• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 17 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 12° / 4°
Céu limpo
Dom.
 15° / 6°
Céu limpo
Sáb.
 18° / 11°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  16° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Para quê tanto vermelho?

Opinião  »  2019-02-21  »  Ana Sentieiro

"O aspeto que torna o Dia dos Namorados uma celebração amadora é o capitalismo"

O Dia de São Valentim é, à semelhança do Carnaval, do Dia da Mulher, do Dia da Aproximação do Pi ou do próprio Dia do Pi, uma celebração à qual não foi atribuída o estatuto de feriado e, como tal, não é respeitada no agregado de festividades.

O Natal ocupa, claramente, um assento privilegiado, com estofos de veludo e uma almofada de encosto lombar. Os feriados históricos e com voz política, como o 25 de Abril ou o Dia da Restauração da Independência, partilham um sofá minimalista preto para camuflar nódoas de ganância do estofo de pele. Os feriados religiosos, como a Páscoa ou o Dia de Todos os Santos, sentam-se naqueles bancos de plástico portáteis para tornar mais fácil a mudança no calendário. O Dia do Trabalhador fica de pé. E as restantes celebrações que procuram animar o pobre dia, sentam-se humildemente no chão, de pernas à chinês.

Neste artigo, tentarei explicar o porquê de o Dia de São Valentim não ter tido a honra de ser condecorado como feriado internacional. Para começar, o nome comum atribuído, Dia dos Namorados, exclui imediata e cruelmente todas as pessoas que não estão comprometidas, mesmo que na base do seu relacionamento esteja o amor. Aqueles que gostam assim assim ou os que gostam, mas dizem que não e talvez estejam apenas num conflito interior. Aqueles que gostam, mas preferiam não gostar ou aqueles que gostam deles próprios. Todos se deveriam sentir incluídos nesta data que, por não ser feriado, não tem autoridade de definir barreiras tão especificas e objetivas para um tema tão amplo e subjetivo.

Após uma profunda pesquisa acerca da origem histórica por detrás do dia 14 de fevereiro, conclui que se trata do dia da decapitação em praça pública do bispo romano Valentim. Existe evento mais romântico e harmonioso do que perder a cabeça por amor às suas convicções?!

Valentim continuou a celebrar casamentos, após a sua proibição pelo imperador Claúdio II que, ao descobrir, o condenou à morte. No entanto, na época, os serviços prestados pelos carrascos não respondiam às necessidades dos condenados e, como tal, Valentim foi posto em lista de espera na cela número 132, sem latrina, mas com vista para as traseiras da Capela Sistina. Da sua grade, caiam bilhetes e flores, símbolos de amor, mas pouco eficazes no momento da tentativa de fuga. Valentim foi santificado ao apaixonar-se por uma mulher cega, que recuperou milagrosamente a visão e assistiu com clareza à morte do amor da sua vida...

A outra questão que introduz constrangimento a esta festividade é a figura do Cupido. O menino alado que carrega sempre um arco, pronto a disparar sobre o coração de homens e deuses. Uma imagem pouco agradável e um tanto dolorosa. Se um homem, vestido com uma camisola de capuz, entrar num supermercado e disparar uma seta num dos empregados, é preso e capa do Correio da Manhã (possivelmente pela escolha ousada/arcaica do instrumento de massacre...). Mas caso seja um adulto numa tanga e com flores no cabelo não há qualquer tipo de impedimento jurídico ou ético. O ferimento salpica paixão, jorra amor e deixa nódoa. Não entendo a leveza como a sociedade julga ambos os acontecimentos... É só a mim que desestabiliza a ideia de um deus, filho de planetas, andar para aí a dizer quem é que eu deva amar?!

No entanto, o aspeto que torna o Dia dos Namorados uma celebração amadora é o capitalismo. O chocolate em forma de coração, embrulhado em papel vermelho com um lacinho, é consideravelmente mais caro do que a tradicional tablete de chocolate, tendo em conta as proporções do seu conteúdo. Os bombons então, nem se fala! A caixa é deveras apelativa, mas os 4 pedacinhos de chocolate com recheio sugerem “Talvez devesses fazer uma dieta, querida...”. A lingerie vermelha, os ramos de rosas com as muito pensadas mensagens I L U ou 4EVER e os postais com uma música do Justin Bieber, tornam o amor um conceito banal, retrógrado e demasiado vermelho! Parece um encontro de benfiquistas sem personalidade ou sentido crítico, que acaba esquecido num canto, só, a lidar com a desilusão de não ser mais do que um objeto e ser incapaz de amar.
O Dia de São Valentim não é feriado porque o Amor não pode tirar um dia livre para passear com a família, jantar com a namorada com direito a uma mousse caseira ou assistir a um concerto ao vivo no qual terá, eventualmente, de pôr a filha às suas cavalitas. A presença do Amor no seu local de trabalho é imperativo! Quem é que irá ensinar às crianças o verbo to be, fazer a bainha de 37 pares de calças, calcetar o passeio, plantar couves ou escrever o próximo romance best-seller?

 

 

 Outras notícias - Opinião


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)


O PDM e a sua revisão »  2019-12-20  »  António Gomes

Parece que é desta. Ao fim de dezoito anos, o processo de revisão do PDM de Torres Novas dá sinais. Foi preciso o governo ameaçar com cortes nas receitas às autarquias que não completarem a revisão deste importante instrumento de ordenamento do território em 2020, para se iniciar tão importante tarefa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-12-20  »  António Gomes O PDM e a sua revisão
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha
»  2019-12-18  »  José Ricardo Costa O mundo a seus pés
»  2019-12-18  »  José Alves Pereira Portugal e os novos Filipes