Há que evitar estes momentos. Como não tenho como fazer um bolo, lavo roupa. Como diz Urbano Tavares Rodrigues no conto “Desviados”: “eu próprio se não resistir em pensar, me afundarei no espanto amargo de existir”.
E o tempo não passa! Sendo um isolamento imposto, é mais difícil pois é uma solidão imposta. E o tempo não passa! Havendo este isolamento há mais dúvidas, incertezas, saudades e a vontade de estar com gente. É verdade que durante este período da quarentena tive a agradável visita dos agentes de saúde e da direcção da escola, sempre atenciosos e preocupados, mas não houve o chá e a conversa de meia hora. Pelo contrário, o distanciamento obrigatório foi cumprido à regra, eles no quintal, eu na porta, com máscara, sentindo-me uma verdadeira “infectada perigosa”.
Assim, dentro de “quatro paredes”, na companhia de livros, Internet, televisão e da minha janela, se passou o isolamento obrigatório, onde os pensamentos nos levam à preocupação e à estranheza do momento. Mas também viver é estranho. Quinze dias passaram, o resultado do teste é negativo e a porta abre-se.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal