• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 08 Dezembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 14° / 5°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 15° / 5°
Períodos nublados
Seg.
 16° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  15° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Para quê tanto vermelho?

Opinião  »  2019-02-21  »  Ana Sentieiro

"O aspeto que torna o Dia dos Namorados uma celebração amadora é o capitalismo"

O Dia de São Valentim é, à semelhança do Carnaval, do Dia da Mulher, do Dia da Aproximação do Pi ou do próprio Dia do Pi, uma celebração à qual não foi atribuída o estatuto de feriado e, como tal, não é respeitada no agregado de festividades.

O Natal ocupa, claramente, um assento privilegiado, com estofos de veludo e uma almofada de encosto lombar. Os feriados históricos e com voz política, como o 25 de Abril ou o Dia da Restauração da Independência, partilham um sofá minimalista preto para camuflar nódoas de ganância do estofo de pele. Os feriados religiosos, como a Páscoa ou o Dia de Todos os Santos, sentam-se naqueles bancos de plástico portáteis para tornar mais fácil a mudança no calendário. O Dia do Trabalhador fica de pé. E as restantes celebrações que procuram animar o pobre dia, sentam-se humildemente no chão, de pernas à chinês.

Neste artigo, tentarei explicar o porquê de o Dia de São Valentim não ter tido a honra de ser condecorado como feriado internacional. Para começar, o nome comum atribuído, Dia dos Namorados, exclui imediata e cruelmente todas as pessoas que não estão comprometidas, mesmo que na base do seu relacionamento esteja o amor. Aqueles que gostam assim assim ou os que gostam, mas dizem que não e talvez estejam apenas num conflito interior. Aqueles que gostam, mas preferiam não gostar ou aqueles que gostam deles próprios. Todos se deveriam sentir incluídos nesta data que, por não ser feriado, não tem autoridade de definir barreiras tão especificas e objetivas para um tema tão amplo e subjetivo.

Após uma profunda pesquisa acerca da origem histórica por detrás do dia 14 de fevereiro, conclui que se trata do dia da decapitação em praça pública do bispo romano Valentim. Existe evento mais romântico e harmonioso do que perder a cabeça por amor às suas convicções?!

Valentim continuou a celebrar casamentos, após a sua proibição pelo imperador Claúdio II que, ao descobrir, o condenou à morte. No entanto, na época, os serviços prestados pelos carrascos não respondiam às necessidades dos condenados e, como tal, Valentim foi posto em lista de espera na cela número 132, sem latrina, mas com vista para as traseiras da Capela Sistina. Da sua grade, caiam bilhetes e flores, símbolos de amor, mas pouco eficazes no momento da tentativa de fuga. Valentim foi santificado ao apaixonar-se por uma mulher cega, que recuperou milagrosamente a visão e assistiu com clareza à morte do amor da sua vida...

A outra questão que introduz constrangimento a esta festividade é a figura do Cupido. O menino alado que carrega sempre um arco, pronto a disparar sobre o coração de homens e deuses. Uma imagem pouco agradável e um tanto dolorosa. Se um homem, vestido com uma camisola de capuz, entrar num supermercado e disparar uma seta num dos empregados, é preso e capa do Correio da Manhã (possivelmente pela escolha ousada/arcaica do instrumento de massacre...). Mas caso seja um adulto numa tanga e com flores no cabelo não há qualquer tipo de impedimento jurídico ou ético. O ferimento salpica paixão, jorra amor e deixa nódoa. Não entendo a leveza como a sociedade julga ambos os acontecimentos... É só a mim que desestabiliza a ideia de um deus, filho de planetas, andar para aí a dizer quem é que eu deva amar?!

No entanto, o aspeto que torna o Dia dos Namorados uma celebração amadora é o capitalismo. O chocolate em forma de coração, embrulhado em papel vermelho com um lacinho, é consideravelmente mais caro do que a tradicional tablete de chocolate, tendo em conta as proporções do seu conteúdo. Os bombons então, nem se fala! A caixa é deveras apelativa, mas os 4 pedacinhos de chocolate com recheio sugerem “Talvez devesses fazer uma dieta, querida...”. A lingerie vermelha, os ramos de rosas com as muito pensadas mensagens I L U ou 4EVER e os postais com uma música do Justin Bieber, tornam o amor um conceito banal, retrógrado e demasiado vermelho! Parece um encontro de benfiquistas sem personalidade ou sentido crítico, que acaba esquecido num canto, só, a lidar com a desilusão de não ser mais do que um objeto e ser incapaz de amar.
O Dia de São Valentim não é feriado porque o Amor não pode tirar um dia livre para passear com a família, jantar com a namorada com direito a uma mousse caseira ou assistir a um concerto ao vivo no qual terá, eventualmente, de pôr a filha às suas cavalitas. A presença do Amor no seu local de trabalho é imperativo! Quem é que irá ensinar às crianças o verbo to be, fazer a bainha de 37 pares de calças, calcetar o passeio, plantar couves ou escrever o próximo romance best-seller?

 

 

 Outras notícias - Opinião


A questão ambiental »  2019-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A generalidade dos cidadãos, onde se incluem as elites políticas, não tem qualquer capacidade para julgar se as alterações climáticas em curso são de origem humana ou se são apenas efeitos de uma alteração do clima que ocorre independentemente das acções humanas.
(ler mais...)


No Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados” »  2019-12-05  »  Ana Lúcia Cláudio

Quase dez da noite da última sexta-feira de Novembro, no aeroporto da Portela. Está quente para quem acaba de chegar de um país mais frio. Apanho um táxi para o centro de Lisboa, uma distância suficientemente curta para não ser do agrado dos taxistas.
(ler mais...)


Há um elefante na sala: o ensino superior da região! »  2019-12-05  »  Jorge Salgado Simões

Podemos não falar do assunto. Podemos todos ir pensando nisto sem dizer o que quer que seja, ou fazer do tema não mais do que uma conversa de café, para não melindrar ninguém.

Temos um problema na região com o ensino superior público: dois Institutos Politécnicos, Tomar e Santarém (IPT e IPS), demasiado pequenos e demasiado sozinhos, desligados entre si, pouco atrativos, pouco diferenciadores e com uma sustentabilidade mais do que duvidosa.
(ler mais...)


A biblioteca no mercado semanal »  2019-12-05  »  António Gomes

A Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes mudou-se para o mercado, literalmente. Às terças, quinzenalmente, é lá que se encontra.

Misturar as couves, as cebolas, o pão, o queijo, as flores e as pessoas com os livros é uma ideia que deve ser valorizada e apreciada.
(ler mais...)


O senhor da maquineta »  2019-12-05  »  Anabela Santos

Estamos no outono, muito perto da chegada do inverno. Uma estação bonita, de cores únicas, temperatura amena e blá, blá, blá… tudo de bom para dizer desta época do ano.

É também a altura em que as árvores de folha caduca se despem totalmente e deixam os seus ramos apanhar sol, ganhando assim força até à chegada da primavera, momento em que nos presenteiam, novamente, com a sombra das suas folhas.
(ler mais...)


A cantiga é uma arma... »  2019-11-29  »  Hélder Dias

O desafio da direita democrática »  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia

Comecemos pelo trivial, mas que muitas vezes é esquecido. O papel do PSD e do CDS tem sido fundamental para a consolidação de um regime democrático-liberal no nosso país. Uma democracia representativa não pode subsistir sem a existência de pluralidade política e de partidos de direita e de esquerda.
(ler mais...)


Deixaram morrer a tarambola »  2019-11-21  »  António Gomes

Pode dizer-se que é desolador, uma tristeza, que não querem saber, quem pode não quer, está tudo desprezado, é uma grande irresponsabilidade, é um desconsolo e mais uns quantos adjectivos, mas creio que é mais do que isso e mais grave.
(ler mais...)


Eu é que sei »  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro

Vinha a ouvir no rádio do carro a rubrica “Eu é que sei!” A ideia passa por lançar perguntas às crianças para elas opinarem sobre o que pensam de cada temática. Eu é que sei…. “O que é um estetoscópio”, “porque há pessoas boas e más”, “porque as pessoas usam malas”, “porque é que as aranhas têm 8 olhos” , “o que é um pirilampo”, “para que serve a manete de mudanças.
(ler mais...)


Nazismo e comunismo »  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia

No mês passado o Parlamento Europeu aprovou uma resolução de condenação dos regimes nazi e comunista. Na verdade, ambos os regimes perseguiram e mataram adversários e o Estado teve neles uma configuração totalitária.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia Nazismo e comunismo
»  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia O desafio da direita democrática
»  2019-11-21  »  António Gomes Deixaram morrer a tarambola
»  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro Eu é que sei
»  2019-11-29  »  Hélder Dias A cantiga é uma arma...