• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 22 de Maio de 2018
Pesquisar...
Sex.
 20° / 14°
Céu nublado com chuva moderada
Qui.
 24° / 14°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 27° / 12°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 11°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Carlos de Oliveira

Opinião  »  2016-11-03  »  Jorge Carreira Maia

"Carlos de Oliveira foi um neo-realista e o neo-realismo tornou-se anátema nos meios culturais. Contudo, o romancista e poeta gandarês nunca foi um neo-realista panfletário."

O público é um deus vindicativo e injusto. Carlos de Oliveira, uma das grandes figuras da literatura portuguesa da segunda metade do século XX, morreu em 1981. Paulatinamente, a sua obra começou a entrar num tempo crepuscular, apagando-se da memória cultural do país, do desejo dos leitores e das estratégias do mercado livreiro. A percepção que tenho – pode estar errada – é que já ninguém, com a excepção de um ou outro especialista, lê Carlos de Oliveira. E isso não é apenas imerecido pelo autor como é uma perda para a cultura portuguesa. É claro que o mundo social sobre o qual escreveu foi tragado pela voragem do tempo e pela radical alteração do modo de viver dos portugueses, tão paroquial na sua época. Isso, porém, não explica a amnésia colectiva.

Também é verdade que Carlos de Oliveira foi um neo-realista – porventura, o mais brilhante – e o neo-realismo tornou-se anátema nos meios culturais. Contudo, o romancista e poeta gandarês nunca foi um neo-realista panfletário. Pelo contrário, toda a sua obra é de uma extrema exigência estética, onde as personagens são mais do que simples invólucros de estereótipos sociais. São gente real, com as contradições que habitam em todos os seres humanos. A sua obra romanesca distribui-se por cerca de dez anos. De Casa na Duna, 1943, a Uma Abelha na Chuva, 1953, passando por Alcateia, 1944, e Pequeno Burgueses, 1948. Exceptua-se o último romance, Finisterra – Paisagem e Povoamento, de 1978.

Este último é uma das obras da literatura portuguesa que mais exige do leitor, pois o trabalho sobre a língua portuguesa é levado a um grau de perfeição invulgar. É um romance onde a descrição tem um papel fulcral, o que, por certo, assusta um público impaciente e superficial. Não foi apenas ao nível do romance que Carlos de Oliveira foi um escritor exigente com o trabalho sobre a linguagem. A sua poesia tem a mesma marca. Há nela, o que sempre lhe foi reconhecido, um trabalho artesanal de grande depuração, como se ele procurasse, em cada poema, encontrar a essência da linguagem, encontrar a palavra poética que antecede todas as palavras gastas e sem aura que usamos no quotidiano. Uma grande poesia, num século onde houve em Portugal poetas extraordinários. Carlos de Oliveira um autor a ler e a reler.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)


Magnésio, uma fonte de bem estar para o organismo »  2018-05-17  »  Juvenal Silva

O magnésio é um mineral muito importante para o organismo, para a produção de energia e a saúde do sistema nervoso, cuja deficiência pode causar sintomas como irritabilidade, cãimbras e fadiga, que podem ser atenuados por meio de alimentos ou suplementos naturais.
(ler mais...)


Admirável Mundo Novo... »  2018-05-17  »  Maria da Luz Lopes

Escrever é um ato que decorre do conhecimento, da cultura e dos valores que convictamente seguimos. Nesta linha de pensamento, não poderia começar esta crónica sem falar de Abril.
Inequivocamente para todos, reconhecemos que 44 anos depois da madrugada de Abril, vivemos uma Democracia quase plena que queremos defender para as gerações vindouras.
(ler mais...)


Nós só queremos um parque na cidade. E porquê? »  2018-05-17  »  Nuno Curado

Existe actualmente a necessidade de complementar o desenvolvimento urbano clássico com elementos ecológicos e naturais. Isto passa não só pela correcta manutenção do arvoredo existente, como da criação de outras áreas de valor ecológico.
(ler mais...)


Sua excelência o Mês de Maio »  2018-05-17  »  Anabela Santos

São doze os meses do ano, todos com um significado importante, especial, particular que depende das vivências e das recordações de cada um de nós.
Novembro deveria ser o meu mês de eleição pois, ao contrário de Luís de Camões, eu não maldigo o dia ou o mês em que nasci.
(ler mais...)


Maior quê? »  2018-05-17  »  Inês Vidal

Quando criei pela primeira vez o meu e-mail pessoal havia uma coisa que me atormentava: a quantidade de e-mails disparatados que me chegavam. Uns a felicitar-me por ter ganho carros de alta cilindrada, outros, bem mais divertidos por sinal, a perguntar se eu estaria interessada em aumentar o tamanho do meu pénis.
(ler mais...)


A nossa pátria »  2018-05-04  »  Jorge Carreira Maia

Ao comprar a nova tradução de Frederico Lourenço da Odisseia de Homero, lembrei-me da célebre frase de Fernando Pessoa ou, melhor, de Bernardo Soares: Minha pátria é a língua portuguesa.
(ler mais...)


Sons bons »  2018-05-03  »  Inês Vidal

Tenho esta coisa de achar que não sou capaz, de que não é para mim, que só os outros é que conseguem. É trabalhoso, não estou à altura, não tenho tempo, não sei como fazer. É uma fraca auto-estima que me acompanha.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia Maio de 68 e democracia
»  2018-05-17  »  José Ricardo Costa Bonés há muitos
»  2018-05-17  »  Inês Vidal Maior quê?