• SOCIEDADE  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 27 de Fevereiro de 2017
Pesquisar...
Qui.
 19° / 3°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 18° / 6°
Céu nublado
Ter.
 16° / 8°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Pós-verdade e obras públicas

Opinião  »  2017-02-16  »  Jorge Salgado Simões

"É um verdadeiro ante-pré-plano de intenções, a pós-verdade aplicada à obra pública."

Para quem não deu por isso, António Costa veio cá no passado dia sete apresentar um programa nacional de valorização das áreas empresariais. São 180 milhões de euros para todo o país, dos quais cerca de 100 para acessibilidades a áreas empresariais já existentes, incluindo-se, neste caso, a ligação das zonas industriais do Entroncamento e Riachos à A23.
É claro que este é um investimento mais do que necessário, como muitos outros que têm sido adiados com enormes prejuízos para o país, para as empresas e para o emprego nas diferentes regiões. Contudo, estas apresentações têm a enorme faculdade de reduzir a ação política ao grau zero da credibilidade, contribuindo para o mesmo nível de confiança das populações no Estado e nas instituições públicas.
Há apenas uma semana este Governo anunciou um investimento de 500 milhões para os Metros de Lisboa e Porto, com grande fuzuê a norte porque o do Porto fica com a maior fatia, 290 contra 210 milhões. É claro que não questionamos a relevância destas intervenções, mas quanto ao volume de investimento do programa agora apresentado para as áreas empresariais, estamos esclarecidos.
O pior é quando tentamos perceber o que foi apresentado. Há um montante de referência para a obra, mas pela informação disponível esse deve ser o único dado em concreto.
Ao contrário do que é conhecido sobre os investimentos nos Metros, aqui os municípios têm de “colaborar”, porque de outro modo a obra não vem. Mas mesmo esta colaboração tem versões contraditórias, que vão de 10 a 15% do investimento, ao assumir do valor das aquisições ou expropriações necessárias para a nova estrada, (que pode estar ou não incluído nos 10 a 15%) ou até o assegurar da componente de iluminação. No caso de Riachos e Entroncamento acresce um outro pormenor em falta: não há sequer um traçado definido para a nova via.
Ou seja, isto é um verdadeiro ante-pré-plano de intenções, a pós-verdade aplicada à obra pública. Se não deu por isto ou se ficou confuso, não se preocupe: tão depressa nada acontece.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Fantoche... »  2017-02-25  »  Hélder Dias

BENDITOS OS PEIXES DO AZUL ( há 30 anos o Zeca emalou a trouxa e zarpou) »  2017-02-23  »  João Carlos Lopes

Pelos 14 anos, quando me meti nas militâncias revolucionárias logo a seguir ao dia inicial, mais que as ideologias e as cartilhas, vejo eu agora, havia uma espécie de programa poético que em fundo embalava gestos e ousadias, esperanças e coragens: pelas praias do mar nos vamos à procura da manhã clara.
(ler mais...)


O PEDU segundo Mateus, o augusto »  2017-02-16  »  João Carlos Lopes

“Torres Novas.pt- ponte para todos” será, muito provavelmente, o último trabalho deste cariz, feito nesta autarquia, com vista à definição de uma estratégia global para o concelho na perspectiva de candidaturas comunitárias”: eram estas as palavras de António Rodrigues a abrir o prefácio do plano estratégico 2007/2015, elaborado pela empresa do ex-ministro socialista e consultor-mor Mateus, o augusto dos planos e eixos estratégicos (os mais grisalhos ainda se lembram do célebre “eixo estratégico Torres Novas/Entroncamento” sobre o qual o antigo vereador Carlos Tomé, o maior poeta que alguma vez passou por esta pobre autarquia, lavrou, lapidar: “No eixo é um descanso”.
(ler mais...)


Os benefícios terapêuticos da sauna »  2017-02-16  »  Juvenal Silva

A sauna é um benefício por muitos desconhecido e por outros negligenciado, sendo contudo, um dos melhores métodos para o aperfeiçoamento da forma física e da beleza, constituindo um tratamento de excelência na depuração orgânica e de extraordinária eficácia para o fortalecimento dos músculos, das articulações e,no aumento do rendimento da atividade, tanto física como intelectual.
(ler mais...)


Assim não! – caderno primeiro »  2017-02-16  »  Gabriel Feitor

Poderia abordar na crónica desta semana a questão dos refugiados acolhidos em Alcanena – assunto que, curiosamente, preencheu o espaço político da semana que passou – e a sua a sensacional recepção que envergonhou todos quantos primam pelo bom senso.
(ler mais...)


O castelo, o jardim e os outros »  2017-02-16  »  António Gomes

O bom senso aconselha a que se alargue o tempo de debate público e que se promova o mesmo, projeto a projeto.
Só assim podemos garantir as melhores soluções, as mais equilibradas e as mais consensuais. A aplicação dos dinheiros públicos em torno do PEDU vai muito para além dos mandatos autárquicos, é a cidade para as próximas gerações.
(ler mais...)


Autárquicas »  2017-02-16  »  Inês Vidal

Está dado o pontapé de saída para as eleições autárquicas, em Torres Novas. João Quaresma, líder da concelhia social-democrata, assume-se como candidato à Câmara Municipal, na frente de uma coligação com o CDS-PP, naquela que é uma tentativa de unir o eleitorado de direita.
(ler mais...)


Graças à geringonça »  2017-02-16  »  Jorge Carreira Maia

Os recentes elogios da Comissão Europeia ao desempenho de Portugal representam, por pouco que parte da esquerda goste ou não, uma vitória dessa mesma esquerda. De toda a esquerda portuguesa. Quando António Costa, perante os resultados eleitorais, decidiu formar governo com apoio parlamentar do BE, do PCP e do PEV toda a gente ainda está lembrada da tentativa de fronda lançada pela direita, fronda essa que estaria legitimada num conjunto de profecias que anunciavam que o novo governo não duraria seis meses, que o défice iria disparar e que o país estaria à beira do apocalipse.
(ler mais...)


Joseph de Maistre »  2017-02-03  »  Jorge Carreira Maia

Agora que uma certa direita política está a chegar ao poder é altura de olhar para o seu longínquo fundamento. Joseph de Maistre (1753-1821) – juntamente com Louis de Bonnald, Edmund Burke e Giambattista Vico – está na sua origem.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-02-23  »  João Carlos Lopes BENDITOS OS PEIXES DO AZUL ( há 30 anos o Zeca emalou a trouxa e zarpou)
»  2017-02-25  »  Hélder Dias Fantoche...