• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 20 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 15° / 8°
Céu muito nublado com chuva fraca
Sex.
 15° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ano novo, Torres “Novas”?

Opinião  »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

"E para o nosso concelho, pedimos o quê para 2020?"

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual. Um manancial de desejos e resoluções que, neste caso, pretendemos que se concretizem nos próximos 366 dias. Sim. 2020, este ano redondinho e simétrico é um ano bissexto. Tem, por isso, mais uma oportunidade para (nós) realizarmos e menos uma desculpa para falharmos...

E, atenção, que desejos e resoluções não são, necessariamente, sinónimos. Os desejos são situações que gostaríamos muito de ver realizadas mas que, apenas em parte, estão dependentes da nossa vontade, estando essencialmente condicionadas pela sorte e pelo acaso, esses factores desconhecidos e imprevisíveis mas que beneficiam, assim o esperamos, quem os procura e quem os merece. Saúde, amor, ganhar o euro milhões, são alguns dos pedidos mais frequentes ao novo ano.

Já as resoluções são objectivos que tencionamos pôr em prática e nas quais colocamos todo o nosso empenho, para que se tornem realidade. Deixar de fumar, emagrecer, usar menos as redes sociais e dar mais atenção a quem nos rodeia são algumas das frases que todos os anos, por esta altura, ouvimos à nossa volta, normalmente seguidas de expressão “este ano é que vai ser” (precisamente porque já constavam do cardápio do ano anterior, mas o empenho não foi suficiente para que tal se concretizasse). Assim seja, então, ano novo, vida nova!

E para o nosso concelho, pedimos o quê para 2020? E, por seu lado, o que estamos dispostos a fazer para que Torres Novas se transforme na cidade em que todos desejamos viver?

Torres Novas é um território de excelência, pois possuí as características intrínsecas que podem marcar a diferença, nomeadamente, a sua localização excepcional e o seu capital humano. Mas ao que parece, e segundo dizem as estatísticas, somos um concelho estagnado, onde os jovens não encontram expectativas de futuro, procurando outros locais para poderem desenvolver as suas vidas com maior qualidade. Há, pois, que tentar mudar esta realidade, com entusiasmo e trabalho, em prol dum concelho que merece mais e exigindo uma nova estratégia por parte de quem nos governa. Aqui, como de resto em todo o país, as pessoas encontram-se, de uma maneira geral, afastadas da vida política e social da comunidade. No entanto, só uma participação cívica mais activa possibilitará uma maior proximidade com quem nos representa de modo a fazer chegar, ao “sítio certo”, os anseios, as preocupações e as necessidades que são de todos.

Encontrar as melhores soluções para os problemas do concelho. Transformar Torres Novas no lugar ideal para trabalharmos e vivermos. São, então, desejos ou resoluções? Uma dica: A sua concretização depende, essencialmente, do que cada um de nós fizer nesse sentido!

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  António Gomes Resíduos urbanos - antónio gomes