• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 03 Julho 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 34° / 16°
Céu limpo
Seg.
 33° / 15°
Períodos nublados
Dom.
 32° / 16°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
Torres Novas
Hoje  34° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A GRANDE PORTA DE KIEV - josé alves pererira

Opinião  »  2022-06-18  »  José Alves Pereira

" “Que a imaginária “grande porta” possa ser franqueada pelos contendores, pondo termo ao actual conflito."

O conflito em curso na Ucrânia veio dar maior visibilidade à sua capital e sede de governo, Kiev. Como todos os cidadãos, vejo com uma sensação de perda a destruição das estruturas materiais e das vidas, mas igualmente das irreparáveis, no curto prazo, fracturas nas relações humanas. A cidade não me é totalmente desconhecida, mas a impressão que dela retenho é já um pouco difusa. Numa ou noutra imagem actual, penso reconhecer ainda alguns dos sítios por onde andei. É a umas velhas fotografias de 12,5x9 cm, reveladas em papel, que a memória se ampara para vaguear por essas recordações. Numa manhã de Setembro de 1976 chego à estação de comboios de Kiev integrando um grupo de trinta veraneantes numa mistura de turístico, político e cultural. Deixara Moscovo na véspera e no comboio cama fiz de noite os 756 quilómetros que separam as duas cidades. Hoje separa-as, infelizmente, muito mais que essa distância.

A diferença mais sentida à chegada foi a língua, que nos disseram ser em relação ao russo assim como o espanhol para o português. Não vai o meu saber tão longe pelo que tomo por vera a explicação.

Um pouco distante da cidade, visitámos locais que por este ou aquele motivo o justificavam, caso de um kolkhoze – propriedade agrícola estatal - onde se cultivava beterraba. A visita ao Palácio dos Pioneiros, com o olhar naquelas crianças que exercitavam os primeiros movimentos no ballet e outras pautas com as claves, bemóis e sustenidos. Num dia solarengo, sentei-me nas bancadas do estádio olímpico, base habitual do Dynamo de Kiev. De uma colina sobranceira, apreciávamos o largo e caudaloso rio Dnieper. Tudo tão distante já de um solo pisado há pouco mais de trinta anos pelos exércitos germano-fascistas, numa guerra cruenta e demolidora.

Nas instituições visitadas, trocavam-se impressões do que a cada um lembrava, mediadas por um intérprete, um jovem estudante de nome Iuri. Uma figura omnipresente era Taras Shevchenko (1814-1861) poeta, pintor, político, ucraniano. Dele, em várias partes do mundo, existem monumentos, um dos quais inaugurado no Restelo (Lisboa) em 2019. Pareceu-me Kiev uma urbe moderna, muito reconstruída após a II Guerra Mundial, que ali teve episódios dramáticos com a sua ocupação pelos exércitos nazis, entre Setembro 1941 e Novembro 1943. Anos dramáticos e mortíferos, com intensos combates entre as tropas soviéticas e o grosso das hordas nazi-fascistas do general Guderian que na região centro se dirigiam a Moscovo, travadas a escassos quilómetros da Praça Vermelha por uma heróica resistência.

Passados tantos anos e mudanças, é provável que Kiev fosse hoje mais cosmopolita, mas também mais potenciadora de desigualdades. Mas isso é outra história, que nos levaria às manifestações da Praça Maidan, em 2014, e ao início dos tempos sombrios que estamos a assistir. Com o músico russo Modest Mussorgky e a sua composição “Quadros de uma exposição”, relembramos Kiev através do tema que dá título a este texto. Após visitar uma amostra de desenhos e pinturas do seu amigo e arquitecto Viktor Hartmann (1934-1873), Mussorgky compõe uma suite em 15 movimentos em que caracteriza, através dos sons, promenades, sentimentos e impressões de viagens. “A grande porta de Kiev” será o trecho musical finalizador com um timbre e coloridos usados ao longo do tempo em arranjos e orquestrações.

Que a imaginária “grande porta” possa ser franqueada pelos contendores, pondo termo ao actual conflito e repondo o que for possível nas relações entre povos que tantos, demasiados, se esforçam por acirrar.

 

 


 

 

 Outras notícias - Opinião


Tomatina - carlos paiva »  2022-06-18  »  Carlos Paiva

Até os mais distraídos na escola, fui um deles, se devem lembrar do princípio mais básico da física. Para qualquer acção, há uma reacção. Por incrível que pareça, por muito tosco que seja, é o princípio base que orienta e rege todo o método científico, até o de ponta.
(ler mais...)


Escavar no romance português - jorge carreira maia »  2022-06-18  »  Jorge Carreira Maia

Está calor. Em vez de falar de política, como habitualmente, o melhor é derivar e falar de literatura. Não é que o assunto interesse mais aos portugueses do que a política. Não interessa, mas ajuda a suportar o calor e a inflação.
(ler mais...)


Fantoche... »  2022-06-17  »  Hélder Dias

Sim, dou licença - inês vidal »  2022-06-04 

Sempre quis ser espanhola. Gosto e invejo o ritual das cañas e pinchos, ao mesmo tempo que me questiono, intrigada, sobre onde enfiam as crianças para poderem passar os fins de tarde na esplanada. Adoro o conceito. Sempre quis ser espanhola.
(ler mais...)


Aquela máquina - carlos paiva »  2022-06-04 

Somos conhecidos no mundo inteiro como o povo do desenrasca. Não é pelo vinho do Porto, não é pelo CR7, não é pelos descobrimentos, não é pelo clima e pelas praias. É pelo desenrasca. Como testemunham os hábitos de leitura nacionais, temos uma facilidade nata em absorver conhecimento pela prática.
(ler mais...)


A fraternidade - jorge carreira maia »  2022-06-04  »  Jorge Carreira Maia

Dos três princípios da Revolução Francesa – Liberdade, Igualdade e Fraternidade – este último permaneceu sempre numa espécie de limbo. Os grandes debates e os grandes conflitos ideológicos estruturaram-se em torno dos outros dois.
(ler mais...)


Desafiamos a sorte e a tragédia - antónio gomes »  2022-06-04  »  António Gomes

Há longos anos que desafiamos a sorte com a tragédia logo ali à espreita no centro histórico de Torres Novas. As derrocadas das casas abandonadas sucedem-se, felizmente ainda ninguém foi apanhado. A última, na rua da Corrente, veio apenas confirmar a sorte que temos tido e a tragédia que está por perto.
(ler mais...)


Rei Carlos? »  2022-06-02  »  Hélder Dias

Zé Lensky... »  2022-06-01  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-06-17  »  Hélder Dias Fantoche...
»  2022-06-04  Sim, dou licença - inês vidal
»  2022-06-18  »  Jorge Carreira Maia Escavar no romance português - jorge carreira maia
»  2022-06-18  »  Carlos Paiva Tomatina - carlos paiva
»  2022-06-04  »  Jorge Carreira Maia A fraternidade - jorge carreira maia