• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 08 Dezembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 14° / 5°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 15° / 5°
Períodos nublados
Seg.
 16° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  15° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Beija o chão e abraça a humilhação

Opinião  »  2019-02-15  »  Ana Sentieiro

"Que motivo justificará a passagem por esta amarga experiência, alimentada pelo sentimento de vingança?"

Olá! O meu nome é Ana, mas podes tratar-me por “caloira” num tom agressivo e um tanto incomodativo ou, se preferires, “besta”, acompanhado com “Enche vinte!” entoado de um modo pouco sugestivo.
Desde miúdos que somos inevitavelmente encurralados, durante um almoço com amigos dos nossos pais, no meio de breves golos de cerveja e rápidas trincas no papo-seco com patê de atum, na conversa dos “áureos tempos de faculdade”… Esta conversa consiste na partilha de histórias que remontam ao tempo em que todos eles possuíam um farfalhudo cabelo e conseguiam apertar o cinto das calças, bem como subir ao segundo andar sem se agarrarem ao corrimão com a língua de fora e a respiração acelerada.

Histórias estas, quase sempre inacabadas, interrompidas por gargalhadas ou interjeições que sugerem a “loucura total” e “os melhores anos das nossas vidas!”. Assim, como jovens ingénuos e pobremente preparados para a vida, criamos uma expectativa maior do que as pernas do Michael Jordan e, ao sermos atingidos com a primeira semana, a semana de boas vindas entre aspas, os nossos sonhos e perspectivas de futuro são abafados e ouve-se a multidão em uníssono “OHHHH!”.

Pessoal, semana de praxes é uma merda! Aliás, segundo os doutores, os estudantes universitários que frequentam o terceiro ano, que se cobrem com mantas pretas e cujo tarifário de dados móveis é pago pelos pais, eu sou uma merda!

As três horas a olhar para o chão e a gritar cantigas obscenas intercaladas com flexões (à homem, não há cá joelhos no chão!) num solo inclinado cerca de quarenta e cinco graus, levou-me a uma profunda reflexão: os sapatos da Zara são mais barulhentos do que os da Seaside, contudo, os da Seaside têm uma plataforma mais larga, o que parece proporcionar um maior conforto aquando do acto de dar ordens.

No entanto, nem tudo são aspectos menos bons… Temos direito a uma pausa para beber água e ir à casa de banho. Quão amável é este gesto, heim?! Uma clara e intensa prova de humanidade, compaixão, respeito e sobretudo, o esforço de integração desta nova geração de alunos. Estabeleci contacto com apenas uma pessoa e resumiu-se a: “Desculpa, emprestas-me um lenço…para limpar as lágrimas que escorrem pela minha alma e borratam a alegria com que a minha cara vinha pintada.”

A questão que se coloca é: porquê? Que motivo justificará a passagem por esta amarga experiência, alimentada pelo sentimento de vingança?! Passo a explicar: os estudantes que nos praxam foram igualmente praxados e, por sua vez, desenvolveram um trauma, um caixote de humilhação pública e tristeza que tencionam despejar nos caloiros, para que, também nós, sintamos a sede de poder… e água, tendo em conta que os trajes académicos são elegantemente quentes gerando um repugnante suor, que, a meu ver, é um factor que pontapeia a caixinha e a fúria surge no momento em que sou obrigada a gritar “Trinta, caralho!”, equilibrada num só pé e a desejar que o desenho na minha testa não seja um pénis.

A incoerência é que esta ridícula exposição é voluntária. Eu não sou obrigada a participar nas praxes… Aaaah, agora já entendo… Têm razão, excelentíssimos digníssimos senhores doutores! O meu nome é Besta e sou, de facto, uma merda por me sujeitar a este degredo de valores e prisão do intelecto que são as praxes!…vénia.

* estudante de ciências da comunicação na Universidade do Minho

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


A questão ambiental »  2019-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A generalidade dos cidadãos, onde se incluem as elites políticas, não tem qualquer capacidade para julgar se as alterações climáticas em curso são de origem humana ou se são apenas efeitos de uma alteração do clima que ocorre independentemente das acções humanas.
(ler mais...)


No Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados” »  2019-12-05  »  Ana Lúcia Cláudio

Quase dez da noite da última sexta-feira de Novembro, no aeroporto da Portela. Está quente para quem acaba de chegar de um país mais frio. Apanho um táxi para o centro de Lisboa, uma distância suficientemente curta para não ser do agrado dos taxistas.
(ler mais...)


Há um elefante na sala: o ensino superior da região! »  2019-12-05  »  Jorge Salgado Simões

Podemos não falar do assunto. Podemos todos ir pensando nisto sem dizer o que quer que seja, ou fazer do tema não mais do que uma conversa de café, para não melindrar ninguém.

Temos um problema na região com o ensino superior público: dois Institutos Politécnicos, Tomar e Santarém (IPT e IPS), demasiado pequenos e demasiado sozinhos, desligados entre si, pouco atrativos, pouco diferenciadores e com uma sustentabilidade mais do que duvidosa.
(ler mais...)


A biblioteca no mercado semanal »  2019-12-05  »  António Gomes

A Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes mudou-se para o mercado, literalmente. Às terças, quinzenalmente, é lá que se encontra.

Misturar as couves, as cebolas, o pão, o queijo, as flores e as pessoas com os livros é uma ideia que deve ser valorizada e apreciada.
(ler mais...)


O senhor da maquineta »  2019-12-05  »  Anabela Santos

Estamos no outono, muito perto da chegada do inverno. Uma estação bonita, de cores únicas, temperatura amena e blá, blá, blá… tudo de bom para dizer desta época do ano.

É também a altura em que as árvores de folha caduca se despem totalmente e deixam os seus ramos apanhar sol, ganhando assim força até à chegada da primavera, momento em que nos presenteiam, novamente, com a sombra das suas folhas.
(ler mais...)


A cantiga é uma arma... »  2019-11-29  »  Hélder Dias

O desafio da direita democrática »  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia

Comecemos pelo trivial, mas que muitas vezes é esquecido. O papel do PSD e do CDS tem sido fundamental para a consolidação de um regime democrático-liberal no nosso país. Uma democracia representativa não pode subsistir sem a existência de pluralidade política e de partidos de direita e de esquerda.
(ler mais...)


Deixaram morrer a tarambola »  2019-11-21  »  António Gomes

Pode dizer-se que é desolador, uma tristeza, que não querem saber, quem pode não quer, está tudo desprezado, é uma grande irresponsabilidade, é um desconsolo e mais uns quantos adjectivos, mas creio que é mais do que isso e mais grave.
(ler mais...)


Eu é que sei »  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro

Vinha a ouvir no rádio do carro a rubrica “Eu é que sei!” A ideia passa por lançar perguntas às crianças para elas opinarem sobre o que pensam de cada temática. Eu é que sei…. “O que é um estetoscópio”, “porque há pessoas boas e más”, “porque as pessoas usam malas”, “porque é que as aranhas têm 8 olhos” , “o que é um pirilampo”, “para que serve a manete de mudanças.
(ler mais...)


Nazismo e comunismo »  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia

No mês passado o Parlamento Europeu aprovou uma resolução de condenação dos regimes nazi e comunista. Na verdade, ambos os regimes perseguiram e mataram adversários e o Estado teve neles uma configuração totalitária.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia Nazismo e comunismo
»  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia O desafio da direita democrática
»  2019-11-21  »  António Gomes Deixaram morrer a tarambola
»  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro Eu é que sei
»  2019-11-29  »  Hélder Dias A cantiga é uma arma...