• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

TRUMP “MAU”, TRUMP “BOM”! - josé alves pereira

Opinião  »  2020-11-06  »  José Alves Pereira

"A pandemia apenas veio desnudar as desigualdades e injustiças"

Quando este texto for publicado, é provável que o primeiro passo para saber quem é o novo presidente dos EUA tenha sido dado, ou a julgar pelos sinais que se vão manifestando talvez a saga se venha a prolongar. É sabido que nestas eleições estão Donald Trump e Joe Biden, candidatos, respectivamente, pelos partidos Republicano e Democrata. Se não é sensato equipará-los, tal o abismo comportamental que os separa, igualmente se afigura ilusório tentar encontrar contradições profundas na postura de um ou outro partido. Os EUA assentam numa estrutura política e social estruturalmente violenta, de profundas descriminações e injustiças marcadas por uma amoralidade histórica continuada.

Com republicanos ou democratas, apenas varia o grau da inanidade de um sistema cada vez mais incapaz de superar as suas contradições mais profundas. Os três multimilionários mais ricos possuem uma riqueza equivalente ao rendimento dos 140 milhões de cidadãos mais pobres! É aqui que entra Trump, não como um epifenómeno, mas como expressão do poder dos sectores mais conservadores e reaccionários. A sua alarvidade, pesporrência e desprezo pelo “outro”, o despudor e as mentiras usuais são a amálgama ideológica que une muitos e diversificados interesses. Pretender vê-lo como a pessoa eleita pelo mundo rural profundo, entendido este como atrasado e ignorante, é omitir os verdadeiros poderes que o sustentam, sejam os lobbys do armamentismo, da finança, dos grupos supremacistas brancos ou dos círculos das seitas evangélicas. Na recolha de fundos para a sua campanha, cada convidado, para um beberete, pagava a módica quantia de 250 mil dólares.

A pandemia apenas veio desnudar as desigualdades e injustiças. Dezenas de milhões de desempregados, sem qualquer protecção social, que tendo perdido o emprego ficaram sem seguro de saúde, logo impedidos de aceder aos tratamentos contra o covid. A descriminação racista, de que tivemos, há meses, um repugnante exemplo, é marca identitária dos EUA, e não é de agora. Só que este, por “azar” dos agressores e do sistema político, foi filmado. A segregação racial não atinge estes cidadãos apenas por serem negros; atinge-os porque juntam a esta condição o de serem maioritariamente pobres e como tal excluídos.

Seja com democratas ou republicanos, sempre assim foi. Trump, com a sua venalidade e grosseria, é o homem certo que o sistema precisava e que serve para muitos comentadores, entretidos nas minudências quotidianas, fazerem prova de progressismo não poupando na adjectivação, justa, para caracterizar a personagem, embora por vezes pareça que aproveitam a situação para exorcizar os seus próprios fantasmas.

E é aqui que entra o Trump “bom”, continuador de práticas passadas, muito apreciadas pelos governos das democracias ocidentais. Unidos na mesma cruzada contra a independência de povos e países, incentivam e participam directamente em acções de ingerência desestabilizadoras. É que quando ele se propõe, pela ameaça militar, chantagem económica e pressões diplomáticas, impor um “presidente” a um país livre e soberano (Venezuela), exibem satisfação e dão apoio os governos vassalos da Europa, entre eles o português, partilhando com o presidente da Pepública e tripudiando a Constituição, com os amens naturais da direita ideológica. Calam-se no golpe que afastou Evo Morales (Bolívia), apoiam o governo protofascista da Ucrânia e aceitam que se impeça o auxílio médico a países a braços com o problema do covid.

É longa a lista histórica de conivências. Um traço dominante das políticas da governação Trump, na relação com outros povos e países, não se afasta muito das práticas dos anteriores governos. Alguém saberá destrinçar quem foi quem, republicanos ou democratas, nas agressões ou chantagens à Jugoslávia, Iraque, Síria, Afeganistão, Líbia, Irão, etc. Quem dá suporte, desde há décadas, à repressão, saque de territórios e incumprimento das resoluções da ONU praticadas por Israel. Quem destruiu o Iraque e a Líbia, lançando-os numa guerra civil sem fim à vista, provocando a morte de centenas de milhar de pessoas, tendo naquele primeiro país, que ocupam há dezassete anos, instituído, em Abu Ghraib, um centro de inenarráveis torturas. Quem raptou dezenas de cidadãos em todo o mundo para os enclausurar em jaulas no campo de detenção de Guantanamo, onde apodrecerão, sem julgamento, até à morte. Um país em que o sistema prisional é maioritariamente gerido por empresas privadas, que projectam, constroem e exploram presídios, a quem o estado paga uma verba por preso, usados ainda como mão-de-obra disponível.

Perante este cenário de práticas passadas, não admira que os discursos do candidato democrata se resumam a objecções frouxas em que os argumentos políticos e ideológicos são substituídos, maioritariamente, por fait divers e críticas de ocasião. A tudo isto as democracias ocidentais fecham os olhos, umas vezes apoiando directamente, outras franzindo o sobrolho incomodado, mas objectivamente partilhando um alinhamento cúmplice. Não deixa de ser curioso que apontem o Trump “mau”, mas usem os seus termos, argumentos e manipulações quando se trata de acusar e lançar campanhas de ingerência a países e regimes terceiros, usando-o como se fora um Trump “bom”. Umas vezes porque se situam no mesmo universo de interesses imperiais, outras, como meio calculista de justificar o seu distanciamento e mesmo dessolidariedade de regimes colocados no opróbrio internacional pelos meios mediáticos dominantes.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia