• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 17 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 12° / 4°
Céu limpo
Dom.
 15° / 6°
Céu limpo
Sáb.
 18° / 11°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  16° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Beija o chão e abraça a humilhação

Opinião  »  2019-02-15  »  Ana Sentieiro

"Que motivo justificará a passagem por esta amarga experiência, alimentada pelo sentimento de vingança?"

Olá! O meu nome é Ana, mas podes tratar-me por “caloira” num tom agressivo e um tanto incomodativo ou, se preferires, “besta”, acompanhado com “Enche vinte!” entoado de um modo pouco sugestivo.
Desde miúdos que somos inevitavelmente encurralados, durante um almoço com amigos dos nossos pais, no meio de breves golos de cerveja e rápidas trincas no papo-seco com patê de atum, na conversa dos “áureos tempos de faculdade”… Esta conversa consiste na partilha de histórias que remontam ao tempo em que todos eles possuíam um farfalhudo cabelo e conseguiam apertar o cinto das calças, bem como subir ao segundo andar sem se agarrarem ao corrimão com a língua de fora e a respiração acelerada.

Histórias estas, quase sempre inacabadas, interrompidas por gargalhadas ou interjeições que sugerem a “loucura total” e “os melhores anos das nossas vidas!”. Assim, como jovens ingénuos e pobremente preparados para a vida, criamos uma expectativa maior do que as pernas do Michael Jordan e, ao sermos atingidos com a primeira semana, a semana de boas vindas entre aspas, os nossos sonhos e perspectivas de futuro são abafados e ouve-se a multidão em uníssono “OHHHH!”.

Pessoal, semana de praxes é uma merda! Aliás, segundo os doutores, os estudantes universitários que frequentam o terceiro ano, que se cobrem com mantas pretas e cujo tarifário de dados móveis é pago pelos pais, eu sou uma merda!

As três horas a olhar para o chão e a gritar cantigas obscenas intercaladas com flexões (à homem, não há cá joelhos no chão!) num solo inclinado cerca de quarenta e cinco graus, levou-me a uma profunda reflexão: os sapatos da Zara são mais barulhentos do que os da Seaside, contudo, os da Seaside têm uma plataforma mais larga, o que parece proporcionar um maior conforto aquando do acto de dar ordens.

No entanto, nem tudo são aspectos menos bons… Temos direito a uma pausa para beber água e ir à casa de banho. Quão amável é este gesto, heim?! Uma clara e intensa prova de humanidade, compaixão, respeito e sobretudo, o esforço de integração desta nova geração de alunos. Estabeleci contacto com apenas uma pessoa e resumiu-se a: “Desculpa, emprestas-me um lenço…para limpar as lágrimas que escorrem pela minha alma e borratam a alegria com que a minha cara vinha pintada.”

A questão que se coloca é: porquê? Que motivo justificará a passagem por esta amarga experiência, alimentada pelo sentimento de vingança?! Passo a explicar: os estudantes que nos praxam foram igualmente praxados e, por sua vez, desenvolveram um trauma, um caixote de humilhação pública e tristeza que tencionam despejar nos caloiros, para que, também nós, sintamos a sede de poder… e água, tendo em conta que os trajes académicos são elegantemente quentes gerando um repugnante suor, que, a meu ver, é um factor que pontapeia a caixinha e a fúria surge no momento em que sou obrigada a gritar “Trinta, caralho!”, equilibrada num só pé e a desejar que o desenho na minha testa não seja um pénis.

A incoerência é que esta ridícula exposição é voluntária. Eu não sou obrigada a participar nas praxes… Aaaah, agora já entendo… Têm razão, excelentíssimos digníssimos senhores doutores! O meu nome é Besta e sou, de facto, uma merda por me sujeitar a este degredo de valores e prisão do intelecto que são as praxes!…vénia.

* estudante de ciências da comunicação na Universidade do Minho

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)


O PDM e a sua revisão »  2019-12-20  »  António Gomes

Parece que é desta. Ao fim de dezoito anos, o processo de revisão do PDM de Torres Novas dá sinais. Foi preciso o governo ameaçar com cortes nas receitas às autarquias que não completarem a revisão deste importante instrumento de ordenamento do território em 2020, para se iniciar tão importante tarefa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-12-20  »  António Gomes O PDM e a sua revisão
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha
»  2019-12-18  »  José Ricardo Costa O mundo a seus pés
»  2019-12-18  »  José Alves Pereira Portugal e os novos Filipes