• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 19 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 36° / 15°
Períodos nublados
Dom.
 31° / 15°
Céu nublado
Sáb.
 30° / 17°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  32° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Para quê tanto vermelho?

Opinião  »  2019-02-21  »  Ana Sentieiro

"O aspeto que torna o Dia dos Namorados uma celebração amadora é o capitalismo"

O Dia de São Valentim é, à semelhança do Carnaval, do Dia da Mulher, do Dia da Aproximação do Pi ou do próprio Dia do Pi, uma celebração à qual não foi atribuída o estatuto de feriado e, como tal, não é respeitada no agregado de festividades.

O Natal ocupa, claramente, um assento privilegiado, com estofos de veludo e uma almofada de encosto lombar. Os feriados históricos e com voz política, como o 25 de Abril ou o Dia da Restauração da Independência, partilham um sofá minimalista preto para camuflar nódoas de ganância do estofo de pele. Os feriados religiosos, como a Páscoa ou o Dia de Todos os Santos, sentam-se naqueles bancos de plástico portáteis para tornar mais fácil a mudança no calendário. O Dia do Trabalhador fica de pé. E as restantes celebrações que procuram animar o pobre dia, sentam-se humildemente no chão, de pernas à chinês.

Neste artigo, tentarei explicar o porquê de o Dia de São Valentim não ter tido a honra de ser condecorado como feriado internacional. Para começar, o nome comum atribuído, Dia dos Namorados, exclui imediata e cruelmente todas as pessoas que não estão comprometidas, mesmo que na base do seu relacionamento esteja o amor. Aqueles que gostam assim assim ou os que gostam, mas dizem que não e talvez estejam apenas num conflito interior. Aqueles que gostam, mas preferiam não gostar ou aqueles que gostam deles próprios. Todos se deveriam sentir incluídos nesta data que, por não ser feriado, não tem autoridade de definir barreiras tão especificas e objetivas para um tema tão amplo e subjetivo.

Após uma profunda pesquisa acerca da origem histórica por detrás do dia 14 de fevereiro, conclui que se trata do dia da decapitação em praça pública do bispo romano Valentim. Existe evento mais romântico e harmonioso do que perder a cabeça por amor às suas convicções?!

Valentim continuou a celebrar casamentos, após a sua proibição pelo imperador Claúdio II que, ao descobrir, o condenou à morte. No entanto, na época, os serviços prestados pelos carrascos não respondiam às necessidades dos condenados e, como tal, Valentim foi posto em lista de espera na cela número 132, sem latrina, mas com vista para as traseiras da Capela Sistina. Da sua grade, caiam bilhetes e flores, símbolos de amor, mas pouco eficazes no momento da tentativa de fuga. Valentim foi santificado ao apaixonar-se por uma mulher cega, que recuperou milagrosamente a visão e assistiu com clareza à morte do amor da sua vida...

A outra questão que introduz constrangimento a esta festividade é a figura do Cupido. O menino alado que carrega sempre um arco, pronto a disparar sobre o coração de homens e deuses. Uma imagem pouco agradável e um tanto dolorosa. Se um homem, vestido com uma camisola de capuz, entrar num supermercado e disparar uma seta num dos empregados, é preso e capa do Correio da Manhã (possivelmente pela escolha ousada/arcaica do instrumento de massacre...). Mas caso seja um adulto numa tanga e com flores no cabelo não há qualquer tipo de impedimento jurídico ou ético. O ferimento salpica paixão, jorra amor e deixa nódoa. Não entendo a leveza como a sociedade julga ambos os acontecimentos... É só a mim que desestabiliza a ideia de um deus, filho de planetas, andar para aí a dizer quem é que eu deva amar?!

No entanto, o aspeto que torna o Dia dos Namorados uma celebração amadora é o capitalismo. O chocolate em forma de coração, embrulhado em papel vermelho com um lacinho, é consideravelmente mais caro do que a tradicional tablete de chocolate, tendo em conta as proporções do seu conteúdo. Os bombons então, nem se fala! A caixa é deveras apelativa, mas os 4 pedacinhos de chocolate com recheio sugerem “Talvez devesses fazer uma dieta, querida...”. A lingerie vermelha, os ramos de rosas com as muito pensadas mensagens I L U ou 4EVER e os postais com uma música do Justin Bieber, tornam o amor um conceito banal, retrógrado e demasiado vermelho! Parece um encontro de benfiquistas sem personalidade ou sentido crítico, que acaba esquecido num canto, só, a lidar com a desilusão de não ser mais do que um objeto e ser incapaz de amar.
O Dia de São Valentim não é feriado porque o Amor não pode tirar um dia livre para passear com a família, jantar com a namorada com direito a uma mousse caseira ou assistir a um concerto ao vivo no qual terá, eventualmente, de pôr a filha às suas cavalitas. A presença do Amor no seu local de trabalho é imperativo! Quem é que irá ensinar às crianças o verbo to be, fazer a bainha de 37 pares de calças, calcetar o passeio, plantar couves ou escrever o próximo romance best-seller?

 

 

 Outras notícias - Opinião


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-19  »  Inês Vidal Democracia, por Inês Vidal
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Problemas de memória
»  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia Autarquias, professores, padres casados e futebol
»  2019-06-19  »  José Ricardo Costa O Tempo dos Gelados