• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 27 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 11°
Céu muito nublado com chuva fraca
Qua.
 16° / 12°
Céu muito nublado
Ter.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

No Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados”

Opinião  »  2019-12-05  »  Ana Lúcia Cláudio

"Acredito que a minha participação pode fazer a diferença"

Quase dez da noite da última sexta-feira de Novembro, no aeroporto da Portela. Está quente para quem acaba de chegar de um país mais frio. Apanho um táxi para o centro de Lisboa, uma distância suficientemente curta para não ser do agrado dos taxistas. Eu sei-o e confesso-o ao taxista que me “apanhou” com um sorriso cúmplice para tentar ganhar a sua simpatia. Quase a chegar ao meu primeiro destino, confidencio-lhe que vou buscar o meu carro porque seguirei, ainda nessa mesma noite, para Torres Novas. “Torres Novas, também ia…” Toquei num ponto fraco. Um taxista torrejano, mais concretamente de Alcorochel. Trocámos galhardetes sobre as nossas localidades, entre a nostalgia típica de quem, como ele, vive longe da sua terra. Fala de como Torres Novas está diferente, das coisas boas que tem para oferecer e do muito que ainda falta fazer.
Ao contrário deste taxista, eu não fui “nada nem criada” em Torres Novas.

Nasci em Lisboa há 43 anos no seio de uma família de quatro avós, todos eles nascidos e criados neste concelho ribatejano. Sou, portanto, uma torrejana “dos quatro costados”. Gosto desta expressão. Dizem os especialistas que quando alguém é considerado “de quatro costados”, significa que o é “por parte dos avós paternos e maternos”. Ao que consta, este termo generalizou-se na língua portuguesa e passou a aplicar-se com um sentido próximo dos adjectivos “ferrenho” e “arreigado”. Parece-me bem.

Vivi sempre entre Lisboa e a Zibreira, a primeira aldeia do concelho para quem vem da capital. A terra que viu nascer o Rio Almonda. E aquela que guarda as melhores memórias da minha infância: as férias, o Natal os três meses de verão, o “dolce fare niente”… Na altura, Lisboa era sinónimo de escola e obrigações, Zibreira e Torres Novas significavam lazer e descanso.

Com o tempo, a ligação à Zibreira e a Torres Novas continuou intermitente com a vida na capital. Mas, actualmente, com mais obrigações e menos lazer. Foi, por isso, este concelho ribatejano que eu escolhi e que me escolheu para intervir civicamente e contribuir, à minha escala, para uma região melhor. E faço-o, também, como uma homenagem às três pessoas mais importantes da minha vida. Uma homenagem a quem que me trouxe até cá: a minha avó materna, que me acompanhou 40 anos da minha vida e que me tornou na pessoa que sou hoje. E àqueles que, à data de hoje, me mantêm aqui: os meus dois filhos que sempre viveram e estudaram no concelho. Que usufruem do que Torres Novas tem para lhes dar. E que merecem que o concelho lhes dê o melhor.

E, porque acredito que a minha participação pode fazer a diferença, não só nos órgãos públicos a que pertenço, mas também nos meios de comunicação social com os quais colaboro (esse eterno quarto poder que luta sem se render contra as redes sociais, um rival muitas vezes traiçoeiro com mais desinformação que utilidade)… assim chega, a partir de hoje, ao Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados”.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Rui Rio faz o seu caminho »  2020-01-24  »  Jorge Carreira Maia

Rui Rio tornou a vencer as eleições internas do PSD. Isso terá contrariado muita gente à direita, gente despeitada e ansiosa de que se retorne à política de punição das classes populares imposta por Passos Coelho.
(ler mais...)


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?
»  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia O discurso do rancor